jusbrasil.com.br
3 de Julho de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Superior Tribunal de Justiça STJ - RECURSO ESPECIAL: REsp 1525961 MG 2015/0091879-6

Superior Tribunal de Justiça
há 7 anos

Detalhes da Jurisprudência

Publicação

DJ 05/05/2015

Relator

Ministro SEBASTIÃO REIS JÚNIOR

Documentos anexos

Decisão MonocráticaSTJ_RESP_1525961_64362.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Decisão

RECURSO ESPECIAL Nº 1.525.961 - MG (2015/0091879-6) RELATOR : MINISTRO SEBASTIÃO REIS JÚNIOR RECORRENTE : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS RECORRIDO : ADENILSO SOARES DA SILVA ADVOGADO : DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS PENAL. RECURSO ESPECIAL. PORTE ILEGAL DE MUNIÇÃO. ATIPICIDADE MATERIAL DA CONDUTA. INAPLICABILIDADE. REINCIDÊNCIA E CONFISSÃO ESPONTÂNEA. COMPENSAÇÃO. Recurso especial provido. Habeas corpus concedido de ofício. DECISÃO Trata-se de recurso especial interposto pelo Ministério Público de Minas Gerais, com fundamento na alínea a do permissivo constitucional, contra acórdão do Tribunal de Justiça local proferido na Apelação Criminal n. 1.0512.11.001432-5/001 (fls. 145/155): EMENTA: APELAÇÃO CRIMINAL - PORTE ILEGAL DE MUNIÇÃO - AUSÊNCIA DE ARMA DE FOGO - ABSOLVIÇÃO POR AUSÊNCIA DE LESIVIDADE AO BEM JURÍDICO TUTELADO - POSSIBILIDADE. Em respeito ao princípio da intervenção mínima, dispondo que só se deve invocar a responsabilização penal nos casos em que ela for realmente necessária, e constatando-se que a lesão causada ao bem juridicamente tutelado é insignificante, cabível é a aplicação do princípio bagatela, absolvendo-se o apelante. Provimento ao recurso que se impõe. Os embargos de declaração opostos pelo recorrente (fls. 159/164) foram rejeitados (fls. 167/171). No presente recurso (fls. 177/186), alega-se, em síntese, negativa de vigência ao art. 14 da Lei n. 10.826/2003, sob o fundamento de que a conduta de porte ilegal de munição, ainda quando em pequena quantidade, é materialmente típica. Oferecidas contrarrazões (fls. 233/235), o recurso foi admitido na origem (fls. 237/238). O Ministério Público Federal opina pelo provimento do recurso (fls. 253/254). É o relatório. A pretensão recursal direciona-se ao afastamento da atipicidade material da conduta de porte ilegal de munição. Sobre o tema, o Tribunal de origem afirmou que a conduta do apelante em portar duas únicas munições de calibre 22, não se revestiu de lesividade suficiente para justificar a incidência da norma penal (fl. 154). Posto isto, observo que assiste razão ao recorrente. Com efeito, esta Casa já pacificou, há muito, ser inaplicável o princípio da insignificância aos crimes de posse e de porte de arma de fogo, por reconhecer-lhes a natureza de crimes de perigo abstrato, independentemente da quantidade de munição apreendida ( AgRg no AREsp n. 575.750/SC, Ministro Gurgel de Faria, Quinta Turma, DJe 17/4/2015). Em igual sentido: IV - O crime de porte ilegal de munição de uso permitido, tipificado no art. 14 da Lei 10.826/03, é de perigo abstrato - ou de mera conduta - e visa proteger a segurança pública e paz social. Sendo assim, é irrelevante a apreensão conjunta de arma de fogo para que o delito seja caracterizado, tampouco se aplica o princípio da insignificância, independentemente da quantidade de cartuchos apreendidos (precedentes). [...] ( HC n. 307.574/SP, Ministro Felix Fischer, Quinta Turma, DJe 13/4/2015) [...] 1. No âmbito deste Superior Tribunal de Justiça pacificou-se o entendimento de que nos delitos previstos na Lei nº 10.826/2003, por se tratar de crimes de perigo abstrato nos quais o objeto jurídico tutelado é a segurança pública e a paz social, não se aplica o princípio da insignificância, sendo irrelevante a quantidade de munição apreendida. [...] ( REsp n. 1.252.964/PR, Ministra Maria Thereza de Assis Moura, Sexta Turma, DJe 4/8/2014) Há mais, porém, a ser dito. Com efeito, na sentença condenatória (fls. 114/117), embora haja sido reconhecida a atenuante da confissão espontânea e a agravante da reincidência, não foi efetuada a compensação. Ocorre que, no julgamento do REsp n. 1.341.370/MS (DJe 17/4/2013), a Terceira Seção deste Superior Tribunal, em recurso submetido ao rito do art. 543-C do Código de Processo Civil, pacificou o entendimento de que é possível, na segunda fase do cálculo da pena, a compensação da agravante da reincidência com a atenuante da confissão espontânea, por serem igualmente preponderantes, de acordo com o art. 67 do Código Penal. Deve, assim, ser afastado o incremento na sanção imposto na segunda fase da dosimetria, consistente em 4 meses de reclusão e 1 dias-multa, razão pela qual a pena definitiva deve ser reduzida para 2 anos de reclusão e 10 dias-multa. Ficam mantidas as demais determinações da sentença condenatória. Ante o exposto, dou provimento ao recurso especial para afastar a atipicidade material da conduta. De ofício, concedo ordem de habeas corpus, a fim de proceder à compensação entre a agravante da reincidência e a atenuante da confissão espontânea, redimensionando a sanção do recorrido para 2 anos de reclusão e 10 dias-multa. Publique-se. Brasília, 30 de abril de 2015. Ministro Sebastião Reis Júnior Relator
Disponível em: https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/185697201/recurso-especial-resp-1525961-mg-2015-0091879-6

Informações relacionadas

Tribunal de Justiça de Minas Gerais
Jurisprudênciahá 10 anos

Tribunal de Justiça de Minas Gerais TJ-MG - Apelação Criminal: APR 124XXXX-06.2007.8.13.0525 Pouso Alegre

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 7 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL: AgRg no REsp 1525961 MG 2015/0091879-6

Tribunal de Justiça de Minas Gerais
Jurisprudênciahá 9 anos

Tribunal de Justiça de Minas Gerais TJ-MG - Apelação Criminal: APR 001XXXX-76.2011.8.13.0512 MG

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 9 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - RECURSO ESPECIAL: REsp 1341370 MT 2012/0180909-9

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 8 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - RECURSO ESPECIAL: REsp 1252964 PR 2011/0106729-3