jusbrasil.com.br
16 de Agosto de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Superior Tribunal de Justiça STJ - RECURSO ESPECIAL: REsp XXXXX RJ 2010/XXXXX-0

Superior Tribunal de Justiça
há 12 anos

Detalhes da Jurisprudência

Processo

Órgão Julgador

T4 - QUARTA TURMA

Publicação

Julgamento

Relator

Ministro LUIS FELIPE SALOMÃO
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Ementa

RESPONSABILIDADE CIVIL. IMAGENS DE ATRIZ DE DORSO FRONTAL DESNUDO,ORIGINALMENTE LEVADAS AO AR EM MÍDIA TELEVISIVA, PUBLICADAS EMREVISTA DE GRANDE CIRCULAÇÃO. AUSÊNCIA DE AUTORIZAÇÃO. USO INDEVIDODE IMAGEM. DANOS MATERIAIS E MORAIS CONFIGURADOS.

1. No caso em julgamento, a revista, ao publicar as imagens daatriz, com dorso frontal desnudo, em meio absolutamente diferenciadodaquele inicialmente concebido para o trabalho artístico, causoudano à autora. Isso porque a veiculação de imagens desse jaez, emambientes diversos dos recônditos em que normalmente transitampublicações de cunho sensual, possui a virtualidade de causar, napessoa retratada, ofensa à sua honra subjetiva, em razão dacirculação de sua imagem - até então destinada a certo trabalhoartístico - em local diverso daquele contratado e autorizado.
2. Ademais, as imagens publicadas em mídia televisiva são exibidasdurante fração de segundos, em horário restrito e em um contextopeculiarmente criado para aquela obra, bem diverso do que ocorre coma captura de uma cena e sua publicação em meio de comunicaçãoimpresso, o qual, pela sua própria natureza, possui a potencialidadede perpetuar a exposição e, por consequência, o constrangimentoexperimentado.
3. Vencido o relator, em parte, pois concedia indenização mais ampla (Súmula 403), a ser arbitrada em liquidação.

Acórdão

A Turma, por unanimidade, deu provimento ao recurso, fixando a indenização em R$30.000,00 (trinta mil reais), atualizados a partir desta data e juros a contar da data do fato - 23/01/2002. Vencido, em parte, o relator, que condenava também ao ressarcimento do dano moral. Lavrará o acórdão o próprio Relator. Os Srs. Ministros Raul Araújo, Maria Isabel Gallotti, Aldir Passarinho Junior e João Otávio de Noronha votaram com o Sr. Ministro Relator. Dr (a). PAULO CEZAR PINHEIRO CARNEIRO FILHO, pela parte RECORRENTE: DANIELLE WINITSKOWSKI DE AZEVEDO Dr (a). LUCIANO BRASILEIRO DE OLIVEIRA, pela parte RECORRIDA: GRUPO DE COMUNICAÇÃO TRÊS S/A

Veja

    • STJ -

Referências Legislativas

Sucessivo

  • EDcl no REsp 1200482 RJ 2010/0113117-0 Decisão:26/04/2011
Disponível em: https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/19128038/recurso-especial-resp-1200482-rj-2010-0113117-0-stj

Informações relacionadas

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 21 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - RECURSO ESPECIAL: REsp XXXXX RJ 2000/XXXXX-4

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 8 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - RECURSO ESPECIAL: REsp XXXXX DF 2010/XXXXX-2

Tribunal de Justiça de Minas Gerais
Jurisprudênciahá 6 meses

Tribunal de Justiça de Minas Gerais TJ-MG - Apelação Cível: AC XXXXX-72.2014.8.13.0515 Piumhi

Jurisprudênciahá 3 anos

Tribunal de Justiça do Amapá TJ-AP - RECURSO INOMINADO: RI XXXXX-82.2018.8.03.0006 AP

Superior Tribunal de Justiça
Notíciashá 22 anos

Maitê Proença ganha no STJ direito a indenização por danos morais