jusbrasil.com.br
27 de Junho de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Superior Tribunal de Justiça STJ - RECURSO ESPECIAL: REsp 1994862 TO 2022/0096591-7

Superior Tribunal de Justiça
mês passado

Detalhes da Jurisprudência

Processo

REsp 1994862 TO 2022/0096591-7

Publicação

DJ 24/05/2022

Relator

Ministro MARCO BUZZI

Documentos anexos

Decisão MonocráticaSTJ_RESP_1994862_83391.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Decisão

RECURSO ESPECIAL Nº 1994862 - TO (2022/0096591-7) DECISÃO Trata-se de recurso especial interposto por UNIMED FEDERAÇÃO INTERFEDERATIVA DAS COOPERATIVAS MÉDICAS DO CENTRO-OESTE E TOCANTINS - EM LIQUIDAÇÃO EXTRAJUDICIAL, fundamentado no art. 105, inciso III, alínea c, da Constituição Federal, contra acórdão proferido pelo Tribunal de Justiça do Estado de Tocantins, assim ementado (fls. 169 e-STJ): AGRAVO DE INSTRUMENTO. CUMPRIMENTO DE SENTENÇA. SUSPENSÃO EM DECORRÊNCIA DO ART. 76 DA LEI 5.764/71. IMPOSSIBILIDADE. TRANSCURSO DO PRAZO MÁXIMO PREVISTO NA LEI. DECISÃO MANTIDA. RECURSO CONHECIDO E IMPROVIDO. 1. A parte agravante sustenta a necessidade de suspensão do feito em decorrência de sua liquidação judicial, nos termos do art. 76 da Lei 5.764/71. Referido dispositivo legal prevê a suspensão dos processos em face da liquidanda por um ano. 2. No caso concreto a suspensão já ocorreu pelo prazo de 01 ano, em 2020, de modo que não pode ser novamente determinado por ausência de previsão legal que permita. 3. Recurso conhecido e improvido. Opostos embargos de declaração (fls. 173-176 e-STJ), esses foram rejeitados (fls. 207-219 e-STJ). Em suas razões de recurso especial (fls. 224-243 e-STJ), a parte recorrente, primeiramente, requer a concessão dos benefícios da gratuidade de justiça, sustentando, em suma, que ?se encontra em situação de absoluta insuficiência econômica, tendo sua atuação voltada exclusivamente à execução dos trabalhos inerentes ao procedimento liquidatório, não desempenhando, portanto, qualquer atividade econômica capaz de produzir faturamento e/ou rendimentos de qualquer ordem empresarial? (fls. 227 e-STJ). No mérito, aponta a existência de dissídio jurisprudencial no tocante à interpretação conferida ao art. 76 da Lei nº 5.764/71, sustentando, em suma, que deve ser reconhecida a necessidade de sobrestamento de todas as execuções e ações em fase de cumprimento de sentença até a fluência do prazo de prorrogação estabelecido em Assembleia Geral Extraordinária. Apresentadas contrarrazões às fls. 257-269 e-STJ, o apelo nobre foi admitido na origem. Em decisão de fls. 288-290 e-STJ, este relator indeferiu o pedido de gratuidade de justiça formulado na petição de recurso especial, determinando a intimação da recorrente para que efetuasse o recolhimento das custas devidas (art. 99, § 7º, do CPC/15), no prazo de 5 (cinco) dias, sob pena de deserção. Às fls. 292-295 e-STJ, a parte recorrente comprovou o recolhimento das custas dentro do prazo legal. É o relatório. Decide-se. A irresignação não merece prosperar. 1. A parte recorrente aponta a existência de dissídio ju risprudencial no tocante à interpretação conferida ao art. 76 da Lei nº 5.764/71, sustentando, em suma, que deve ser reconhecida a necessidade de sobrestamento de todas as execuções e ações em fase de cumprimento de sentença até a fluência do prazo de prorrogação estabelecido em Assembleia Geral Extraordinária. Da leitura do acórdão exarado pela Corte local, colhe-se que o feito foi, inicialmente, sobrestado pelo prazo de um ano, a contar de 18/10/2018, data da publicação da ata de assembleia geral que deliberou a liquidação extrajudicial, tendo sido prorrogado o sobrestamento por mais um ano. Assim, por considerar o transcurso do prazo previsto no art. 76 da Lei 5.674/71 e da sua prorrogação, o acórdão recorrido confirmou a decisão do juízo de piso que indeferiu o pedido de renovação da suspensão do processo pelo prazo de mais um ano, pronunciando-se nos seguintes termos (fls. 162-164 e-STJ): O Agravo de Instrumento restringe-se à análise da legalidade ou ilegalidade da decisão agravada, devendo o Tribunal de Justiça abster-se de incursões profundas na seara meritória a fim de não antecipar o julgamento do mérito da demanda, perpetrando a vedada e odiosa supressão de instância. O agravante pede a reforma da decisão que indeferiu o pedido de suspensão da tramitação processual pelo período de 01 (um) ano, por entender que a decisão viola a essência normativa contida no artigo 76 da lei 5.764/71. Sobre o assunto, vale destacar o que dispõe o artigo 76, parágrafo único, da Lei n2 5.764/71, in verbis: (...). Depreende-se dos autos originários, que a Ata da Assembleia Geral Extraordinária da Unimed Federação ocorreu em 27 de agosto de 2018, sendo que a publicação no Diário Oficial se deu em 18 de outubro de 2018 (evento 51, ANEX02). Assim sendo, no despacho proferido no evento 53, o Juiz singular considerou o decurso do prazo de 1 (um) ano, conforme decidido em Assembleia. Por conseguinte, após a manifestação da parte ora Agravante através do evento 65, na decisão constante no evento 67, o Juiz a quo determinou que o processo ficasse suspenso até o dia 02/10/2020. Desta forma, correta a fundamentação apresentada pelo Magistrado de lº Grau, no que tange aos argumentos referentes à suspensão do processo segundo a Lei nº 5.764/71, tendo em vista que a prorrogação da suspensão do feito já ocorreu, razão pela qual o processo de cumprimento de sentença deve ter continuidade. (...). Portanto, vejo que a decisão agravada mostra-se devidamente fundamentada e os argumentos utilizados pelo juízo de origem demonstram-se razoáveis. Ademais, só se reforma a medida adotada em primeiro grau de jurisdição, se teratológica ou contrária à lei ou à prova dos autos, o que não ocorreu no presente caso. No particular, o acórdão amolda-se à jurisprudência desta Corte, segundo a qual, nos termos do art. 76 da Lei 5.764/71, a aprovação da liquidação extrajudicial pela assembleia geral implica a suspensão das ações judiciais contra a cooperativa pelo prazo de um ano, prorrogável por no máximo mais um ano, sendo incabíveis adicionais prorrogações. Sobre o tema, relevante a menção ao seguinte precedente: RECURSO ESPECIAL. DIREITO CIVIL E PROCESSUAL CIVIL. LIQUIDAÇÃO EXTRAJUDICIAL DE SOCIEDADE COOPERATIVA. SUSPENSÃO DAS AÇÕES EM ANDAMENTO. PRAZO DE UM ANO DO ART. 76 DA LEI 5.764/1971. PRORROGAÇÕES SUCESSIVAS. DESCABIMENTO. CARÁTER EXCEPCIONAL DA REGRA EM COMENTO. INVIABILIDADE DE INTERPRETAÇÃO ANALÓGICA COM O 'STAY PERIOD' DA RECUPERAÇÃO JUDICIAL. DESCABIMENTO. 1. Controvérsia em torno da suspensão de um cumprimento de sentença contra uma cooperativa em regime de liquidação extrajudicial para além do prazo de um ano, prorrogável por mais um ano, previsto no art. 76 da Lei 5.764/1971. 2. Nos termos do art. 76 da Lei 5.764/1971, a aprovação da liquidação extrajudicial pela assembleia geral implica a suspensão das ações judiciais contra a cooperativa pelo prazo de um ano, prorrogável por no máximo mais um ano. 3. Inviabilidade de aplicação ao caso das razões de decidir dos precedentes relativos à prorrogação do 'stay period' da recuperação judicial de empresas, pois a recuperação judicial de empresas, por se submeter à supervisão judicial, não guarda semelhança com a liquidação extrajudicial da cooperativa. 4. Caráter excepcional da regra do art. 76 da Lei 5.764/1971 por atribuir a uma deliberação privada o condão de suspender a prestação da atividade jurisdicional. Doutrina sobre o tema. 5. Inviabilidade de interpretação analógica ou extensiva da regra legal 'sub examine', em respeito ao princípio fundamental da inafastabilidade da jurisdição (art. , inciso XXXV, da CF). 6. Caso concreto em que a liquidação extrajudicial foi aprovada em 2011, estando há muito superado o prazo legal de suspensão das ações judiciais. 7. Reforma do acórdão recorrido para se determinar o prosseguimento do cumprimento de sentença. 8. RECURSO ESPECIAL PROVIDO. ( REsp 1833613/DF, Rel. Ministro PAULO DE TARSO SANSEVERINO, TERCEIRA TURMA, julgado em 17/11/2020, DJe 20/11/2020) Ainda nesse sentido: REsp 195641/DF, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, QUARTA TURMA, DJe de 03/03/2022. Assim, decidindo o acórdão recorrido em conformidade com a jurisprudência desta Corte Superior sobre o tema, aplica-se a orientação prevista no enunciado 83 do STJ. 2. Do exposto, com fulcro no artigo 932 do CPC/2015 e na Súmula 568/STJ, nega-se provimento ao recurso especial. Publique-se. Intimem-se. Brasília, 19 de maio de 2022. Ministro MARCO BUZZI Relator
Disponível em: https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/1511413178/recurso-especial-resp-1994862-to-2022-0096591-7