jusbrasil.com.br
10 de Agosto de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Superior Tribunal de Justiça
há 10 anos

Detalhes da Jurisprudência

Processo

Órgão Julgador

S3 - TERCEIRA SEÇÃO

Publicação

Julgamento

Relator

Ministro GILSON DIPP

Documentos anexos

Inteiro TeorAGRG-MS_15022_DF_1294851231507.pdf
Certidão de JulgamentoAGRG-MS_15022_DF_1296415073044.pdf
Relatório e VotoAGRG-MS_15022_DF_1296415073043.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Relatório e Voto

RELATÓRIO
O EXMO. SR. MINISTRO GILSON DIPP (Relator):
Trata-se de agravo regimental interposto contra decisão monocrática por mim proferida, que indeferiu liminar pleiteada na inicial do mandado de segurança, vazada nos seguintes termos (fl. 802):
"Trata-se de mandado de segurança, com pedido liminar, impetrado por RAIMUNDO COSMO DE LIMA FILHO contra ato do Exmo. Sr. Ministro de Estado da Educação, consubstanciado na Portaria nº 86, publicada no D.O.U. de 29 de janeiro de 2010, por meio da qual o impetrante foi demitido do cargo de Analista de Tecnologia da Informação da Fundação Universidade de Brasília - FUB/UnB.
O impetrante sustenta a incompetência do Exmo. Sr. Ministro de Estado da Educação para determinar a apuração dos fatos e aplicar penalidade ao impetrante, e o suposto excesso de prazo para a conclusão do Processo Administrativo Disciplinar, além de questionar a composição da Comissão do Processo Administrativo.
Requer, liminarmente, a suspensão dos efeitos da Portaria mencionada e, no mérito, a concessão da segurança para declarar a nulidade de tal ato e do Processo Administrativo Disciplinar de que originado.
Em 12 de fevereiro de 2010, foi determinada a notificação da autoridade apontada como coatora para prestar informações (fl. 763), momento em que seria apreciada a medida liminar.
Em 2 de março de 2010, a União apresentou petição para informar interesse na lide, requerendo a intimação de todas as decisões e despachos proferidos nesta ação (fl. 772).
As informações solicitadas à autoridade coatora foram prestadas em 22 de março de 2010 (fls. 776/778).
A relatoria deste Mandado de Segurança foi a mim atribuída em 20 de setembro de 2010 (fl. 801).
Decido:
Defiro o ingresso da União no feito como interessada, determinando a reautuação do processo.
Não obstante os argumentos expendidos na exordial, verifica-se, in casu, a impossibilidade da concessão do pleito liminar, tendo em vista que não se afiguram presentes os pressupostos expressamente previstos no artigo , III da Lei 12.016/09.
Ademais, o pedido liminar confunde-se, inteiramente, com o próprio mérito da impetração, o que denota a índole satisfativa do pleito.
Ante o exposto, indefiro a liminar.
Nos termos do art. 214 do RISTJ, remetam-se os autos ao Ministério Público Federal.
Publique-se."
O agravante reitera os argumentos expostos na inicial e busca a reforma da decisão hostilizada para que seja declarada a suspensão dos efeitos da Portaria nº 086, de 29 de janeiro de 2010, que o demitiu do quadro administrativo da Fundação Universidade de Brasília - FUB/UnB. No mérito, pede a confirmação da medida liminar requestada.
É o relatório.
VOTO
O EXMO. SR. MINISTRO GILSON DIPP (Relator):
Não obstante os argumentos expendidos pelo agravante, os mesmos não têm o condão de infirmar os fundamentos insertos na decisão hostilizada, a qual se encontra em consonância com entendimento consolidado por esta Corte.
Na espécie, o agravante reitera os argumentos expostos na inicial e deixa evidente que o pedido de liminar formulado se confunde com o mérito da demanda. Ademais, não apresenta qualquer alteração do contexto fático que enseje a reforma da decisão agravada.
O pedido de suspensão dos efeitos da portaria que aplicou penalidade ao agravante pressupõe o reconhecimento de ilegalidade do mencionado ato administrativo, o que não é possível realizar em sede liminar, por demandar pormenorizada análise dos autos.
Com efeito, eventual deferimento da liminar seria decisão antecipatória do pleito final, apenas viável em casos de manifesta ilegalidade que reclamem intervenção imediata do Poder Judiciário.
Neste sentido já se manifestou desta Corte:
MANDADO DE SEGURANÇA. LIMINAR INDEFERIDA. PLAUSIBILIDADE JURÍDICA DO DIREITO INVOCADO. AUSÊNCIA DE DEMONSTRAÇAO. ANÁLISE DO FUMUS BONI JURIS QUE SE CONFUNDE COM O MÉRITO DA DEMANDA.
1. A análise do pedido, no âmbito liminar, demanda a observância dos requisitos autorizadores para a concessão da medida, quais sejam, o fumus bonis juris e o periculum in mora. No tocante ao primeiro requisito, consistente na verificação, de plano, da plausibilidade jurídica dos argumentos deduzidos no mandado de segurança, tenho que os fundamentos da impetração não ressoam fortes o suficiente para a concessão do pedido liminar.
2. Ressalvados casos de flagrante ilegalidade que demandem intervenção imediata do Poder Judiciário, não vejo como acolher pedido liminar em mandado de segurança que objetiva suspender os efeitos de portaria editada pela autoridade impetrada, pois a análise do fumus boni juris confunde-se com o próprio mérito da demanda.
3. Agravo regimental improvido. (STJ - AgRg no MS 15104/DF - Rel. Min. Maria Thereza de Assis Moura - Terceira Seção - DJe 19/9/2010).
Ante o exposto, nego provimento ao agravo regimental.
É como voto.

Documento: XXXXX RELATÓRIO E VOTO
Disponível em: https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/17918082/agravo-regimental-no-mandado-de-seguranca-agrg-no-ms-15022-df-2010-0023032-6-stj/relatorio-e-voto-17994768