jusbrasil.com.br
3 de Julho de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Superior Tribunal de Justiça
há 7 anos

Detalhes da Jurisprudência

Órgão Julgador

S2 - SEGUNDA SEÇÃO

Publicação

DJe 15/06/2015

Julgamento

27 de Maio de 2015

Relator

Ministro MARCO AURÉLIO BELLIZZE

Documentos anexos

Certidão de JulgamentoSTJ_AGRG-AR_5526_7d94b.pdf
Relatório e VotoSTJ_AGRG-AR_5526_1357a.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Relatório e Voto

Superior Tribunal de Justiça
Revista Eletrônica de Jurisprudência
  AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº (9/-) AgRg na AÇÃO RESCISÓRIA Nº 5.526 - MS (2014⁄0339044-1)  

 

RELATÓRIO

 

O SENHOR MINISTRO MARCO AURÉLIO BELLIZZE:

O caso ora examinado pode ser assim delineado: Ari de Oliveira Silva ingressou com pedido de cumprimento de sentença contra Brasil Telecom S.A. (atualmente Oi S.A.), tendo por objeto decisão proferida nos autos de ação coletiva movida pelo Ministério Público do Estado de Mato Grosso do Sul, em que a executada, na qualidade de sucessora de Telecomunicações de Mato Grosso do Sul                S.A. - TELEMS, foi condenada a retribuir, sob a forma de ações, "os valores efetivamente pagos a título de participação financeira, em benefício dos 5.000 (cinco mil) promitentes-assinantes, incluídos na terceira fase do Programa Comunitário de Telefonia".

Após rejeitada sua impugnação à execução, Brasil Telecom S.A. peticionou solicitando o reconhecimento da prescrição da pretensão executória, invocando, para tanto, precedente do Superior Tribunal de Justiça.

A alegação de prescrição não foi acolhida pelo Magistrado de primeiro grau, o que levou a executada a interpor agravo de instrumento, ao qual foi dado provimento pela Terceira Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul.

Em seguida à rejeição de seus embargos de declaração, o exequente interpôs recurso especial, que não foi admitido.

Ainda inconformado, o exequente apresentou agravo em recurso especial (AREsp n. 281.572⁄MS), que foi distribuído ao Ministro Antônio Carlos Ferreira.

Por decisão publicada em 5⁄3⁄2013, S. Exa. conheceu do agravo para negar provimento ao recurso especial, e a razão foi esta:

  O prazo prescricional para o ajuizamento de execução individual de sentença proferida em ação civil pública é quinquenal, em conformidade com a orientação jurisprudencial cristalizada na Súmula n. 150⁄STF: "Prescreve a execução no mesmo prazo de prescrição da ação". [...] No caso concreto, o acórdão recorrido encontra-se em consonância com o entendimento desta Corte, razão pela qual não há falar em violação da lei federal.  

Confirmando o entendimento aplicado ao caso pelo Ministro Relator, a Quarta Turma negou provimento ao agravo regimental interposto pelo exequente. O julgado recebeu esta ementa:

  PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL. AÇÃO CIVIL PÚBLICA. EXECUÇÃO INDIVIDUAL DE SENTENÇA. PRESCRIÇÃO QUINQUENAL. PRECEDENTES. 1. Consoante a Lei de Ação Popular (Lei n. 4.717⁄1965), o prazo para as ações coletivas é de cinco anos. Referido prazo também se aplica para a execução da sentença coletiva (Súmula n. 150⁄STF), cujo termo inicial é o trânsito em julgado da sentença. 2. Agravo regimental desprovido.

 

Referido acórdão transitou em julgado aos 6⁄5⁄2013.

Em 16⁄12⁄2014, o exequente ajuizou a presente ação rescisória, indicando, como fundamento, o art. 485, V, do Código de Processo Civil.

Segundo o autor, a Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça, ao negar provimento ao AgRg no AREsp n. 281.572⁄MS, teria violado, em sua literalidade, os arts. 5º, LX, da Constituição Federal, e 91, 94, 96 (vetado), 97, 98 e 100 do Código de Defesa do Consumidor, "visto que a prescrição para o cumprimento da sentença no caso dos autos não se inicia do trânsito em julgado da ação civil pública, mas da comunicação específica dos consumidores nesse sentido, seja por edital, seja por outro meio de comunicação em massa, o que não ocorreu no presente caso".

Nessa linha de argumentação, defendeu que "se não houve a ciência das vítimas ou dos seus sucessores sobre o trânsito em julgado de sentença condenatória proferida em ação coletiva para a defesa de interesse individual homogêneo, não havia iniciado o prazo prescricional para o cumprimento dessa sentença, o que afasta qualquer alegação sobre a prescrição executória".

Após examinar atentamente as alegações do autor, concluí que o caso era de indeferimento da petição inicial da rescisória. Nesse sentido, proferi a decisão de fls. 65-69 (e-STJ).

Inconformado, o autor interpôs o presente agravo regimental sob o argumento de que "resta claro [o] debate no acórdão rescindendo acerca do tema invocado pela rescisória intentada, onde fora erroneamente fixado o início do prazo prescricional a partir do trânsito em julgado da sentença coletiva bem como o seu prazo prescricional em 05 anos".

Asseverou, ademais, que o acórdão rescindendo "divergiu ainda que implicitamente dos ditames legais ventilados na ação rescisória, violando claro dispositivo de lei que assegura aos consumidores o início do prazo prescricional a partir da sua intimação da sentença coletiva mediante veículo de comunicação em massa".

É o relatório.

AgRg na AÇÃO RESCISÓRIA Nº 5.526 - MS (2014⁄0339044-1)  

 

VOTO

 

O SENHOR MINISTRO MARCO AURÉLIO BELLIZZE (RELATOR):

Após examinar com atenção as alegações feitas no agravo regimental, convenci-me do acerto do indeferimento da petição inicial da ação rescisória.

Conforme salientado na decisão agravada, o autor deixou suficientemente claro que não se insurge, por meio da ação rescisória, contra o entendimento adotado pelo acórdão rescindendo acerca do prazo prescricional aplicável à pretensão executória. Na verdade, as alegações formuladas na rescisória dizem respeito, unicamente, ao termo inicial do prazo prescricional.

Ao julgar o AgRg no AREsp n. 281.572⁄MS, a Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça limitou-se a afirmar que é de 5 (cinco) anos o prazo prescricional aplicável à pretensão de execução de sentença proferida em ação coletiva, e que esse prazo é contado do trânsito em julgado do título judicial, sendo desimportante, para a configuração da prescrição, o fato de a sentença da ação coletiva necessitar de liquidação.

Do que se depreende da leitura do acórdão rescindendo, não houve, por parte do referido órgão fracionário, nenhum pronunciamento sobre a necessidade de comunicação prévia aos potenciais beneficiários da sentença proferida na ação coletiva, nem sobre a pretextada consequência, sobre a contagem do prazo prescricional das execuções individuais, da circunstância de não ter havido tal comunicação.

E a razão de a Quarta Turma não ter emitido juízo acerca dessa questão repousa no fato de o exequente não haver levantado essa discussão em nenhuma das várias oportunidades que teve para fazê-lo nos autos da execução.

Ao contraminutar as alegações feitas pela Brasil Telecom no agravo de instrumento interposto contra a decisão de primeiro grau que rejeitou a alegação de prescrição, o exequente limitou-se a aduzir, quanto ao termo inicial da prescrição, que deveria ser considerada a data – 4⁄10⁄2011 – em que proferida a decisão que, no seu modo de ver, tornou líquida a sentença da ação coletiva, viabilizando, assim, as execuções individuais.

Essa alegação foi refutada pela Corte estadual nos seguintes termos:

  Cumpre ressaltar também que, ainda que a sentença proferida na ação civil pública necessitasse de liquidação, mesmo assim teria ocorrido a prescrição, pois a parte agravada apenas manifestou-se nos autos após 05 anos da data do trânsito em julgado da sentença, ou seja, a destempo.

 

Em seguida, nos embargos de declaração que opôs ao acórdão do agravo de instrumento, o exequente, sob o pretexto de que o Tribunal de Justiça teria incorrido em omissão, insistiu na alegação de iliquidez da sentença da ação coletiva. Referidos embargos foram rejeitados.

No recurso especial, o exequente alegou, preliminarmente, a violação do art. 535 do Código de Processo Civil. A propósito das consequências da falta de liquidez do título judicial na contagem do prazo prescricional da execução, apontou como violados os arts. 21 da Lei n. 4.717⁄1965, 189 e 190 do Código Civil de 2002, e 269, IV, do Código de Processo Civil.

O exequente reiterou essa argumentação nas razões de agravo em recurso especial e no agravo regimental interposto contra a decisão monocrática proferida pelo Ministro Antonio Carlos Ferreira.

Tal como configurado o caso, ocorreu-me que, na linha do entendimento que atualmente predomina nesta Corte, "a violação a dispositivo de lei que propicia o manejo da ação rescisória fundada no art. 485, V do Código de Processo Civil pressupõe que a norma legal tenha sido ofendida em sua literalidade pela decisão rescindenda". Daí que, "não havendo qualquer pronunciamento na decisão que se pretende desconstituir acerca da questão tida como violada – por falta de alegação oportuna em qualquer momento – mostra-se inviável o pleito com base em suposta violação a disposição de lei" (AR n. 1.188⁄PB, Relator o Ministro Gilson Dipp, DJe 11⁄10⁄2004).

Nesse sentido:

  PROCESSUAL CIVIL. RECURSO ESPECIAL. AÇÃO RESCISÓRIA. OFENSA A LITERAL DISPOSIÇÃO DE LEI. MATÉRIA NÃO APRECIADA PELA DECISÃO RESCINDENDA. ILEGITIMIDADE PASSIVA AD CAUSAM. ARTIGO 485, V, DO CPC. - A violação literal a dispositivo de lei que desafia a abertura da ação rescisória fundada no artigo 485, V, da lei processual civil, pressupõe que a norma legal tenha sido infringida em sua literalidade pela decisão rescindenda. - Na hipótese em que a decisão rescindenda não emitiu qualquer pronunciamento exegético quanto a questão tida como violada, por falta de alegação oportuna em qualquer momento ou grau de jurisdição, não se pode falar em violação a texto legal, susceptível de cabimento de ação rescisória. - Recurso especial não conhecido. (REsp n. 209.825⁄SP, Relator o Ministro Vicente Leal, DJ 12⁄6⁄2000)     DIREITO PROCESSUAL CIVIL. CITAÇÃO. DEMORA. PRESCRIÇÃO. SÚMULA 106⁄STJ. PROVIDÊNCIAS A CARGO DA PARTE E DA JUSTIÇA. PRORROGAÇÃO DO PRAZO. AÇÃO RESCISÓRIA. VIOLAÇÃO A LITERAL DISPOSIÇÃO DE LEI. CABIMENTO. [...] 4. Inexistindo pronunciamento na decisão rescindenda acerca da questão tida como violada – por falta de alegação oportuna em qualquer momento – mostra-se inviável o pedido de rescisão com base no art. 485, V, do CPC, fundado em suposta violação a disposição de lei. Precedentes. [...] 6. Recurso especial parcialmente provido. (REsp n. 1.128.929⁄PR, Relatora a Ministra Nancy Andrighi, DJe 6⁄10⁄2010)

 

Em suma, como a pretensão deduzida na petição inicial da presente rescisória é a de desconstituir o acórdão proferido pela Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça sob a alegação de violação a dispositivos legais cujo conteúdo, como demonstrado, não foi objeto de debate e decisão pelo referido órgão julgador, deve ser confirmada, a meu juízo, a decisão que concluiu pela inépcia da inicial.

Ante o exposto, nego provimento ao agravo regimental.

É como voto.


Documento: 48235593 RELATÓRIO E VOTO
Disponível em: https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/198592097/agravo-regimental-na-acao-rescisoria-agrg-na-ar-5526-ms-2014-0339044-1/relatorio-e-voto-198592133

Informações relacionadas

Supremo Tribunal Federal
Jurisprudênciahá 3 anos

Supremo Tribunal Federal STF - AG.REG. NA AÇÃO RESCISÓRIA: AgR AR 2690 DF - DISTRITO FEDERAL 007XXXX-44.2018.1.00.0000

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 7 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL: AgRg no AREsp 394829 SC 2013/0307461-3

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 8 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - RECURSO ESPECIAL: REsp 1311430 MG 2011/0256815-0

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciaano passado

Superior Tribunal de Justiça STJ - EMBARGOS DE DECLARAÇÃO NO AGRAVO INTERNO NO RECURSO ESPECIAL: EDcl no AgInt no REsp 1531387 PR 2015/0104589-2

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 5 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - AÇÃO RESCISÓRIA: AR 5008 RS 2012/0148092-3