jusbrasil.com.br
28 de Maio de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Superior Tribunal de Justiça
há 8 meses
Detalhes da Jurisprudência
Processo
REsp 1680801 PE 2017/0149573-0
Publicação
DJ 15/09/2021
Relator
Ministro GURGEL DE FARIA
Documentos anexos
Decisão MonocráticaSTJ_RESP_1680801_71edc.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Decisão Monocrática

RECURSO ESPECIAL Nº 1680801 - PE (2017/0149573-0)

RELATOR : MINISTRO GURGEL DE FARIA

RECORRENTE : FAZENDA NACIONAL

RECORRIDO : VOTORANTIM CIMENTOS N/NE S/A

ADVOGADOS : EDUARDO RICCA - SP081517 ROGERIO MOLLICA - SP153967 GLAUCO SANTOS HANNA - SP217026

DECISÃO

Trata-se de recurso especial interposto pela FAZENDA

NACIONAL, com fundamento no art. 105, inciso III, alínea "a", da CF/1988, contra

acórdão do TRF da 5ª Região assim ementado (e-STJ fls. 302/303):

TRIBUTÁRIO. EMBARGOS À EXECUÇÃO FISCAL. PARCELAMENTO. DISCUSSÃO JUDICIAL DO DÉBITO. POSSIBILIDADE. BENEFÍCIO FISCAL. ISENÇÃO. EMPREENDIMENTOS NO NORDESTE. LEI Nº 4.239/64. EMPRESA QUE COMPROVOU SER BENEFICIÁRIA DA ISENÇÃO PARCIAL DO IRPJ.

1. Apelação interposta pela Fazenda Nacional objetivando a reforma da sentença que julgou procedentes os Embargos à Execução Fiscal opostos pela Empresa, por considerar que a ora Apelada comprovou ser beneficiária da redução de 75% do IRPJ, para o período consignado na CDA. Honorários advocatícios fixados no valor de R$ 30.000,00 (trinta mil reais), com fulcro no art. 20, § 4º, do CPC/73.

2. Suscita, em preliminar, a ausência de interesse de agir, por ter a Recorrida aderido a programa de parcelamento, quanto às inscrições cobradas nestes autos. No mérito, alega que a Apelada não se desincumbiu do ônus de provar o direito aos incentivos fiscais supostamente concedidos pela Sudene. Por fim, afirma que é indevida a condenação em honorários advocatícios, não tendo dado causa à demanda, motivada por erro da Apelada, quando da apresentação de sua declaração anual referente ao IRPJ.

3. O STJ, ao julgar o REsp 1.133.027/SP, submetido ao regime do art. 543-C do CPC/1973, decidiu que "A confissão da dívida não inibe o questionamento judicial da obrigação tributária, no que se refere aos seus aspectos jurídicos." (Primeira Seção, Rel. p/ acórdão Min. Mauro Campbell Marques, DJ 16/03/11), sendo que a jurisprudência só reconhece a perda superveniente do interesse de agir se o pedido de parcelamento for apresentado após a oposição dos Embargos à Execução Fiscal, não sendo este o caso dos autos.

4. A isenção parcial do imposto de renda contida no art. 14, da Lei nº 4.239/63, é propriamente um benefício de ordem estritamente legal, objetivamente parametrizado, de cujo gozo não se exige qualquer contrapartida do contribuinte ou análise discricionário do Estado.

5. A tipificação legal não impede a concessão retroativa do benefício fiscal. O caput do art. 16 prevê o procedimento do reconhecimento da vantagem fiscal, sendo a principal exigência formal para a concessão a apresentação de uma declaração da SUDENE, órgão público responsável pelo programa de desenvolvimento do Nordeste.

6. A interpretação correta do art. 179 do CTN não impede a concessão da isenção retroativa, até mesmo porque a isenção tem, ainda, um caráter quase que geral, pois não depende de uma análise pormenorizada da situação do contribuinte. Como visto, para o gozo da isenção do art. 14, da Lei nº 4.239/63, é suficiente que a empresa industrial esteja localizada no Nordeste. 7. O ato declaratório da Receita Federal, concedido a partir de uma documentação expedida pela SUDENE, tem, como o próprio nome diz, um efeito jurídico declaratório. O ato administrativo apenas certifica a existência de uma situação fática pretérita, daí decorrendo os efeitos jurídicos de tal situação fática, que, no caso, é a redução parcial do IRPJ das empresas industriais. Precedente: REsp 1040629/PE, Rel. Ministro Francisco Falcão, Primeira Turma, julgado em 26/08/2008, DJe 04/09/2008.

8. Mesmo não considerando os efeitos retroativos da isenção, nos autos há prova de que a Empresa já tinha sido enquadrada como titular do benefício fiscal pela SUDENE há mais de 20 anos. A Declaração nº 065/96 (Identificador: 4058300.1147159) foi emitida pela SUDENE, em 1996, para o empreendimento industrial da empresa em SOBRAL/CE, fazendo expressa referência ao art. 14, da Lei nº 4.239/1963. Tal declaração não foi dada com prazo de validade e não tem qualquer condicionante. Ou seja, a situação fática da isenção já estava plenamente configurada há muitos anos e a Fazenda Nacional não demonstrou qualquer fato novo contrário ao benefício fiscal ora discutido.

9. A Receita Federal sempre aceitou expressamente, ou mesmo tacitamente, por longos anos, a concessão da vantagem fiscal, a qual, como se disse, não exige contrapartida. Em nenhum momento a Fazenda demonstrou, ou procurou demonstrar, que a Apelada tivesse sido autuada pelo mesmo motivo, em relação a fatos geradores anteriores a 2003. Ao contrário, em 2010, a Receita Federal novamente reconheceu a isenção parcial para a Empresa, por meio do Ato Declaratório nº 3/2010, com efeitos a partir do ano calendário 2006. O ato declaratório de 2010, registre-se, tem efeito retroativo, o que não foi explicado pela Fazenda Nacional, já que o fundamento da defesa é exatamente a impossibilidade de retroação de ato declaratório dessa natureza. 10. Não procede a alegação no sentido de que não tenha dado causa à instauração da demanda, porquanto a Apelada teve seu direito ao reconhecimento da isenção fiscal negado em todas as instâncias administrativas da RFB, necessitando socorrer-se do aparato judicial para ter seu direito reconhecido.

11. Honorários recursais, previstos no art. 85, §11, do CPC/2015, a cargo da Apelação improvida Apelante, devendo a verba honorária sucumbencial ser majorada de R$ 30.000,00 (trinta mil reais) para R$ 36.000,00 (trinta e seis mil reais).

No especial, a parte alega, em síntese, violação dos arts. 14 e 16 da

Lei n. 4.239/1963; do art. 3º da Lei n. 9.532/1997; e do art. 179 do CTN, ao argumento de

que "o benefício fiscal de que trata a Lei n. 4.239/1963, conferido a empreendimentos

industriais ou agrícolas que se instalarem, modernizarem, ampliarem ou

diversificarem nas áreas de atuação da SUDENE/ADENE devem ser reconhecidos pela

unidade da Secretaria da Receita Federal do Brasil da jurisdição do contribuinte, não

bastando a sua concessão por aquele órgão federal" (e-STJ fl. 325).

Sustenta, ainda, que (e-STJ fl. 328):

[...] o Ato Declaratório Executivo n. 3, publicado no D.O.U. em 26 de março de 2010, no qual o Delegado da Receita Federal do Brasil reconhece a redução do imposto de renda e adicionais em favor da contribuinte, declarou seu direito a partir do anocalendário de 2006. Referido ato tem por suporte o Laudo Constitutivo n. 00992007, expedido em 18 de junho de 2007, pelo Ministério da Integração Nacional - ADENE. Considerando que foi expedido em junho

de 2007, e de acordo com as normas então vigentes, retroagiu para o início do processo que provocou a vistoria da ADENE, razão pela qual se determinou como início do prazo o anocalendário de 2006 e o término o anocalendário de 2015. Nesse passo, a simples remissão à existência de operação do empreendimento desde 2004, apesar de consubstanciar-se em evidente indício de que o contribuinte teria o direito ao benefício por preenchimento das condições materiais, não é suficiente para alterar tal conclusão, por força do procedimento (requisição do laudo) previsto em lei para o auferimento do benefício fiscal em comento.

Não foram apresentadas contrarrazões (e-STJ fl. 335).

O recurso especial foi admitido na origem (e-STJ fl. 336).

Passo a decidir.

Considerado isso, importa mencionar que o recurso especial se

origina de embargos à execução ajuizados pela VOTORANTIM CIMENTOS N/NE S.A.

contra execução fiscal movida pela FAZENDA NACIONAL.

No primeiro grau de jurisdição, os pedidos formulados na inicial

foram julgados procedentes para determinar o cancelamento da Certidão de Dívida Ativa

(CDA) e, consequentemente, da execução fiscal.

Irresignada, a FAZENDA interpôs recurso de apelação, não provido

pelo Tribunal de origem. Vejamos, no que interessa, o que está consignado no voto

condutor do acórdão recorrido (e-STJ fls. 298/300):

A decisão combatida não merece qualquer reparo.

De início, registre-se que o STJ, ao julgar o REsp 1.133.027/SP, submetido ao regime do art. 543-C do CPC/1973, decidiu que "A confissão da dívida não inibe o questionamento judicial da obrigação tributária, no que se refere aos seus aspectos jurídicos." (Primeira Seção, Rel. p/ acórdão Min. Mauro Campbell Marques, DJ 16/03/11), sendo que a jurisprudência só reconhece a perda superveniente do interesse de agir se o pedido de parcelamento for apresentado após a oposição dos Embargos à Execução Fiscal, não sendo este o caso dos autos.

No mérito, tem-se que a questão envolve a isenção parcial do imposto de renda da pessoa jurídica - IRPJ dos anos-calendário 2003 e 2004 (Processo Administrativo n. 14751.000208/2007-25), especialmente sobre os efeitos jurídicos do ato administrativo de reconhecimento da isenção.

A Apelada teve reconhecida pela SUDENE a atuação em empreendimento industrial no Nordeste, desde o ano de 1996, para fins de gozo de benefício fiscal, mas aparentemente não chegou a formalizar o pedido perante a Receita Federal.

O benefício tributário em análise foi previsto para as empresas que investissem no Nordeste brasileiro, desde a década de 1960, quanto da criação da SUDENE.

Diz o art. 14 da Lei 4.239/63:

"Art. 14. Até o exercício de 1973 inclusive, os empreendimentos industriais e agrícolas que estiverem operando na área de atuação da SUDENE à data da publicação desta lei, pagarão com a redução de 50% (cinquenta por cento) o impôsto de renda e adicionais não restituíveis."(grifo nosso) Tal benefício fiscal foi prorrogado por sucessivas leis, sendo a última a Lei nº 9.532/97, cujo art. 3º estendeu o prazo do benefício fiscal até o ano de 2013.

"§ 2º Os benefícios fiscais de redução do imposto de renda e adicionais não restituíveis, de que tratam o art. 14 da Lei nº 4.239, de 1963, e o art. 22 do Decreto-Lei nº 756, de 11 de agosto de 1969, observadas as demais normas em vigor, aplicáveis à matéria, passam a ser calculados segundo os seguintes percentuais:

I - 37,5% (trinta e sete inteiros e cinco décimos por cento), a partir de 1º de janeiro de 1998 até 31 de dezembro de 2003;

II - 25% (vinte e cinco por cento), a partir de 1º de janeiro de 2004 até 31 de dezembro de 2008;

III - 12,5% (doze inteiros e cinco décimos por cento), a partir de 1º de janeiro de 2009 até 31 de dezembro de 2013.

§ 3º Ficam extintos, relativamente aos períodos de apuração encerrados a partir de 1º de janeiro de 2014, os benefícios fiscais de que trata este artigo." Nota-se, inicialmente, que a isenção parcial concedida não depende de contrapartida da empresa beneficiária, sendo o único requisito legal a atuação do empreendimento "área de atuação da SUDENE".

E a prova da situação geradora do benefício fiscal é regulada pelo art. 16 da mesma Lei nº 4.239/63:

"Art. 16. A SUDENE, mediante as cautelas que instituir, fornecerá, as empresas interessadas, declaração de que satisfazem as condições exigidas para o benefício da isenção a que se refere o artigo 13, ou da redução prevista no artigo 14, documento que instruirá o processo de reconhecimento pelo Diretor da Divisão do Imposto de Renda, do direito das empresas ao favor tributário.

§ 1º Quando se verificar pluralidade de estabelecimentos, será reconhecido o direito à isenção ou à redução do imposto e adicionais, conforme o caso, em relação aos rendimentos dos estabelecimentos instalados na área de atuação da SUDENE.

§ 2º Para os efeitos do disposto no parágrafo anterior as empresas interessadas deverão demonstrar, na sua contabilidade, com clareza e exatidão os elementos de que se compõem as operações e os resultados do exercício de cada um dos estabelecimentos que operam na área de atuação da SUDENE."

Do que se pode constatar da análise conjunta dos dispositivos citados, a isenção parcial do imposto de renda contida no art. 14 da Lei nº 4.239/63 é propriamente um benefício de ordem estritamente legal, objetivamente parametrizado, de cujo gozo não se exige qualquer contrapartida do contribuinte ou análise discricionário do Estado.

A tipificação legal não impede a concessão retroativa do benefício fiscal. O caput do art. 16 prevê o procedimento do reconhecimento da vantagem fiscal, sendo a principal exigência formal para a concessão a apresentação de uma declaração da SUDENE, órgão público responsável pelo programa de desenvolvimento do Nordeste.

Em outras palavras, para o gozo da isenção basta o enquadramento fático da empresa industrial no requisito legal, que é estar instalada no Nordeste, conforme atestar o órgão competente (SUDENE, no caso).

A partir de tais premissas, a interpretação correta do art. 179 do CTN não impede a concessão da isenção retroativa, até mesmo porque a isenção tem, ainda, um caráter quase que geral, pois não depende de uma análise pormenorizada da situação do contribuinte. Como visto, para o gozo da isenção do art. 14, da Lei nº 4.239/63 é suficiente que a empresa industrial esteja localizada no Nordeste.

Ou seja, o ato declaratório da Receita Federal, concedido a partir de uma documentação expedida pela SUDENE, tem, como o próprio nome diz, um efeito jurídico declaratório. O ato administrativo apenas certifica a existência de uma situação fática pretérita, daí decorrendo os efeitos jurídicos de tal situação fática, que, no caso, é a redução parcial do IRPJ das empresas industriais.

Em outras palavras, a isenção decorre "ope legis" (por força da lei), e não do ato declaratório da Receita Federal, o qual é plenamente vinculado.

Sobre o tema, o seguinte precedente do STJ:

[...]

Por outro lado, mesmo não considerando os efeitos retroativos da isenção, nos

autos há prova de que a Empresa já tinha sido enquadrada como titular do benefício fiscal pela SUDENE há mais de 20 anos.

A Declaração nº 065/96 (Identificador: 4058300.1147159) foi emitida pela SUDENE, em 1996, para o empreendimento industrial da empresa em SOBRAL/CE, fazendo expressa referência ao art. 14, da Lei nº 4.239/1963.

Tal declaração não foi dada com prazo de validade e não tem qualquer condicionante. Ou seja, a situação fática da isenção já estava plenamente configurada há muitos anos e a Fazenda Nacional não demonstrou qualquer fato novo contrário ao benefício fiscal ora discutido.

Presume-se, assim, que a Receita Federal sempre tenha aceito expressamente, ou mesmo tacitamente, por longos anos, a concessão da vantagem fiscal, a qual, como se disse, não exige contrapartida. Em nenhum momento a Fazenda demonstrou, ou procurou demonstrar, que a Apelada tivesse sido autuada pelo mesmo motivo, em relação a fatos geradores anteriores a 2003.

Ao contrário, em 2010, a Receita Federal novamente reconheceu a isenção parcial para a Empresa, por meio do Ato Declaratório nº 3/2010, com efeitos a partir do ano calendário 2006. O ato declaratório de 2010, registre-se, tem efeito retroativo, o que não foi explicado pela Fazenda Nacional, já que o fundamento da defesa é exatamente a impossibilidade de retroação de ato declaratório dessa natureza.

Por fim, não procede a alegação no sentido de que não tenha dado causa à instauração da demanda, porquanto a Apelada teve seu direito ao reconhecimento da isenção fiscal negado em todas as instâncias administrativas da RFB, necessitando socorrer-se do aparato judicial para ter seu direito reconhecido.

Nada a modificar na sentença combatida, portanto.

Com essas considerações, nego provimento à Apelação e à Remessa Necessária. Honorários recursais, previstos no art. 85, §11, do CPC/2015, a cargo da Apelante, devendo a verba honorária sucumbencial ser majorada de R$ 30.000,00 (trinta mil reais) para R$ 36.000,00 (trinta e seis mil reais).

Pois bem.

A parte recorrente deixa de impugnar, nas razões recursais, o

fundamento do acórdão recorrido: de que a empresa ora recorrida já havia sido

enquadrada como titular do benefício fiscal há mais de 20 anos, conforme declaração

expedida pela SUDENE em 1996, para o empreendimento industrial da empresa em

SOBRAL/CE; e de que a Fazenda Nacional havia aceitado expressa ou tacitamente a

concessão da vantagem fiscal.

Como se sabe, a falta de impugnação de todos os fundamentos em

que se apoia o acórdão recorrido tem por consequência a incidência, por analogia, da

Súmula 283 do STF: "É inadmissível o recurso extraordinário, quando a decisão recorrida

assenta em mais de um fundamento suficiente, e o recurso não abrange todos eles."

Nesse sentido:

PROCESSUAL CIVIL. TRIBUTÁRIO. AGRAVO INTERNO NO RECURSO ESPECIAL. CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL DE 2015. APLICABILIDADE. FALTA DE PREQUESTIONAMENTO DOS ARTS. 3º, 113 E 128 DO CÓDIGO TRIBUTÁRIO NACIONAL. INCIDÊNCIA, POR ANALOGIA, DA SÚMULA N. 282/STF. AUSÊNCIA DE COMBATE A FUNDAMENTOS AUTÔNOMOS DO ACÓRDÃO. APLICAÇÃO DO ÓBICE DA SÚMULA N. 283/STF. AUSÊNCIA DE COMANDO NORMATIVO EM DISPOSITIVO LEGAL APTO A SUSTENTAR A TESE

RECURSAL. DEFICIÊNCIA DE FUNDAMENTAÇÃO. INCIDÊNCIA, POR ANALOGIA, DA SÚMULA N. 284/STF. MULTA DO ART. 1.026 DO CPC. APLICAÇÃO NÃO ADEQUADA NA ESPÉCIE.

[...]

III - A falta de combate a fundamento suficiente para manter o acórdão recorrido justifica a aplicação, por analogia, da Súmula n. 283 do Supremo Tribunal Federal.

IV - A jurisprudência desta Corte considera deficiente a fundamentação do recurso quando os dispositivos apontados como violados não têm comando normativo suficiente para infirmar os fundamentos do aresto recorrido, circunstância que atrai, por analogia, a incidência do entendimento da Súmula n. 284 do Supremo Tribunal Federal.

V - O Agravante não apresenta argumentos suficientes para desconstituir a decisão recorrida.

[...]

VII - Agravo Interno improvido.

(AgInt no REsp 1.714.321/SP, Rel. Ministra REGINA HELENA COSTA, PRIMEIRA TURMA, julgado em 22/05/2018, DJe 1º/06/2018).

Ante o exposto, com base no art. 255, §4º, I, do RISTJ, NÃO

CONHEÇO do recurso especial.

Nos termos do art. 85, § 11, do CPC/2015, majoro os honorários

sucumbenciais em R$ 3.600,00 (três mil e seiscentos reais), considerando o valor já

fixado na origem (e-STJ fl. 300), respeitados os limites e os critérios previstos nos §§ 2º e

3º do referido dispositivo.

Publique-se. Intimem-se.

Brasília, 14 de setembro de 2021.

Ministro GURGEL DE FARIA

Relator

Disponível em: https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/1281078649/recurso-especial-resp-1680801-pe-2017-0149573-0/decisao-monocratica-1281078659

Informações relacionadas

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciaano passado

Superior Tribunal de Justiça STJ - RECURSO ESPECIAL: REsp 1909865 PR 2020/0323923-0

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 8 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL: AgRg no REsp 1359100 PE 2012/0268073-1

Tribunal Regional do Trabalho da 17ª Região
Jurisprudênciahá 7 anos

Tribunal Regional do Trabalho da 17ª Região TRT-17 - RECURSO ORDINÁRIO: RO 0018600-84.2013.5.17.0141

Tribunal Regional Federal da 4ª Região
Jurisprudênciaano passado

Tribunal Regional Federal da 4ª Região TRF-4 - REMESSA NECESSÁRIA CÍVEL: 5001151-88.2020.4.04.7008 PR 5001151-88.2020.4.04.7008

Tribunal Regional Federal da 4ª Região
Jurisprudênciahá 8 anos

Tribunal Regional Federal da 4ª Região TRF-4 - APELAÇÃO CIVEL: AC 5000943-15.2013.4.04.7117 RS 5000943-15.2013.4.04.7117