jusbrasil.com.br
6 de Julho de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Superior Tribunal de Justiça
há 7 anos

Detalhes da Jurisprudência

Publicação

DJ 07/04/2015

Relator

Ministra MARGA TESSLER (JUÍZA FEDERAL CONVOCADA DO TRF 4ª REGIÃO)

Documentos anexos

Decisão MonocráticaSTJ_ARESP_499498_c025a.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Decisão Monocrática

Superior Tribunal de Justiça
Revista Eletrônica de Jurisprudência
    AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 499.498 - RO (2014⁄0075881-5)   RELATORA : MINISTRA MARGA TESSLER (JUÍZA FEDERAL CONVOCADA DO TRF 4ª REGIÃO) AGRAVANTE : ESTADO DE RONDÔNIA PROCURADOR : LIVIA RENATA DE OLIVEIRA SILVA E OUTRO(S) AGRAVADO  : ADELSON LEITE FERNANDES ADVOGADOS : DANIEL PENHA DE OLIVEIRA   LAURA CAROLINE DE ARAÚJO E OUTRO(S)   DECISÃO   Trata-se de agravo interposto pelo ESTADO DE RONDÔNIA em face de decisão que inadmitiu recurso especial manifestado com base no art. 105, III, alínea "a", da Constituição Federal. O recurso especial deixou de ser admitido pela Corte a quo pelos seguintes fundamentos, in verbis :   (...) Também, vê-se que competiria ao recorrente, nas razões de seu recurso especial, combater especificamente o acórdão recorrido, a ausência de tal providência fere o princípio da dialeticidade recursal, incidindo, por analogia, no teor da Súmula 182 do STJ. Se não bastasse, se vê que a pretensão do recorrente esbarra no óbice da Súmula n. 7 do STJ. É que o Tribunal a quo firmou sua fundamentação na análise do conjunto fático-probatório constante dos autos, de forma que, para entender diversamente, seria necessário o seu reexame, o que é inviável em sede de recurso especial. (fl. 184).   Assiste razão ao Ministério Público Federal, consoante parecer de fls. 211⁄214.   Para que se efetive o conhecimento do agravo, é necessário o desenvolvimento pela parte interessada de arrazoado suficiente para a impugnação de todos os motivos da decisão de negativa de admissibilidade ao apelo excepcional.   No presente caso, nota-se que a fundamentação aduzida pelo recorrente se revela lacônica, na medida em que apenas se reporta às razões do recurso especial e não contrapõe todos os argumentos do acórdão vergastado, com desenvolvimento de possíveis teses que refutassem os embasamentos aplicadores do teor das súmulas 182⁄STJ e 287⁄STF.   Assim sendo, em havendo omissão de impugnação específica acerca dos fundamentos da decisão questionada, deve ser aplicado o enunciado sumular n° 182 do STJ.   Confira-se:   ADMINISTRATIVO. PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL. ENSINO SUPERIOR. RESPONSABILIDADE CIVIL. CONCLUSÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA. RECURSO ESPECIAL INADMITIDO. FALTA DE IMPUGNAÇÃO ESPECÍFICA DA DECISÃO AGRAVADA. SÚMULA 182⁄STJ. AGRAVO NÃO CONHECIDO. 1. Agrava-se de decisão que negou seguimento a Recurso Especial interposto por MARILÉIA GOULART MATEUS DE BONA, fulcrado nas alíneas a e c do art. 105, III da Constituição Federal, aos seguintes fundamentos: (a) incidência da Súmula 284⁄STF; (b) necessidade de reexame fático-probatório, o que atrai a aplicação da Súmula 7⁄STJ; e (c) falta de demonstração do dissídio jurisprudencial nos moldes legais. 2. Contudo, a irresignação não merece prosperar, porquanto o agravante deixou de refutar todos os fundamentos da decisão agravada, limitando-se a alegar genericamente que não pretende o reexame de provas, bem como que a universidade que oferece o curso deve se adequar às exigências do órgão responsável antes de oferecer o bacharelado. 3. O Agravo em Recurso Especial tem por escopo desconstituir a decisão de inadmissão de Recurso Especial, sendo, por isso, imprescindível a impugnação específica de todos os fundamentos nela lançados, com o fito de demonstrar o seu desacerto. 4. Assim, à míngua de impugnação pertinente, incólume resta a decisão agravada, atraindo a incidência do Enunciado 182⁄STJ. 5. Nesse sentido: CRIMINAL. AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL. DECISÃO DA PRESIDÊNCIA DO TRIBUNAL A QUO. SOBRESTAMENTO DO RECURSO ESPECIAL. ART. 543-C DO CPC. IMPUGNAÇÃO VIA AGRAVO. IMPOSSIBILIDADE. AUSÊNCIA DE ATAQUE AOS FUNDAMENTOS DA DECISÃO AGRAVADA. ART. 544, § 4º, INCISO I, CPC. NÃO CONHECIMENTO DO AGRAVO. NÃO IMPUGNAÇÃO ESPECÍFICA DOS FUNDAMENTOS DA DECISÃO AGRAVADA. SÚMULA 182⁄STJ. AGRAVO REGIMENTO DESPROVIDO. (...). II - Nos termos do art. 544, § 4º, inciso I, do Código de Processo Civil, com a redação dada pela Lei n. 12.322⁄2010, não merece ser conhecido o agravo no recurso especial que não ataca especificamente os fundamentos da decisão agravada. III - Inviável o agravo interno que não ataca, especificamente, os fundamentos lançados na decisão agravada, refutando todos os óbices por ela levantados, sob pena de vê-la mantida. (Súmula 182⁄STJ). IV - Agravo Regimental desprovido (AREsp 9.283⁄MG, Rel. Min. GILSON DIPP, DJe 1.2.2012). 6. Diante do exposto, não se conhece do Agravo. 7. Publique-se. 8. Intimações necessárias. (AREsp 133329, Rel. Ministro NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO, DJe 09⁄11⁄2012)   Dessa forma, consoante o disposto na segunda parte do inciso I do § 4º do artigo 544 do CPC, o agravo não deve ser conhecido.   Ante o exposto, não conheço do agravo.     Intimem-se.   Brasília, 30 de março de 2015.     MINISTRA MARGA TESSLER (JUÍZA FEDERAL CONVOCADA DO TRF 4ª REGIÃO) Relatora
Documento: 46153500 Despacho / Decisão - DJe: 07/04/2015
Disponível em: https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/179476845/agravo-em-recurso-especial-aresp-499498-ro-2014-0075881-5/decisao-monocratica-179476855