jusbrasil.com.br
26 de Junho de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Superior Tribunal de Justiça
há 12 anos

Detalhes da Jurisprudência

Processo

AgRg no REsp 1029099 RS 2008/0027384-4

Órgão Julgador

T3 - TERCEIRA TURMA

Publicação

DJe 17/12/2010

Julgamento

14 de Dezembro de 2010

Relator

Ministro SIDNEI BENETI

Documentos anexos

Inteiro TeorAGRG-RESP_1029099_RS_1294850221511.pdf
Certidão de JulgamentoAGRG-RESP_1029099_RS_1296413495650.pdf
Relatório e VotoAGRG-RESP_1029099_RS_1296413495649.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

RELATOR : MINISTRO SIDNEI BENETI
AGRAVANTE : LUCIANA SINIGAGLIA DA SILVA - MICROEMPRESA E OUTRO
ADVOGADO : ISAIAS GRASEL ROSMAN E OUTRO (S)
AGRAVADO : GAPLAN ADMINISTRADORA DE BENS LTDA
ADVOGADO : JORGE LUÍS FRAGA DE OLIVEIRA E OUTRO (S)
EMENTA
RECURSO ESPECIAL. AGRAVO REGIMENTAL. AÇÃO REVISIONAL. CONTRATO DE CONSÓRCIO. DISPOSIÇÕES DE OFÍCIO. INADMISSIBILIDADE. TAXA DE ADMINISTRAÇÃO. NÃO LIMITAÇÃO. MORA. CARACTERIZADA.
I.- "Nos contratos bancários, é vedado ao julgador conhecer, de ofício, da abusividade das cláusulas"(Súmula 381⁄STJ). II.- As administradoras de consórcio têm total liberdade para fixar a respectiva taxa de administração, nos termos do art. 33 da Lei n. 8.177⁄91 e da Circular n. 2.766⁄97 do Banco Central, não havendo que se falar em ilegalidade ou abusividade da taxa contratada.
III.- No que diz respeito à mora do devedor, é assente na jurisprudência desta Corte que a sua descaracterização dá-se no caso de cobrança de encargos ilegais no período da normalidade, o que não se verifica no presente caso.IV.- Agravo Regimental improvido.
ACÓRDÃO

Vistos, relatados e discutidos os autos em que são partes as acima indicadas, acordam os Ministros da Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça, por unanimidade, negar provimento ao agravo regimental, nos termos do voto do Sr. Ministro Relator.

Os Srs. Ministros Paulo de Tarso Sanseverino, Massami Uyeda e Nancy Andrighi votaram com o Sr. Ministro Relator. Impedido o Sr. Ministro Vasco Della Giustina (Desembargador convocado do TJ⁄RS).

Brasília (DF), 14 de dezembro de 2010 (Data do Julgamento)

Ministro SIDNEI BENETI
Relator
RELATOR : MINISTRO SIDNEI BENETI
AGRAVANTE : LUCIANA SINIGAGLIA DA SILVA - MICROEMPRESA E OUTRO
ADVOGADO : ISAIAS GRASEL ROSMAN E OUTRO (S)
AGRAVADO : GAPLAN ADMINISTRADORA DE BENS LTDA
ADVOGADO : JORGE LUÍS FRAGA DE OLIVEIRA E OUTRO (S)
RELATÓRIO

O EXMO. SR. MINISTRO SIDNEI BENETI (Relator):

1.- LUCIANA SINIGAGLIA DA SILVA - MICROEMPRESA E OUTRO interpõem Agravo Regimental contra a decisão que, na Ação Revisional de Contrato de Consórcio que movem contra GAPLAN ADMINISTRADORA DE BENS LTDA, conferiu provimento ao Recurso Especial desta última, excluindo as disposições de ofício, afastando a limitação da taxa de administração e afastando a descaracterização da mora (fls. 306⁄310).

2.- Sustentam os agravantes a) que o art. 168, parágrafo único, do Código Civil possibilita ao juiz declarar, de ofício, as nulidades existentes no negócio jurídico; b) a nulidade da taxa de administração superior a 10%; e c) que em razão da abusividade dos encargos cobrados, resta descaracterizada a mora do devedor.

É o relatório.

VOTO

O EXMO. SR. MINISTRO SIDNEI BENETI (Relator):

A irresignação não merece prosperar.

3.- Com relação à matéria impugnada no presente recurso, assim dispôs a decisão agravada (fls. 297):

7.- Assiste razão ao recorrente no que concerne à impossibilidade de o órgão julgador declarar, de ofício, a abusividade das cláusulas contratuais, ultrapassando o limite da irresignação da parte interessada, tendo em vista a natureza patrimonial dos direitos envolvidos.

Consoante pacífico entendimento no âmbito da Segunda Seção do Superior Tribunal de Justiça, o julgamento realizado de ofício pelo Tribunal ofende o princípio tantum devolutum quantum appellatum positivado no artigo 515 do Código de Processo Civil ( CPC), uma vez que a Corte revisora exorbita na entrega da prestação jurisdicional, indo além do que foi impugnado nas razões recursais. Ressalvam-se, por óbvio, as restritas hipóteses em que tal atividade é autorizada.

Nesse sentido, são os seguintes precedentes desta Corte: REsp 541.153⁄RS, Relator Ministro CESAR ASFOR ROCHA, DJ 14.9.05; REsp 258.426⁄RS, Relator Ministro CARLOS ALBERTO MENEZES DIREITO, DJ 20.8.01; REsp 42.995⁄MG, Relator Ministro ALDIR PASSARINHO JUNIOR, DJ 18.8.99.

8.- Com relação à taxa de administração, nota-se que o Aresto recorrido divergiu da jurisprudência da 2ª Seção desta Corte, que entende que as administradoras de consórcio têm total liberdade para fixar a respectiva taxa de administração, nos termos do art. 33 da Lei n. 8.177⁄91 e da Circular n. 2.766⁄97 do Banco Central, não havendo que se falar em ilegalidade ou abusividade da taxa contratada.

Nesse sentido:

EMBARGOS DE DIVERGÊNCIA. CONSÓRCIO DE BENS MÓVEIS. TAXA DE ADMINISTRAÇÃO. FIXAÇÃO. LIMITE SUPERIOR A 10% (DEZ POR CENTO). POSSIBILIDADE. AUSÊNCIA DE ILEGALIDADE E ABUSIVIDADE.

1 - O cerne da controvérsia cinge-se à possibilidade de limitação da taxa de administração de consórcio de bens móveis, prevista no Decreto nº 70.951⁄72. Consoante recente entendimento consignado pela Eg. Quarta Turma, as administradoras de consórcio possuem total liberdade para fixar a respectiva taxa de administração, nos termos do art. 33 da Lei nº 8.177⁄91 e da Circular nº 2.766⁄97 do BACEN, não sendo considerada ilegal ou abusiva, portanto, as taxas fixadas em percentual superior a 10% (dez por cento).

2 - Embargos de divergência acolhidos.

(EREsp 927379⁄RS, Rel. Ministro FERNANDO GONÇALVES, SEGUNDA SEÇÃO, DJe 19⁄12⁄2008)

9.- No que diz respeito à mora do devedor, é assente na jurisprudência desta Corte que a sua descaracterização dá-se no caso de cobrança de encargos ilegais no período da normalidade, o que não se verifica no presente processo.

10.- Pelo exposto, dá-se provimento ao Recurso Especial excluindo as disposições de ofício, afastando a limitação da taxa de administração e afastando a descaracterização da mora.

11.- Condena-se o recorrido ao pagamento das custas processuais e dos honorários advocatícios, mantido quanto a estes o valor total fixado no Acórdão, observando-se, se for o caso, o disposto na Lei n. 1.060⁄50.

5.- Os agravantes não trouxeram qualquer argumento capaz de modificar a conclusão alvitrada, que está em consonância com a jurisprudência consolidada desta Corte, devendo a decisão ser mantida por seus próprios fundamentos.

6.- Pelo exposto, nega-se provimento ao Agravo.

Ministro SIDNEI BENETI
Relator
CERTIDÃO DE JULGAMENTO
TERCEIRA TURMA
AgRg no
Número Registro: 2008⁄0027384-4
REsp 1.029.099 ⁄ RS
 
Números Origem:  10600015242  70019865971  70020675468  70022260830
 
 
EM MESA JULGADO: 14⁄12⁄2010
   
Relator
Exmo. Sr. Ministro SIDNEI BENETI
Ministro Impedido
Exmo. Sr. Ministro   :  VASCO DELLA GIUSTINA (DESEMBARGADOR CONVOCADO DO TJ⁄RS)
   
Presidente da Sessão
Exmo. Sr. Ministro MASSAMI UYEDA
Subprocurador-Geral da República
Exmo. Sr. Dr. JUAREZ ESTEVAM XAVIER TAVARES
Secretária
Bela. MARIA AUXILIADORA RAMALHO DA ROCHA
AUTUAÇÃO
RECORRENTE : GAPLAN ADMINISTRADORA DE BENS LTDA
ADVOGADO : JORGE LUÍS FRAGA DE OLIVEIRA E OUTRO (S)
RECORRIDO : LUCIANA SINIGAGLIA DA SILVA - MICROEMPRESA E OUTRO
ADVOGADO : ISAIAS GRASEL ROSMAN E OUTRO (S)
ASSUNTO: DIREITO DO CONSUMIDOR - Contratos de Consumo - Consórcio
AGRAVO REGIMENTAL
AGRAVANTE : LUCIANA SINIGAGLIA DA SILVA - MICROEMPRESA E OUTRO
ADVOGADO : ISAIAS GRASEL ROSMAN E OUTRO (S)
AGRAVADO : GAPLAN ADMINISTRADORA DE BENS LTDA
ADVOGADO : JORGE LUÍS FRAGA DE OLIVEIRA E OUTRO (S)
CERTIDÃO
Certifico que a egrégia TERCEIRA TURMA, ao apreciar o processo em epígrafe na sessão realizada nesta data, proferiu a seguinte decisão:
A Turma, por unanimidade, negou provimento ao agravo regimental, nos termos do voto do (a) Sr (a). Ministro (a) Relator (a). Os Srs. Ministros Paulo de Tarso Sanseverino, Nancy Andrighi e Massami Uyeda (Presidente) votaram com o Sr. Ministro Relator. Impedido o Sr. Ministro Vasco Della Giustina (Desembargador convocado do TJ⁄RS).
Brasília, 14 de dezembro de 2010
MARIA AUXILIADORA RAMALHO DA ROCHA
Secretária

Documento: 1030126Inteiro Teor do Acórdão- DJe: 17/12/2010
Disponível em: https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/17917954/agravo-regimental-no-recurso-especial-agrg-no-resp-1029099-rs-2008-0027384-4/inteiro-teor-17917955

Informações relacionadas

Petição Inicial - Ação Consórcio

Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios TJ-DF: 0701415-06.2017.8.07.0003 DF 0701415-06.2017.8.07.0003

Superior Tribunal de Justiça STJ - AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL: AREsp 1511826 GO 2019/0151752-8

Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios TJ-DF: 0715317-26.2017.8.07.0003 DF 0715317-26.2017.8.07.0003

Tribunal de Justiça de São Paulo
Jurisprudênciahá 4 anos

Tribunal de Justiça de São Paulo TJ-SP - Apelação Cível: AC 1046064-52.2017.8.26.0100 SP 1046064-52.2017.8.26.0100