jusbrasil.com.br
5 de Julho de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Superior Tribunal de Justiça STJ - RECURSO ESPECIAL: REsp 982492 SP 2007/0206824-7

Superior Tribunal de Justiça
há 11 anos

Detalhes da Jurisprudência

Processo

REsp 982492 SP 2007/0206824-7

Órgão Julgador

T4 - QUARTA TURMA

Publicação

DJe 17/10/2011

Julgamento

27 de Setembro de 2011

Relator

Ministro LUIS FELIPE SALOMÃO

Documentos anexos

Inteiro TeorRESP_982492_SP_1327019835219.pdf
Certidão de JulgamentoRESP_982492_SP_1327019835221.pdf
Relatório e VotoRESP_982492_SP_1327019835220.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Ementa

DIREITO CIVIL. RECURSO ESPECIAL. SEGURO DE TRANSPORTE DE MERCADORIA.FATOS OCORRIDOS ANTES DA VIGÊNCIA DO CÓDIGO CIVIL DE 2002, QUEPASSOU A REGULAR O TRANSPORTE DE PESSOAS E COISAS. SINISTRO.INDENIZAÇÃO. SUB-ROGAÇÃO. SEGURADORA ASSUME A POSIÇÃO DA SEGURADA.RELAÇÃO MERCANTIL. INAPLICABILIDADE DAS REGRAS DO CDC.

1. A seguradora, arcando com a indenização securitária, estásub-rogada nos direitos de sua segurada, podendo, dentro do prazoprescricional aplicável à relação jurídica entabulada por esta,buscar o ressarcimento do que despendeu, nos mesmos termos e limitesque assistiam à segurada.
2. No entanto, a relação jurídica existente entre a segurada e atransportadora ostenta nítido caráter mercantil, não podendo, emregra, ser aplicada as normas inerentes às relações de consumo,pois, segundo apurado pela instância ordinária, "o segurado utilizoua prestação de serviço da ré transportadora como insumo dentro doprocesso de transformação, comercialização ou na prestação deserviços a terceiros; não se coadunando, portanto, com o conceito deconsumidor propriamente dito, mas sim pretendendo a exploração daatividade econômica visando a obtenção do lucro".
3. O Código Civil de 2002 regula o contrato de transporte depessoas e coisas nos artigos 730 a 756. No entanto, a referidarelação jurídica era anteriormente regulada pelo Decreto-Lei2.681/1912, aplicando-se a prescrição ânua, conforme dispunha o art9º do mencionado Diploma. Precedentes do STF e desta Corte.
4. Recurso especial não conhecido.

Acórdão

A Turma, por unanimidade, não conheceu do recurso especial, nos termos do voto do Sr. Ministro Relator.Os Srs. Ministros Raul Araújo, Maria Isabel Gallotti, Antonio Carlos Ferreira e Março Buzzi votaram com o Sr. Ministro Relator.

Veja

  • SEGURADORA - DIREITO DE SUB-ROGAÇÃO
    • STJ -

Referências Legislativas

Disponível em: https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/21067190/recurso-especial-resp-982492-sp-2007-0206824-7-stj

Informações relacionadas

Tribunal de Justiça do Paraná
Jurisprudênciahá 5 anos

Tribunal de Justiça do Paraná TJ-PR - Apelação: APL 17017484 PR 1701748-4 (Acórdão)

Tribunal de Justiça de Santa Catarina
Jurisprudênciahá 2 anos

Tribunal de Justiça de Santa Catarina TJ-SC - Apelação Cível: AC 030XXXX-72.2016.8.24.0072 Tijucas 030XXXX-72.2016.8.24.0072

Tribunal de Justiça do Paraná
Jurisprudênciahá 4 anos

Tribunal de Justiça do Paraná TJ-PR - Apelação: APL 17238921 PR 1723892-1 (Acórdão)

Tribunal de Justiça de Minas Gerais
Jurisprudênciahá 6 anos

Tribunal de Justiça de Minas Gerais TJ-MG - Apelação Criminal: APR 000XXXX-47.2012.8.13.0440 MG

Tribunal de Justiça de Minas Gerais
Jurisprudênciahá 3 anos

Tribunal de Justiça de Minas Gerais TJ-MG - Apelação Criminal: APR 10024141699405001 MG