jusbrasil.com.br
29 de Junho de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Superior Tribunal de Justiça
há 14 anos

Detalhes da Jurisprudência

Processo

REsp 672225 RS 2004/0118923-8

Órgão Julgador

T6 - SEXTA TURMA

Publicação

DJe 17/11/2008, DJe 17/11/2008

Julgamento

7 de Agosto de 2008

Relator

Ministra JANE SILVA (DESEMBARGADORA CONVOCADA DO TJ/MG)
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

RELATORA : MINISTRA JANE SILVA (DESEMBARGADORA CONVOCADA DO TJ/MG)
R.P/ACÓRDAO : MINISTRO NILSON NAVES
RECORRENTE : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL
RECORRIDO : ANGELA MARIA FONSECA DE MELLO
ADVOGADO : PAULO ODILON R DA SILVA
EMENTA
Apropriação indébita. Contribuições previdenciárias atrasadas (quitação). Numerário (recebimento). Auxílio-doença (requerimento). Não-apresentação (caso). Princípio da intervenção mínima (adoção).
1. A melhor das compreensões penais recomenda não seja mesmo o ordenamento jurídico penal destinado a questões pequenas coisas quase sem préstimo ou valor.
2. Antes, falou-se, a propósito, do princípio da adequação social; hoje, fala-se, a propósito, do princípio da intervenção mínima. Já foi escrito: "O direito penal é desnecessário quando se pode garantir a segurança e a paz jurídica através do direito civil, de uma proibição de direito administrativo ou de medidas preventivas extrajurídicas" (Roxin).
3. A conclusão é, portanto, a de que o fato descrito na denúncia apropriação de valores recebidos de segurado da Previdência Social para quitação de contribuições atrasadas, sem a posterior protocolização de pedido administrativo de auxílio-doença haverá de ter solução por outro ramo do Direito que não o Direito Penal.
4. Recurso especial do qual não se conheceu.
ACÓRDAO
Vistos, relatados e discutidos os autos em que são partes as acima indicadas, acordam os Ministros da SEXTA TURMA do Superior Tribunal de Justiça, prosseguindo no julgamento após o voto-vista do Sr. Ministro Nilson Naves, que não conheceu do recurso especial, seguido pelos votos do Sr. Ministro Paulo Galloti e da Sra. Ministra Maria Thereza de Assis Moura, e o voto do Sr. Ministro Og Fernandes, que acompanhou a Relatora, por maioria, não conhecer do recurso especial nos termos do voto do Sr. Ministro Nilson Naves, que lavrará o acórdão. Vencida a Sra. Ministra Relatora, bem como o Sr. Ministro Og Fernandes. Votaram com o Sr. Ministro Nilson Naves os Srs. Ministros Paulo Gallotti e a Sra. Ministra Maria Thereza de Assis Moura.
Presidiu o julgamento o Sr. Ministro Nilson Naves.
Brasília, 7 de agosto de 2008 (data do julgamento).
Ministro Nilson Naves
Relator

Documento: 4286290 EMENTA / ACORDÃO - DJ: 17/11/2008
Disponível em: https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/2052178/recurso-especial-resp-672225/inteiro-teor-12230337

Informações relacionadas

Superior Tribunal de Justiça STJ - HABEAS CORPUS: HC 189392 RS 2010/0202636-3

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 7 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL: AREsp 672225 RS 2015/0047141-3

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 4 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - RECURSO ESPECIAL: REsp 1490177 RS 2014/0272537-6

Superior Tribunal de Justiça STJ - HABEAS CORPUS: HC 197601 RJ 2011/0033025-0

Escola Brasileira de Direito, Professor
Artigoshá 4 anos

Qual a diferença entre falsidade material, falsidade ideológica e falsidade pessoal?