jusbrasil.com.br
25 de Junho de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Superior Tribunal de Justiça
há 11 anos

Detalhes da Jurisprudência

Processo

AgRg no REsp 1187148 RS 2010/0053879-7

Órgão Julgador

T3 - TERCEIRA TURMA

Publicação

DJe 10/05/2011

Julgamento

3 de Maio de 2011

Relator

Ministra NANCY ANDRIGHI

Documentos anexos

Inteiro TeorAGRG-RESP_1187148_RS_1306457569951.pdf
Certidão de JulgamentoAGRG-RESP_1187148_RS_1306457569953.pdf
Relatório e VotoAGRG-RESP_1187148_RS_1306457569952.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI
AGRAVANTE : ROSÁRIO TUR LTDA
ADVOGADO : JOSÉ JOBSON PACHECO E OUTRO (S)
AGRAVADO : RANDON ADMINISTRADORA DE CONSÓRCIOS LTDA
ADVOGADO : MARIANA CARNEIRO E OUTRO (S)
EMENTA
PROCESSUAL CIVIL E CIVIL. AGRAVO NO RECURSO ESPECIAL. AÇAO DE COBRANÇA. CONSÓRCIO. TAXA DE ADMINISTRAÇAO. LIMITAÇAO. FIXAÇAO. LIMITE SUPERIOR A 10% (DEZ POR CENTO). AUSÊNCIA DE ILEGALIDADE E ABUSIVIDADE.
- Consoante entendimento firmado pela Corte Especial, as administradoras de consórcio possuem liberdade para fixar a respectiva taxa de administração, nos termos do art. 33 da Lei 8.177/91 e da Circular 2.766/97 do BACEN, não sendo considerada ilegal ou abusiva a taxa fixada em mais de 10% (dez por cento).
- Agravo no recurso especial não provido.
ACÓRDAO
Vistos, relatados e discutidos estes autos, acordam os Ministros da Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça, na conformidade dos votos e das notas taquigráficas constantes dos autos, por unanimidade, negar provimento ao agravo regimental, nos termos do voto do (a) Sr (a). Ministro (a) Relator (a). Os Srs. Ministros Massami Uyeda, Sidnei Beneti, Paulo de Tarso Sanseverino e Vasco Della Giustina votaram com a Sra. Ministra Relatora.
Brasília (DF), 03 de maio de 2011 (Data do Julgamento)
MINISTRA NANCY ANDRIGHI
Relatora
AGRAVANTE : ROSÁRIO TUR LTDA
ADVOGADO : JOSÉ JOBSON PACHECO E OUTRO (S)
AGRAVADO : RANDON ADMINISTRADORA DE CONSÓRCIOS LTDA
ADVOGADO : MARIANA CARNEIRO E OUTRO (S)
RELATORA: MINISTRA NANCY ANDRIGHI
RELATÓRIO
Trata-se de agravo interposto por ROSÁRIO TUR LTDA contra decisão que conheceu parcialmente do recurso especial interposto por RANDON ADMINISTRADORA DE CONSÓRCIOS LTDA. e, nessa parte, deu-lhe provimento , nos termos da seguinte ementa:
PROCESSUAL CIVIL E CIVIL. RECURSO ESPECIAL. AÇAO DE COBRANÇA. CONSÓRCIO. TAXA DE ADMINISTRAÇAO. LIMITAÇAO. AUSÊNCIA. PREQUESTIONAMENTO. AUSÊNCIA. SÚMULA 282/STF. DISSÍDIO JURISPRUDENCIAL. COTEJO ANALÍTICO E SIMILITUDE FÁTICA.
- A ausência de decisão acerca dos argumentos invocados pelo recorrente em suas razões recursais impede o conhecimento do recurso especial.
- O dissídio jurisprudencial deve ser comprovado mediante o cotejo analítico entre acórdãos que versem sobre situações fáticas idênticas.
- Consoante entendimento firmado pela Corte Especial, as administradoras de consórcio possuem liberdade para fixar a respectiva taxa de administração, nos termos do art. 33 da Lei 8.177/91 e da Circular 2.766/97 do BACEN, não sendo considerada ilegal ou abusiva a taxa fixada em mais de 10% (dez por cento).
- Recurso especial parcialmente conhecido e, nessa parte, provido. Ônus sucumbenciais invertidos (e-STJ fl. 531).
Em suas razões sustenta a agravante que a decisão agravada afronta as Súmulas 5 e 7/STJ, porquanto o TJ/RS teria analisado as provas dos autos para sacramentar a abusividade da taxa de administração e sua redução para 11,06%.
RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI
AGRAVANTE : ROSÁRIO TUR LTDA
ADVOGADO : JOSÉ JOBSON PACHECO E OUTRO (S)
AGRAVADO : RANDON ADMINISTRADORA DE CONSÓRCIOS LTDA
ADVOGADO : MARIANA CARNEIRO E OUTRO (S)
RELATORA: MINISTRA NANCY ANDRIGHI
VOTO
A decisão agravada foi assim fundamentada, na parte em que impugnada pela agravante:
- Da taxa de administração
O entendimento esposado pelo Tribunal de origem encontra-se dissonante do posicionamento pacífico desta Corte, que, em uniformização jurisprudencial, já se manifestou no sentido de admitir que as administradoras de consórcio de bens móveis têm liberdade para fixar a taxa de administração (EREsp 927.379/RS, SEGUNDA SEÇAO, Rel. Ministro FERNANDO GONÇALVES, julgado em 12.11.2008, DJ 19.12.2008). Logo, merece reforma o acórdão recorrido (e-STJ fls. 532/533).
Pela análise das razões recursais apresentadas, verifica-se que a agravante não trouxe qualquer argumento novo capaz de ilidir os fundamentos da decisão agravada.
Isso porque não há que se falar em revolvimento do conjunto fático-probatório dos autos ou interpretação de cláusulas contratuais quando esta Corte perfilha o entendimento de ser possível que as administradoras de consórcio fixem livremente a taxa de administração, não havendo que se falar em ilegalidade ou abusividade da taxa contratada. Nesse sentido: AgRg no REsp 1.029.099/RS, 3ª Turma, Rel. Min. Sidnei Beneti, DJe 17.12.2010; e REsp 796.842/RS, 4ª Turma, Rel. Min. Fernando Gonçalves, DJe 12.4.2010.
Destarte, a decisão agravada merece ser mantida nos exatos termos em que proferida.
Forte nessas razões, NEGO PROVIMENTO ao presente agravo no recurso especial.
CERTIDAO DE JULGAMENTO
TERCEIRA TURMA
AgRg no
Número Registro: 2010/0053879-7
REsp 1.187.148 / RS
Números Origem: 10400009083 70027334978 70034403386
EM MESA JULGADO: 03/05/2011
Relatora
Exma. Sra. Ministra NANCY ANDRIGHI
Presidente da Sessão
Exmo. Sr. Ministro MASSAMI UYEDA
Subprocurador-Geral da República
Exmo. Sr. Dr. JUAREZ ESTEVAM XAVIER TAVARES
Secretária
Bela. MARIA AUXILIADORA RAMALHO DA ROCHA
AUTUAÇAO
RECORRENTE : RANDON ADMINISTRADORA DE CONSÓRCIOS LTDA
ADVOGADO : MARIANA CARNEIRO E OUTRO (S)
RECORRIDO : ROSÁRIO TUR LTDA
ADVOGADO : JOSÉ JOBSON PACHECO E OUTRO (S)
ASSUNTO: DIREITO DO CONSUMIDOR - Contratos de Consumo - Consórcio
AGRAVO REGIMENTAL
AGRAVANTE : ROSÁRIO TUR LTDA
ADVOGADO : JOSÉ JOBSON PACHECO E OUTRO (S)
AGRAVADO : RANDON ADMINISTRADORA DE CONSÓRCIOS LTDA
ADVOGADO : MARIANA CARNEIRO E OUTRO (S)
CERTIDAO
Certifico que a egrégia TERCEIRA TURMA, ao apreciar o processo em epígrafe na sessão realizada nesta data, proferiu a seguinte decisão:
A Turma, por unanimidade, negou provimento ao agravo regimental, nos termos do voto do (a) Sr (a). Ministro (a) Relator (a). Os Srs. Ministros Massami Uyeda (Presidente), Sidnei Beneti, Paulo de Tarso Sanseverino e Vasco Della Giustina (Desembargador convocado do TJ/RS) votaram com a Sra. Ministra Relatora.

Documento: 1057285 Inteiro Teor do Acórdão - DJe: 10/05/2011
Disponível em: https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/19087962/agravo-regimental-no-recurso-especial-agrg-no-resp-1187148-rs-2010-0053879-7/inteiro-teor-19087963

Informações relacionadas

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 12 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - RECURSO ESPECIAL: REsp 1119300 RS 2009/0013327-2

Superior Tribunal de Justiça STJ - AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL: AgRg no REsp 1187148 RS 2010/0053879-7

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 31 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - CONFLITO DE COMPETENCIA: CC 2002 PB 1991/0008014-4

Tribunal de Justiça do Ceará
Jurisprudênciahá 9 meses

Tribunal de Justiça do Ceará TJ-CE - Apelação Cível: AC 0014615-63.2018.8.06.0117 CE 0014615-63.2018.8.06.0117

Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro
Jurisprudênciaano passado

Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro TJ-RJ - APELAÇÃO: APL 0002341-38.2007.8.19.0005