jusbrasil.com.br
21 de Maio de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Superior Tribunal de Justiça
há 5 meses
Detalhes da Jurisprudência
Processo
AREsp 1909743 SC 2021/0171012-3
Publicação
DJ 16/12/2021
Relator
Ministro ANTONIO CARLOS FERREIRA
Documentos anexos
Decisão MonocráticaSTJ_ARESP_1909743_0b47f.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Decisão Monocrática

AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 1909743 - SC (2021/0171012-3)

RELATOR : MINISTRO ANTONIO CARLOS FERREIRA

AGRAVANTE : F Z J

ADVOGADO : ALEX SANDRO SOMMARIVA - SC012016

AGRAVADO : I J J

REPR. POR : A E J

ADVOGADOS : LUZIA DA SILVA - SC002406 MARIA APARECIDA TRICHEZ - SC004721

DECISÃO

Trata-se de agravo nos próprios autos (CPC/2015, art. 1.042) interposto

contra decisão que inadmitiu o recurso especial diante da incidência da Súmula n.

7/STJ.

O acórdão recorrido está assim ementado (e-STJ fl. 67):

AGRAVO DE INSTRUMENTO . AÇÃO DE EXECUÇÃO DE ALIMENTOS. DECISÃO AGRAVADA QUE INDEFERIU O PEDIDO DE GRATUIDADE JUDICIÁRIA E AFASTOU O RECONHECIMENTO DO EXCESSO DE PENHORA SOBRE IMÓVEL.

RECURSO DO EXECUTADO.

JUSTIÇA GRATUITA. ALEGAÇÃO DE QUE ESTÁ DESEMPREGADO, RECEBENDO APENAS AUXÍLIO SEGURO-DESEMPREGO. INSURGÊNCIA ACOLHIDA. RENDA MENSAL INFERIOR A TRÊS SALÁRIOS MÍNIMOS. HIPOSSUFICIÊNCIA ECONÔMICA COMPROVADA. BENESSE CONCEDIDA.

EXCESSO DE PENHORA . TESE DE NECESSIDADE DE REDUÇÃO DO BLOQUEIO AO VALOR SUFICIENTE À SATISFAÇÃO DA DÍVIDA. INSUBSISTÊNCIA. EXECUTADO QUE DEIXOU DE APRESENTAR OUTROS BENS PASSÍVEIS DE CONSTRIÇÃO. EVIDENTE DESÍDIA DO DEVEDOR EM PAGAR O DÉBITO ALIMENTAR. PENHORA MANTIDA.

IMPUGNAÇÃO A AVALIAÇÃO . ALEGADO EQUÍVOCO DO OFICIAL DE JUSTIÇA QUE AVALIOU A MENOR O VALOR DO IMÓVEL. IMPOSSIBILIDADE DE ACOLHIMENTO. MAGISTRADO DE ORIGEM QUE DETERMINOU AO OFICIAL O DETALHAMENTO DA METODOLOGIA ADOTADA. OPORTUNIZADA A MANIFESTAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE AVALIAÇÕES IMOBILIÁRIAS PELO DEVEDOR. INÉRCIA CONFIGURADA. AVALIAÇÃO MANTIDA.

BEM DE TERCEIRO DE BOA-FÉ. ALEGAÇÃO DE QUE O IMÓVEL FOI ALIENADO ANTES DA CONSTRIÇÃO. SUSTENTADA NULIDADE DA PENHORA. INEXISTÊNCIA. DEVEDOR QUE JÁ TINHA CONHECIMENTO DO DÉBITO AO ALIENAR O BEM. VENDA REALIZADA À TIA MATERNA DO DEVEDOR. FRAUDE À EXECUÇÃO SOB ANÁLISE DO MINISTÉRIO PÚBLICO. PENHORA MANTIDA EM FAVOR DA ALIMENTANDA.

RECURSO CONHECIDO E PARCIALMENTE PROVIDO, APENAS PARA CONCEDER A JUSTIÇA GRATUITA.

No recurso especial (e-STJ fls. 79/92), interposto com base no art. 105, III, "a", da CF, o recorrente apontou violação dos seguintes dispositivos:

(i) arts. 805 e 847 do CPC/2015, alegando que "o tribunal de segundo grau entendeu pela excepcional manutenção da constrição, embora reconheça o excesso de penhora, uma vez que a jurisprudência entende que possível a penhora nos casos em que há reiterada negligência do devedor" e que "não obstante, tem-se que o acórdão recorrido merece ser reformado, até porque não se permite a manutenção de penhora nula, por haver nítido e reconhecido excesso de penhora, sob o argumento retórico de que se houve evidente desídia do devedor no pagamento do débito alimentar , aliás, cuja negligência reiterada sequer restou demonstrada nos autos, até porque não há que se falar em qualquer contumácia" (e-STJ fl. 87),

(ii) arts. 659, § 4°, 792, II, 838 do CPC/2015 e Súmula n. 375 do STJ, sustentando a inexistência de fraude à execução e, assim, requerendo a nulidade da penhora e destacando que, "diante da inexistência de publicidade da penhora na matrícula do imóvel, tem-se que não há que se falar em fraude à execução, uma vez que ausente qualquer restrição judicial sobre o bem na época da alienação" (e-STJ fl. 90).

Busca, em suma, o provimento do recurso especial para o fim de ser (e-STJ fl. 92):

(...) reformado o acórdão de segundo grau, que violou o disposto nos arts. 805 e 847 do Código de Processo Civil, já que indevida a manutenção da penhora excessiva, o que permite a interposição de recurso especial, em razão da violação literal de dispositivo de lei federal;

reformado o acórdão de segundo grau, para que reconhecida a nulidade da penhora de imóvel já alienado a terceiros, antes mesmo da constrição judicial, principalmente diante da inexistência da publicidade do ato constritivo, conforme súmula 375 do STJ, em processo que tramita em segredo de justiça, o que demonstra que não há como se afastar a boa-fé do adquirente, sob pena de violação ao disposto no art. 659, §4°, do Código de Processo Civil, bem como ao disposto no art. 792, incisos II, do Código de Processo Civil.

Não foram oferecidas contrarrazões (e-STJ fl. 96).

No agravo (e-STJ fls. 117/132), afirma a presença de todos os requisitos de admissibilidade do especial.

Contraminuta não apresentada (e-STJ fl. 135).

O Ministério Público Federal opinou pelo não provimento do recurso (e-STJ

fls. 157/159).

É o relatório.

Decido.

Não se mostra viável, em sede de recurso especial, a análise da tese de

afronta à Súmula n. 375 do STJ, pois, de acordo com a Súmula n. 518/STJ, "Para fins

do art. 105, III, a, da Constituição Federal, não é cabível recurso especial fundado em

alegada violação de enunciado de súmula”. A esse respeito:

AGRAVO INTERNO NO RECURSO ESPECIAL. PROCESSUAL CIVIL. VIOLAÇÃO A PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS. EXAME. IMPOSSIBILIDADE. ANÁLISE DE ENUNCIADO SUMULAR EM RECURSO ESPECIAL. VIA INADEQUADA. SÚMULA 518 DO STJ. PENSIONAMENTO VITALÍCIO. PRINCÍPIO DA CONGRUÊNCIA. JULGAMENTO EXTRA PETITA. NÃO OCORRÊNCIA. INTERPRETAÇÃO LÓGICO-SISTEMÁTICA DA PETIÇÃO INICIAL. DANOS MORAIS E MATERIAIS. ACIDENTE DE TRABALHO. QUEDA. LESÃO NA COLUNA. RESPONSABILIDADE. REQUISITOS CONFIGURADORES. PRETENSÃO DE AFASTAMENTO. IMPOSSIBILIDADE. NECESSIDADE DE REEXAME DE PROVAS. SÚMULA 7/STJ. QUANTUM INDENIZATÓRIO. NÃO SE EVIDENCIA IRRISÓRIO OU EXORBITANTE. VALOR RAZOÁVEL. AGRAVO REGIMENTAL DESPROVIDO.

(...)

3. "O recurso especial não constitui via adequada para análise de eventual contrariedade a enunciado sumular, por não estar compreendido na expressão 'lei federal', constante do art. 105, III, a, da CF, conforme previsto na Súmula nº 518 desta Corte" (AgRg no AREsp 701.254/SC, Rel. Ministro MOURA RIBEIRO, TERCEIRA TURMA, julgado em 1º/9/2015, DJe de 10/9/2015).

(...)

(AgRg no REsp 1.263.780/SC, Relator Ministro RAUL ARAÚJO, QUARTA TURMA, julgado em 16/6/2016, DJe 3/8/2016.)

A simples indicação dos dispositivos legais tidos por violados, sem que o

tema tenha sido enfrentado pelo acórdão recorrido, obsta o conhecimento do recurso

especial, por falta de prequestionamento.

O Tribunal de origem, ao analisar o agravo de instrumento, não fez menção

aos arts. 659, § 4°, 792, II, 805 e 847 do CPC/2015, indicado nas razões recursais,

conforme se infere do voto condutor do acórdão recorrido.

Assim, incidente o óbice das Súmulas n. 282 e 356 do STF.

Além disso, o Tribunal a quo decidiu pela manutenção da penhora sobre o

bem imóvel em questão, conforme o seguinte excerto (e-STJ fls. 2.050/2.052):

No presente caso, ainda que fosse constatada a regular venda do imóvel, o

agravante não quitou o débito alimentar pendente, mesmo recebendo a contraprestação do negócio.

Além disso, a alegação de que o imóvel já havia sido vendido, inclusive para terceiro adquirente de boa-fé, também não se sustenta, haja vista estar sob análise do Ministério Público, cuja atuação constatou a possibilidade de prática do delito do art. 171 , § 2°, 11, do Código Penal (alienação fraudulenta de coisa própria). Isso porque, do que se extrai dos relatos processuais, a suposta adquirente de boa-fé é familiar do agravante.

Ademais, analisando o caderno processual, verifico que em julho de 2018, o executado já havia se manifestado na origem, arguindo o excesso da penhora e impugnando a avaliação judicial. Todavia, não tinha noticiado a venda do imóvel, a qual alega ter ocorrido antes da constrição, sendo, inclusive, tese somente levanta por ocasião da interposição do presente recurso.

Não bastasse isso, o registro do imóvel, acostado às pp. 313-319, indica que o registro da venda foi feito em 31/10/2018, ou seja, quando o demandado já estava ciente do débito alimentar, e também da determinação judicial de penhora.

Como bem apontado pelo Ministério Público na origem, "embora não tenha sido levada a penhora a registro junto à matricula do imóvel, é certo que o executado tinha ciência da constrição que recaia o bem, assim como é certo que a adquirente S. Z. C. é sua tia materna" (p. 339).

Por fim, inexiste possibilidade de acolhimento da impugnação à avaliação judicial, uma vez que o magistrado de origem, após a interposição do recurso, oportunizou ao executado que apresentasse novas avaliações, hábeis a indicar erro pelo oficial de justiça (pp. 300 e 304, dos autos de origem). No entanto, o devedor quedou-se inerte.

À vista disso, inexiste cabimento para qualquer das alegações suscitadas, devendo ser desprovido o recurso, em relação às insurgências acerca da penhora determinada.

Nesse contexto, para alterar o que foi decidido pelo Tribunal de origem, seria

necessário reexaminar o suporte fático-probatório constante dos autos, inviável em

recurso especial, a teor da Súmula n. 7 do STJ.

Ante o exposto, NEGO PROVIMENTO ao agravo.

Publique-se e intimem-se.

Brasília, 15 de dezembro de 2021.

Ministro ANTONIO CARLOS FERREIRA

Relator

Disponível em: https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/1343446875/agravo-em-recurso-especial-aresp-1909743-sc-2021-0171012-3/decisao-monocratica-1343446891

Informações relacionadas

Superior Tribunal de Justiça STJ - RECURSO ESPECIAL: REsp 1949327 SP 2021/0220180-0

Superior Tribunal de Justiça STJ - AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL: AREsp 1648515 RJ 2020/0008375-6

Tribunal de Justiça do Paraná
Jurisprudênciahá 13 anos

Tribunal de Justiça do Paraná TJ-PR - Agravo de Instrumento: AI 5304883 PR 0530488-3