jusbrasil.com.br
17 de Agosto de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Superior Tribunal de Justiça
ano passado

Detalhes da Jurisprudência

Processo

Órgão Julgador

T5 - QUINTA TURMA

Publicação

Julgamento

Relator

Ministro JOEL ILAN PACIORNIK

Documentos anexos

Inteiro TeorSTJ_AGRG-HC_596979_a643e.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

AgRg no HABEAS CORPUS Nº 596979 - PR (2020/XXXXX-2)

RELATOR : MINISTRO JOEL ILAN PACIORNIK

AGRAVANTE : JENIFFER GONÇALVES ROSA

ADVOGADO : DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO

AGRAVADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

AGRAVADO : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ

INTERES. : DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARANÁ

ADVOGADOS : SERGIO ROBERTO RODRIGUES PARIGOT DE SOUZA -PR011078 DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARANÁ

IMPETRADO : TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ

EMENTA

AGRAVO REGIMENTAL NO HABEAS CORPUS. DELITO DE

TRÁFICO DE DROGAS. PRETENSÃO DE ABSOLVIÇÃO. REEXAME

FÁTICO-PROBATÓRIO. IMPOSSIBILIDADE. DEPOIMENTOS DOS

POLICIAIS COERENTES E COMPATÍVEIS COM AS PROVAS DOS

AUTOS. VALOR PROBANTE REVESTIDO DE FÉ PÚBLICA.

DESCLASSIFICAÇÃO. IMPOSSIBILIDADE. VEDADO REEXAME DA

MATÉRIA FÁTICO-PROBATÓRIA. AGRAVO REGIMENTAL

DESPROVIDO.

1. A condenação da paciente/agravante pelo delito de tráfico de

drogas está fundamentada nos depoimentos dos policiais militares que

realizaram a prisão em flagrante, os quais afirmaram que ela foi

encontrada, em ponto de tráfico, na posse de uma sacola contendo

inúmeras porções de drogas. Para se acolher a tese da defesa relativa à

absolvição, é necessário o reexame de todo o conjunto probatório, o que

é vedado em habeas corpus.

2. Tampouco é possível o acolhimento da alegação de que a

paciente é usuária de drogas negando a prática do delito de tráfico

(desclassificação da conduta), na via estreita do habeas corpus, ante a

necessária incursão probatória.

3. Agravo regimental desprovido.

ACÓRDÃO

Vistos e relatados estes autos em que são partes as acima indicadas,

acordam os Ministros da QUINTA TURMA do Superior Tribunal de Justiça, por

unanimidade, negar provimento ao agravo regimental.

Os Srs. Ministros Felix Fischer, João Otávio de Noronha, Reynaldo Soares

da Fonseca e Ribeiro Dantas votaram com o Sr. Ministro Relator.

JOEL ILAN PACIORNIK

Relator

AgRg no HABEAS CORPUS Nº 596979 - PR (2020/XXXXX-2)

RELATOR : MINISTRO JOEL ILAN PACIORNIK

AGRAVANTE : JENIFFER GONÇALVES ROSA

ADVOGADO : DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO

AGRAVADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

AGRAVADO : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ

INTERES. : DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARANÁ

ADVOGADOS : SERGIO ROBERTO RODRIGUES PARIGOT DE SOUZA -PR011078 DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARANÁ

IMPETRADO : TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ

EMENTA

AGRAVO REGIMENTAL NO HABEAS CORPUS. DELITO DE

TRÁFICO DE DROGAS. PRETENSÃO DE ABSOLVIÇÃO. REEXAME

FÁTICO-PROBATÓRIO. IMPOSSIBILIDADE. DEPOIMENTOS DOS

POLICIAIS COERENTES E COMPATÍVEIS COM AS PROVAS DOS

AUTOS. VALOR PROBANTE REVESTIDO DE FÉ PÚBLICA.

DESCLASSIFICAÇÃO. IMPOSSIBILIDADE. VEDADO REEXAME DA

MATÉRIA FÁTICO-PROBATÓRIA. AGRAVO REGIMENTAL

DESPROVIDO.

1. A condenação da paciente/agravante pelo delito de tráfico de

drogas está fundamentada nos depoimentos dos policiais militares que

realizaram a prisão em flagrante, os quais afirmaram que ela foi

encontrada, em ponto de tráfico, na posse de uma sacola contendo

inúmeras porções de drogas. Para se acolher a tese da defesa relativa à

absolvição, é necessário o reexame de todo o conjunto probatório, o que

é vedado em habeas corpus.

2. Tampouco é possível o acolhimento da alegação de que a

paciente é usuária de drogas negando a prática do delito de tráfico

(desclassificação da conduta), na via estreita do habeas corpus, ante a

necessária incursão probatória.

3. Agravo regimental desprovido.

RELATÓRIO

Cuida-se de agravo regimental interposto pela DEFENSORIA PÚBLICA DA

UNIÃO em benefício de JENIFFER GONÇALVES ROSA contra decisão monocrática

de fls. 32/33 da lavra do eminente Ministro Presidente em que indeferiu liminarmente o

que se aponta como autoridade coatora o Tribunal de Justiça do Estado do Paraná (Apelação Criminal n. XXXXX-89.2018.8.16.0088).

A impetrante expõe que a paciente, condenada pela prática do crime de tráfico de drogas, estaria sendo submetida a constrangimento ilegal.

Argumenta que “o fato imputado à paciente diz respeito a suposta prática delitiva do artigo 33, caput, da Lei n.º 11.343/2006, por trazer consigo 12 g de maconha e ter informado aos policiais onde havia um pote da substância crack” (fl. 5), mas que, “finda a instrução criminal, o conjunto probatório dos autos em nenhum momento evidenciou com segurança a prática de tráfico de drogas pela paciente, razão pela qual não há motivos para que ela tenha privada a sua liberdade” (fl. 5).

A defesa requer “a concessão de liminar para determinar a reforma do acórdão impugnado, suspendendo a execução da pena até a decisão de mérito do presente writ”. No mérito, ”a concessão da ordem de habeas corpus para reformar o acórdão recorrido e absolver o paciente (sic) pelo delito de tráfico de drogas, ou, subsidiariamente, desclassificar a conduta para o delito previsto no art. 28, caput, da Lei 11.343/06” (fl. 10).

É o relatório. Decido.

O writ não merece prosperar.

O pedido de absolvição, nos termos em que formulado nesta impetração, demanda reexame de fatos e provas, procedimento incompatível com a estreita via do habeas corpus, devendo a questão ser dirimida no trâmite da instrução criminal. Confira-se precedente sobre a matéria:

HABEAS CORPUS. PRISÃO PREVENTIVA. ROUBO MAJORADO. NEGATIVA DE AUTORIA. INADEQUAÇÃO DA VIA ELEITA. REVOLVIMENTO FÁTICO-PROBATÓRIO. FUNDAMENTAÇÃO CONCRETA. ILEGALIDADE. AUSÊNCIA. HABEAS CORPUS DENEGADO.1. A estreita via do habeas corpus não comporta aprofundada dilação probatória, o que inviabiliza a análise de tese concernente à negativa de autoria,que será analisada no cerne da ação penal.[...] ( HC n. 484.855/SE, relator Ministro Nefi Cordeiro, Sexta Turma, DJe de 11/3/2019 - grifei.)

Ante o exposto, com fundamento no art. 21, XIII, c, c/c o art. 210 do RISTJ, indefiro liminarmente o presente habeas corpus."

Nas razões do regimental, sustenta o agravante que a possibilidade de

revaloração jurídica dos critérios adotados pelo Tribunal de origem para condenação

por tráfico de entorpecentes da ora paciente/agravante. Entende que as circunstâncias

utilizadas para condenação são insuficientes, principalmente quando confrontadas com

as declarações e provas produzidas pela defesa.

Acrescenta, ainda, que não há indícios de que Jeniffer comercializasse drogas,

mas tão somente de que fazia uso pessoal dos entorpecentes.

ordem.

É o relatório.

VOTO

Não obstante os esforços da defesa, a decisão deve ser mantida por seus próprios fundamentos.

De início, impende atentar que"o Regimento Interno deste Superior Tribunal de Justiça autoriza o relator a decidir o recurso quando o pedido for manifestamente prejudicado ou improcedente, como ocorre no caso concreto, inexistindo prejuízo à parte, já que dispõe do respectivo regimental, razão pela qual não se configura ofensa ao princípio da colegialidade"( AgRg no HC XXXXX/SP, QUINTA TURMA, relator Ministro JORGE MUSSI, DJe 23/10/2019).

Conforme outrora consignado, o acórdão recorrido concluiu pela condenação da ora paciente pelo crime de tráfico de drogas com base no conjunto probatório delineados nos autos, o qual não se limitou tão só, ao revés do que sustentado pela defesa nas razões do regimental, ao depoimento dos policiais militares.

De qualquer sorte, os depoimentos dos policiais têm valor probante, já que seus atos são revestidos de fé pública, sobretudo quando se mostram coerentes e compatíveis com as demais provas dos autos. A propósito: AgRg no AREsp n. 1.317.916/PR, Quinta Turma, Rel. Min. Joel Ilan Paciornik, DJe de 5/8/2019; REsp n. 1.302.515/RS, Sexta Turma, Rel. Min. Rogerio Schietti Cruz, DJe de 17/5/2016; e HC n. 262.582/RS, Sexta Turma, Rel. Min. Nefi Cordeiro, DJe de 17/3/2016.

Nesse contexto, para se acolher a tese da defesa a fim de concluir pela absolvição, é necessário o reexame de todo o conjunto probatório, o que é vedado em habeas corpus.

Ilustrativamente:

AGRAVO REGIMENTAL NO HABEAS CORPUS. DELITO DE TRÁFICO DE DROGAS. DESCLASSIFICAÇÃO. IMPOSSIBILIDADE. VEDADO REEXAME DA MATÉRIA FÁTICO-PROBATÓRIA. CONFISSÃO PARCIAL NÃO UTILIZADA PARA A FORMAÇÃO DA CONVICÇÃO DO MAGISTRADO. MINORANTE DO § 4º NÃO APLICADA EM RAZÃO DA REINCIDÊNCIA. INEXISTÊNCIA DE BIS IN IDEM. PREVISÃO LEGAL. AGRAVO REGIMENTAL DESPROVIDO.

1. A condenação do agravante pelo delito de tráfico de drogas está fundamentada nos depoimentos dos policiais militares que realizaram a prisão em flagrante, os quais afirmaram que ele foi encontrado, em ponto de

tráfico, na posse de uma sacola contendo inúmeras porções de drogas. Para se acolher a tese da defesa de que o agravante exercia apenas a função de" olheiro ", é necessário o reexame de todo o conjunto probatório, o que é vedado em habeas corpus.

2. Dispõe o enunciado n. 545 da Súmula desta Corte que,"quando a confissão for utilizada para a formação do convencimento do julgador, o réu fará jus à atenuante prevista no art. 65, III, d, do Código Penal".

Na hipótese, a versão apresentada pelo ora paciente não foi utilizada para a formação da convicção do julgador, não incidindo, assim, a referida circunstância atenuante. Precedente.

3. A não aplicação da causa de diminuição de pena prevista no § 4º do art. 33 da Lei n. 11.343/06 não configura bis in idem.

Precedentes.

4. Agravo regimental desprovido.

( AgRg no HC 558.867/SP, Rel. Ministro JOEL ILAN PACIORNIK, QUINTA TURMA, julgado em 2/2/2021, DJe 8/2/2021).

Por fim, é consabido que tampouco é possível o acolhimento da alegação de

que a paciente é usuário de drogas negando a prática do delito de tráfico

(desclassificação da conduta), na via estreita do habeas corpus, ante a necessária

incursão probatória.

Ante o exposto, voto no sentido de negar provimento ao agravo regimental.

Superior Tribunal de Justiça

CERTIDÃO DE JULGAMENTO

QUINTA TURMA

AgRg no

Número Registro: 2020/XXXXX-2 HC 596.979 / PR

MATÉRIA CRIMINAL

Números Origem: 000 XXXXX20188160088 XXXXX20188160088

EM MESA JULGADO: 23/03/2021

Relator

Exmo. Sr. Ministro JOEL ILAN PACIORNIK

Presidente da Sessão

Exmo. Sr. Ministro RIBEIRO DANTAS

Subprocurador-Geral da República

Exmo. Sr. Dr. ROBERTO DOS SANTOS FERREIRA

Secretário

Me. MARCELO PEREIRA CRUVINEL

AUTUAÇÃO

IMPETRANTE : DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARANÁ

ADVOGADOS : SERGIO ROBERTO RODRIGUES PARIGOT DE SOUZA - PR011078 DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARANÁ

IMPETRADO : TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ

PACIENTE : JENIFFER GONÇALVES ROSA

INTERES. : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ

ASSUNTO: DIREITO PENAL - Crimes Previstos na Legislação Extravagante - Crimes de Tráfico

Ilícito e Uso Indevido de Drogas - Tráfico de Drogas e Condutas Afins

AGRAVO REGIMENTAL

AGRAVANTE : JENIFFER GONÇALVES ROSA

ADVOGADO : DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO

AGRAVADO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

AGRAVADO : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ

INTERES. : DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARANÁ

ADVOGADOS : SERGIO ROBERTO RODRIGUES PARIGOT DE SOUZA - PR011078 DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARANÁ

IMPETRADO : TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ

CERTIDÃO

Certifico que a egrégia QUINTA TURMA, ao apreciar o processo em epígrafe na sessão realizada nesta data, proferiu a seguinte decisão:

"A Turma, por unanimidade, negou provimento ao agravo regimental."

Os Srs. Ministros Felix Fischer, João Otávio de Noronha, Reynaldo Soares da Fonseca e Ribeiro Dantas votaram com o Sr. Ministro Relator.

Disponível em: https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/1205695889/agravo-regimental-no-habeas-corpus-agrg-no-hc-596979-pr-2020-0172068-2/inteiro-teor-1205695899

Informações relacionadas

Tribunal de Justiça de Minas Gerais
Jurisprudênciahá 5 anos

Tribunal de Justiça de Minas Gerais TJ-MG - Apelação Criminal: APR XXXXX-96.2016.8.13.0433 MG

Tribunal de Justiça de São Paulo
Jurisprudênciahá 9 anos

Tribunal de Justiça de São Paulo TJ-SP - Apelação: APL XXXXX-11.2012.8.26.0638 SP XXXXX-11.2012.8.26.0638

Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul
Jurisprudênciahá 3 anos

Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul TJ-MS - Apelação Criminal: APR XXXXX-77.2019.8.12.0017 MS XXXXX-77.2019.8.12.0017

Tribunal de Justiça do Ceará
Jurisprudênciaano passado

Tribunal de Justiça do Ceará TJ-CE - Apelação Criminal: APR XXXXX-87.2018.8.06.0001 CE XXXXX-87.2018.8.06.0001

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 2 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ORDINÁRIO EM HABEAS CORPUS: AgRg no RHC XXXXX MT 2020/XXXXX-0