jusbrasil.com.br
29 de Maio de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Superior Tribunal de Justiça STJ - HABEAS CORPUS: HC 677096 SP 2021/0202474-3

Superior Tribunal de Justiça
há 11 meses
Detalhes da Jurisprudência
Processo
HC 677096 SP 2021/0202474-3
Publicação
DJ 01/07/2021
Relator
Ministro ANTONIO SALDANHA PALHEIRO
Documentos anexos
Decisão MonocráticaSTJ_HC_677096_eeca7.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Decisão

HABEAS CORPUS Nº 677096 - SP (2021/0202474-3) DECISÃO Trata-se de habeas corpus com pedido liminar impetrado em favor de ROGERIO CABRAL FERREIRA no qual se aponta como autoridade coatora o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo no julgamento da Apelação Criminal n. 1500555-71.2019.8.26.0326. Segundo se extrai dos autos, in verbis (e-STJ fl. 43): ROGERIO CABRAL FERREIRA e ABIMAEL LUIZ DA SILVA, já qualificados nos autos, foram denunciados como incursos nos artigos 33, caput, da Lei 11.343/2006, c/c o artigo 29 do Código Penal, porque no dia 18 de junho de 2019, por volta das 20h22min, na Rua Duarte José Gonçalves, nº 14, Vila Cayres, nesta cidade e Comarca de Lucélia/SP, os acusados, agindo em concurso, venderam a José Augusto da Silva Herrera 01 (uma) porção de "crack", com massa líquida de 0,35 gramas e traziam consigo, ao consumo de terceiros, 13 invólucros - contendo crack em seu interior - com massa líquida total de 4,94 e 01 porção de maconha - em formato de trouxinha - com massa líquida de 0,62 gramas, drogas de uso proscrito no Brasil, sem autorização e em desacordo com determinação legal ou regulamentar. Finda a instrução criminal, o paciente foi condenado pelo Juízo da 2ª Vara da Comarca de Lucélia/SP à pena de 5 anos e 10 meses de reclusão, em regime inicial fechado, por infração ao art. 33, caput, da Lei n. 11.343/2006 (e-STJ fls. 43/51). Irresignada, a defesa interpôs recurso de apelação, buscando preliminarmente a anulação da sentença por cerceamento de defesa, com a consequente conversão do julgamento em diligência, para que fosse instaurado o incidente de insanidade mental. No mérito, postulou a absolvição por insuficiência probatória e, alternativamente, a desclassificação da conduta para o art. 28 da Lei n. 11.343/2006. Contudo, em sessão de julgamento realizada no dia 8 de junho de 2020, a 2ª Câmara Criminal do Tribunal a quo, por unanimidade, rejeitou a preliminar e negou provimento ao recurso, mantendo a r. sentença por seus próprios fundamentos (e-STJ fls. 13/23). Daí o presente writ, no qual se reitera a alegação de cerceamento de defesa, ante o indeferimento do pedido da defesa de submissão do paciente ao exame de dependência toxicológica. Afirma-se que o paciente "é usuário crônico de entorpecentes há muitos anos, possuindo notória debilidade cognitiva, o que seria de rigor a submissão do Paciente à Perícia Médica." (e-STJ fl. 7), e ainda que "depreende-se também das folhas e certidões de antecedentes criminais que o paciente ostenta passagens de envolvimento com drogas por consumo pessoal, tráfico simples e privilegiado." (e-STJ fl. 9). Requer, liminarmente e no mérito, a absolvição do paciente por cerceamento de defesa. É, em síntese, o relatório. Decido. A liminar em habeas corpus, bem como em recurso ordinário em habeas corpus, não possui previsão legal, tratando-se de criação jurisprudencial que visa a minorar os efeitos de eventual ilegalidade que se revele de pronto. Em juízo de cognição sumária, não visualizo manifesta ilegalidade no ato ora impugnado a justificar o deferimento da medida de urgência. Não obstante os fundamentos apresentados pela defesa, mostra-se imprescindível uma análise mais aprofundada dos elementos de convicção constantes dos autos, para se aferir a existência de constrangimento ilegal. Ademais, o pedido liminar confunde-se com o próprio mérito da impetração, o qual deverá ser apreciado em momento oportuno, por ocasião do julgamento definitivo deste writ. Ante o exposto, indefiro a liminar. Solicitem-se informações à autoridade coatora apontada, assim como ao Juízo da 2ª Vara da Comarca de Lucélia /SP, ressaltando-se que esta Corte Superior deverá ser noticiada de qualquer alteração no quadro fático atinente ao tema objeto desta impetração. Requeira-se, ainda, senha para acesso aos andamentos processuais constantes do respectivo portal eletrônico, tendo em vista a restrição determinada pela Resolução n. 121 do Conselho Nacional de Justiça. Após, encaminhem-se os autos ao Ministério Público Federal. Publique-se. Intimem-se. Brasília, 30 de junho de 2021. Ministro ANTONIO SALDANHA PALHEIRO Relator
Disponível em: https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/1240422964/habeas-corpus-hc-677096-sp-2021-0202474-3