jusbrasil.com.br
28 de Junho de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Superior Tribunal de Justiça
há 10 anos

Detalhes da Jurisprudência

Processo

REsp 1186225 RS 2010/0050927-5

Órgão Julgador

T3 - TERCEIRA TURMA

Publicação

DJe 13/09/2012

Julgamento

4 de Setembro de 2012

Relator

Ministro MASSAMI UYEDA
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

RELATOR : MINISTRO MASSAMI UYEDA
RECORRENTE : ALINA MARIA DOS SANTOS REIS
ADVOGADO : AIRTON BARBOSA DE ALMEIDA E OUTRO (S)
RECORRIDO : JAIME FEDRIZZI
ADVOGADO : SEBASTIAO LEITE AMARAL E OUTRO (S)

EMENTA

RECURSO ESPECIAL - EXECUÇAO - AÇAO REPARATÓRIA POR ATO ILÍCITO - ACIDENTE DE TRÂNSITO - PENSAO ALIMENTÍCIA - BEM IMÓVEL - PENHORABILIDADE - POSSIBILIDADE - INAPLICABILIDADE DA LEI N. 8.009/90 - RECURSO ESPECIAL PROVIDO. I - A pensão alimentícia é prevista no artigo 3.º, inciso III, da Lei n. 8.009/90, como hipótese de exceção à impenhorabilidade do bem de família. E tal dispositivo não faz qualquer distinção quanto à causa dos alimentos, se decorrente de vínculo familiar ou de obrigação de reparar danos. II - Na espécie, foi imposta pensão alimentícia em razão da prática de ato ilícito - acidente de trânsito - ensejando-se o reconhecimento de que a impenhorabilidade do bem de família não é oponível à credora da pensão alimentícia. Precedente da Segunda Seção.
III - Recurso especial provido.

ACÓRDAO

Vistos, relatados e discutidos os autos em que são partes as acima indicadas, acordam os Ministros da TERCEIRA TURMA do Superior Tribunal de Justiça, na conformidade dos votos e das notas taquigráficas a seguir, por unanimidade, dar provimento ao recurso especial, nos termos do voto do (a) Sr (a) Ministro (a) Relator (a). Os Srs. Ministros Sidnei Beneti, Paulo de Tarso Sanseverino, Ricardo Villas Bôas Cueva e Nancy Andrighi votaram com o Sr. Ministro Relator.

Brasília, 04 de setembro de 2012 (data do julgamento)

MINISTRO MASSAMI UYEDA

Relator

RELATOR : MINISTRO MASSAMI UYEDA
RECORRENTE : ALINA MARIA DOS SANTOS REIS
ADVOGADO : AIRTON BARBOSA DE ALMEIDA E OUTRO (S)
RECORRIDO : JAIME FEDRIZZI
ADVOGADO : SEBASTIAO LEITE AMARAL E OUTRO (S)

RELATÓRIO

O EXMO. SR. MINISTRO MASSAMI UYEDA (Relator):

Cuida-se de recurso especial interposto por ALINA MARIA DOS SANTOS REIS, fundamentado no artigo 105, inciso III, alíneas a e c, do permissivo constitucional, em que se alega violação do artigo , inciso III, da Lei n. 8.009/90, bem como divergência jurisprudencial.

Os elementos existentes nos presentes autos noticiam que, em resumo, a ora recorrente, ALINA MARIA DOS SANTOS REIS, ajuizou, em face do ora recorrido, JAIME FEDRIZZI, ação indenizatória ao fundamento que seu filho, MÁRCIO EVERALDO DOS SANTOS REIS, envolveu-se em acidente de trânsito com o recorrido, JAIME, resultando na morte daquele. Nesse contexto, a ora recorrente, ALINA MARIA DOS SANTOS REIS, afirmou que, para a ocorrência do evento danoso o recorrido, JAIME agiu com culpa, na modalidade imprudência. Afirmou, ainda, que seu filho lhe prestava assistência. Dessa forma, pediu a procedência do pedido e, por conseguinte, a condenação do recorrido, JAIME, ao pagamento de pensão alimentícia, no importe de 2/3 (dois terços) do salário da vítima, bem como reparação por danos materiais (fls. 2/15 e-STJ).

Devidamente citado, o recorrido, JAIME, apresentou defesa, na forma de contestação. Em linhas gerais, sustentou que, no momento do acidente, o local apresentava pouca visibilidade para o motorista. Assim, alegou que não agiu com culpa para ocorrência do evento danoso. Outrossim, asseverou que a vítima não exercia atividade remunerada. E, ao final, pediu a improcedência dos pedidos (fls. 41/51 e-STJ).

O r. Juízo da 4ª Vara Cível da Comarca de Caxias do Sul/RS, julgou parcialmente procedente o pedido inicial. Dentre seus fundamentos, é possível destacar, in verbis: "(...) Diante do contexto fático, onde não há grande precisão, os testemunhos, somados ao óbito do filho da autora e à circunstância de não ter o réu conseguido evitar o choque é prudente o reconhecimento de culpa concorrente no caso em tela, sendo metade atribuída a cada parte." Sendo assim, entendeu por bem julgar "(...) PARCIALMENTE PROCEDENTE o pedido ajuizado por ALINA MARIA DOS SANTOS REIS contra Jaime Fedrizzi para, em consequência, condená-lo ao pagamento à autora do valor de R$ 2.173,14, referente a metade do orçamento para o conserto da motocicleta, corrigidos pelo IGP-M a partir de 15/07/2003, ao pagamento de uma pensão mensal correspondente a 1/3 do valor de R$ 330,00, incluindo gratificação natalina, desde a data do evento danoso até a data em que a vítima completaria 70 anos" (fls. 50/57 e-STJ).

Consta dos presentes autos que tal decisum transitou em julgado.

Proposta execução de sentença, a ora recorrente, ALINA MARIA DOS SANTOS REIS, indicou à penhora bem imóvel de propriedade do ora recorrido, JAIME FEDRIZZI. (fls. 80/81). O r. Juízo a quo deferiu o pedido de penhora de 50% (cinquenta por cento) do bem imóvel, tendo em conta a meação do cônjuge (fl. 84 e-STJ).

Irresignado, o ora recorrido, JAIME FEDRIZZI interpôs Agravo de Instrumento. Em suas razões, alegou, resumidamente, que o bem imóvel indicado e penhorado pelo r. Juízo a quo constitui bem de família, nos termos da Lei n. 8.009/90. Pediu, assim, o provimento do recurso e, em consequência, o afastamento da penhora ao imóvel (fls. 2/15 e-STJ).

Distribuído o feito ao eminente Desembargador Relator Orlando Heemann Júnior, este, por sua vez, entendeu por bem, por meio de decisão monocrática, dar provimento ao recurso interposto por JAIME FEDRIZZI e, por conseguinte, determinar a desconstituição da penhora sobre o imóvel (fls. 89/91 e-STJ).

Inconformada, a ora recorrente, ALINA MARIA DOS SANTOS REIS, interpôs agravo regimental, momento em que pleiteou a penhora de bem imóvel (fls. 101/109 e-STJ) Contudo, a egrégia Décima Segunda Câmara Cível, negou-lhe provimento. A ementa, por oportuno, está assim redigida:

"AGRAVO INTERNO EM AGRAVO DE INSTRUMENTO LIMINARMENTE PROVIDO. CUMPRIMENTO DE SENTENÇA DERIVADA DE ACIDENTE DE TRÂNSITO. IMPENHORABILIDADE DE IMÓVEL RESIDENCIAL.

1. Impõe-se ratificar a decisão que deu provimento liminar ao agravo de instrumento do executado, para desconstituir penhora sobre imóvel residencial.

2. As exceções previstas na Lei 8.009/90, por excluírem da proteção o imóvel residencial, devem ser interpretadas restritivamente. Assim, por credor de pensão alimentícia (art. 3º, III, da Lei 8.009/90) deve-se entender apenas aquele que tem direito à prestação alimentar em razão de vínculos familiares, não o que faz jus a pensionamento decorrente de condenação por ato ilícito.

Agravo interno improvido, por maioria." (fl. 113 e-STJ).

Nas razões do especial, a recorrente, ALINA MARIA DOS SANTOS REIS, sustenta, em resumo, que "(...) a impenhorabilidade do bem de família é inoponível aos casos de pagamento de pensão alimentícia decorrente de ato ilícito." Além disso, assevera que a "(...) regra constante no ar3º 3º 3º, III, da Le8.009090909/90 não se restringe apenas às verbas alimentares em decorrência de vínculo parental." Disse, ao final, que "(...) é penhorável o único imóvel do casal ou da entidade familiar, quando presente o dever de prestar alimentos." (fls. 128/142 e-STJ).

Devidamente intimado, JAIME FEDRIZZI, apresentou contrarrazões (fls. 177/188 e-STJ), oportunidade em que pugnou pela manutenção integral do v. acórdão recorrido.

Às fls. 219/223 e-STJ, sobreveio juízo positivo de admissibilidade recursal, momento em que os presentes autos ascenderam ao Superior Tribunal de Justiça.

É o relatório.

RECURSO ESPECIAL Nº- RS (2010/0050927-5)

EMENTA

RECURSO ESPECIAL - EXECUÇAO - AÇAO REPARATÓRIA POR ATO ILÍCITO - ACIDENTE DE TRÂNSITO - PENSAO ALIMENTÍCIA - BEM IMÓVEL - PENHORABILIDADE - POSSIBILIDADE - INAPLICABILIDADE DA LEI N. 8.009/90 - RECURSO ESPECIAL PROVIDO. I - A pensão alimentícia é prevista no artigo 3.º, inciso III, da Lei n. 8.009/90, como hipótese de exceção à impenhorabilidade do bem de família. E tal dispositivo não faz qualquer distinção quanto à causa dos alimentos, se decorrente de vínculo familiar ou de obrigação de reparar danos. II - Na espécie, foi imposta pensão alimentícia em razão da prática de ato ilícito - acidente de trânsito - ensejando-se o reconhecimento de que a impenhorabilidade do bem de família não é oponível à credora da pensão alimentícia. Precedente da Segunda Seção.
III - Recurso especial provido.

VOTO

O EXMO. SR. MINISTRO MASSAMI UYEDA:

A irresignação merece prosperar.

Com efeito.

Resumidamente, proposta execução de título executivo judicial, indicou-se à penhora bem imóvel residencial. O executado, inconformado, interpôs agravo de instrumento ao fundamento de o imóvel constitui bem de família e, portanto, impenhorável. O egrégio Tribunal de origem, anuiu tal entendimento e deu provimento ao agravo de instrumento. Daí a interposição do presente recurso especial em que se alega que a natureza da execução é alimentícia e, nesse contexto, a Lei n. 8.009/90, não lhe alcança, ensejando-se, portanto, a penhora do bem imóvel.

É certo que a Lei n. 8.009/90, ao instituir o bem de família, procurou por a salvo determinados bens que compõe o acervo necessário para a sobrevivência mínima da entidade familiar, sendo que, é certo, referida legislação, apesar de seu caráter protetivo, apresenta rol de exceções a fim de evitar que, em determinadas situações, o devedor, sob o manto da lei, possa evitar o adimplemento e deixar insatisfeita certa obrigação cujo caráter seria de maior relevância, como por exemplo, a prestação de pensão alimentícia.

Nesse contexto, dispõe o artigo art. , inciso III, da Lei 8.009/90 que:

“Art. 3º A impenhorabilidade é oponível em qualquer processo de execução civil, fiscal, previdenciária, trabalhista ou de outra natureza, salvo se movido:

(...) III - pelo credor de pensão alimentícia”

Observa-se, portanto, que a pensão alimentícia é prevista expressamente no artigo3ºº, inciso III, da Lei n.8.0099/90, como hipótese de exceção à impenhorabilidade do bem de família. E tal dispositivo não faz qualquer distinção quanto à causa dos alimentos, se decorrente de vínculo familiar ou de obrigação de reparar danos.

Na espécie, foi imposta pensão alimentícia em razão da prática de ato ilícito - acidente de trânsito - ensejando-se, por conseguinte, o reconhecimento de que a impenhorabilidade do bem de família não é oponível à recorrente, ALINA MARIA DOS SANTOS REIS, credora da prestação alimentar. Nesse sentido, registra-se:

"DIREITO PROCESSUAL CIVIL. BEM DE FAMÍLIA. OBRIGAÇAO ALIMENTÍCIA DECORRENTE DE ATO ILÍCITO. EXCEÇAO À IMPENHORABILIDADE.

1.- A impenhorabilidade do bem de família prevista no artigo , III, da Lei 8.009/90 não pode ser oposta ao credor de pensão alimentícia decorrente de indenização por ato ilícito. Precedentes.

2.- Embargos de Divergência rejeitados”. (EResp 679.456/SP, Segunda Seção, Relator Sidnei Beneti, DJe 16/06/2011. E ainda: REsp 437144/RS, Rel. Min. Castro Filho, DJ de 10/11/2003).

Assim sendo, dá-se provimento ao recurso especial para restabelecer a penhora sobre o bem imóvel.

É o voto.

MINISTRO MASSAMI UYEDA

Relator

CERTIDAO DE JULGAMENTO
TERCEIRA TURMA
Número Registro: 2010/0050927-5
PROCESSO ELETRÔNICO
REsp 1186225 / RS
Números Origem: 1002318186 1002352557 1002480119 10500103308 10500105840 70032833170 70033348657 70034449264
PAUTA: 04/09/2012 JULGADO: 04/09/2012
Relator
Exmo. Sr. Ministro MASSAMI UYEDA
Presidente da Sessão
Exmo. Sr. Ministro PAULO DE TARSO SANSEVERINO
Subprocurador-Geral da República
Exmo. Sr. Dr. JOSÉ BONIFÁCIO BORGES DE ANDRADA
Secretária
Bela. MARIA AUXILIADORA RAMALHO DA ROCHA
AUTUAÇAO
RECORRENTE : ALINA MARIA DOS SANTOS REIS
ADVOGADO : AIRTON BARBOSA DE ALMEIDA E OUTRO (S)
RECORRIDO : JAIME FEDRIZZI
ADVOGADO : SEBASTIAO LEITE AMARAL E OUTRO (S)
ASSUNTO: DIREITO CIVIL - Responsabilidade Civil - Indenização por Dano Moral
CERTIDAO
Certifico que a egrégia TERCEIRA TURMA, ao apreciar o processo em epígrafe na sessão realizada nesta data, proferiu a seguinte decisão:
A Turma, por unanimidade, deu provimento ao recurso especial, nos termos do voto do (a) Sr (a) Ministro (a) Relator (a). Os Srs. Ministros Sidnei Beneti, Paulo de Tarso Sanseverino, Ricardo Villas Bôas Cueva e Nancy Andrighi votaram com o Sr. Ministro Relator.

Documento: 1175620 Inteiro Teor do Acórdão - DJe: 13/09/2012
Disponível em: https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/22399930/recurso-especial-resp-1186225-rs-2010-0050927-5-stj/inteiro-teor-22399931

Informações relacionadas

Tribunal de Justiça de Minas Gerais
Jurisprudênciaano passado

Tribunal de Justiça de Minas Gerais TJ-MG - Agravo de Instrumento-Cv: AI 513XXXX-74.2020.8.13.0000 MG

Modeloshá 8 anos

Modelo Ação de Execução de Alimentos

Vagner Luis B Cerqueira, Bacharel em Direito
Artigoshá 4 anos

Modelo de contrarrazões ao recurso especial - De acordo com o novo CPC.

Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul
Jurisprudênciahá 9 anos

Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul TJ-RS - Agravo de Instrumento: AI 70054601257 RS

Tribunal de Justiça de Santa Catarina
Jurisprudênciahá 9 anos

Tribunal de Justiça de Santa Catarina TJ-SC - Agravo de Instrumento: AI 20130206578 Balneário Camboriú 2013.020657-8