jusbrasil.com.br
18 de Outubro de 2018
    Adicione tópicos

    Superior Tribunal de Justiça STJ - HABEAS CORPUS : HC 81079 MG 2007/0079944-2

    HABEAS CORPUS. EXECUÇÃO PENAL. REGRESSÃO DE REGIME PRISIONAL. VÍCIO DE PROCEDIMENTO. CONSTRANGIMENTO ILEGAL NÃO-EVIDENCIADO. OBSERVÂNCIA AO ART. 118, § 2º, DA LEP. PRÁTICA DE NOVO FATO DEFINIDO COMO CRIME DOLOSO. TRÂNSITO EM JULGADO DE SENTENÇA CONDENATÓRIA. DESNECESSIDADE. RETRATAÇÃO DA REPRESENTAÇÃO APÓS A SENTENÇA CONDENATÓRIA E PERDÃO JUDICIAL EM AÇÃO PÚBLICA. IMPOSSIBILIDADE. ORDEM DENEGADA.

    Superior Tribunal de Justiça
    há 10 anos
    Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

    Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

    Processo
    HC 81079 MG 2007/0079944-2
    Orgão Julgador
    T5 - QUINTA TURMA
    Publicação
    DJe 03/11/2008
    Julgamento
    7 de Outubro de 2008
    Relator
    Ministro ARNALDO ESTEVES LIMA

    Ementa

    HABEAS CORPUS. EXECUÇÃO PENAL. REGRESSÃO DE REGIME PRISIONAL. VÍCIO DE PROCEDIMENTO. CONSTRANGIMENTO ILEGAL NÃO-EVIDENCIADO. OBSERVÂNCIA AO ART. 118, § 2º, DA LEP. PRÁTICA DE NOVO FATO DEFINIDO COMO CRIME DOLOSO. TRÂNSITO EM JULGADO DE SENTENÇA CONDENATÓRIA. DESNECESSIDADE. RETRATAÇÃO DA REPRESENTAÇÃO APÓS A SENTENÇA CONDENATÓRIA E PERDÃO JUDICIAL EM AÇÃO PÚBLICA. IMPOSSIBILIDADE. ORDEM DENEGADA.

    1. Constatado, in concreto, que o magistrado instaurou procedimento para apuração da falta grave relativa à prática de fato novo definido como crime doloso, ouvindo previamente o condenado, nos termos do art. 118, § 2º, da LEP, inexiste mácula a justificar a nulidade do rito adotado.

    2. A regressão de que trata o inciso I do art. 118 da Lei de Execução Penal, aplicável ao condenado que "praticar fato definido como crime doloso ou falta grave", prescinde de sentença condenatória transitada em julgado, requisito este que só se mostra indispensável na hipótese contemplada no inciso II do mesmo artigo, pois servirá para nova fixação do regime prisional decorrente da unificação das reprimendas (art. 111 da LEP).

    3. O exercício do direito de representação é irretratável após o oferecimento da denúncia (art. 25 do CPP) e não cabe perdão em ação pública, ainda que condicionada (HC 45.417/SP, Rel. Min. PAULO MEDINA, Sexta Turma, DJ 25/9/06; RHC 18.780/SC, Rel. Min. GILSON DIPP, Quinta Turma, DJ 1º/8/06).

    4. Ordem denegada

    Acórdão

    Vistos, relatados e discutidos os autos em que são partes as acima indicadas, acordam os Ministros da QUINTA TURMA do Superior Tribunal de Justiça, por unanimidade, denegar a ordem. Os Srs. Ministros Napoleão Nunes Maia Filho, Jorge Mussi e Laurita Vaz votaram com o Sr. Ministro Relator. Ausente, justificadamente, o Sr. Ministro Felix Fischer.

    Resumo Estruturado

    Aguardando análise.