jusbrasil.com.br
24 de Setembro de 2021
2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Superior Tribunal de Justiça
há 8 anos
Detalhes da Jurisprudência
Processo
AgRg no REsp 1219381 DF 2010/0204331-4
Órgão Julgador
T6 - SEXTA TURMA
Publicação
DJe 14/05/2013
Julgamento
7 de Maio de 2013
Relator
Ministra MARIA THEREZA DE ASSIS MOURA
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Relatório e Voto

RELATORA : MINISTRA MARIA THEREZA DE ASSIS MOURA
AGRAVANTE : MAICK DA SILVA
ADVOGADO : CARLO LORENZO GUEDES FIDELIS (ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA)
AGRAVADO : MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS
RELATÓRIO
Ministra MARIA THEREZA DE ASSIS MOURA (Relatora):
Trata-se de agravo regimental interposto por MAICK DA SILVA, contra decisão monocrática, de minha relatoria, que deu provimento ao recurso especial interposto pelo Ministério Público, nos seguintes termos:
RECURSO ESPECIAL. PENAL E PROCESSO PENAL. ROUBO E EXTORSAO. DELITOS AUTÔNOMOS. CONCURSO MATERIAL. RECURSO ESPECIAL PROVIDO.
Sustenta o recorrente às fls. 665/669 que "é possível verificar que a conduta se coaduna com aquela prevista no artigo 158, do Código Penal (seqüestro-relâmpago), em razão da própria restrição da liberdade ter sido utilizada como meio a garantir a obtenção da vantagem, neste caso, a senha do cartão da vítima e demais bens que lhe foram subtraídos. Conforme Guilherme de Souza Nucci, o seqüestro relâmpago será caracterizado quando o agente mantiver a vítima por tempo superior ao necessário para garantir a subtração planejada, o que efetivamente ocorreu no caso em tela, diante das reiteradas tentativas, frustradas, de sacar dinheiro da conta da vítima"
Alega, outrossim, que"é sabido que o concurso formal ocorre quando o agente, com apenas uma conduta, consegue realizar dois ou mais crimes, conforme dispõe o art. 70 do Código Penal. No caso, veja-se os réus praticaram (i) uma conduta , qual seja rondar com a vítima com a única finalidade de subtrair bens e (ii) dois ou mais crimes , quais sejam roubo e tentativa de extorsão. Veja-se que os réus não conseguiram sacar o dinheiro do caixa eletrônico - fato incontroverso- o que motivou a prática de vários outros atos tendentes a retirar o máximo de proveito daquela conduta, portanto, nota-se que a intenção era tão somente subtrair bens materiais e não extorquir a vítima, ou melhor "subtrair do patrimônio da vítima a maior quantidade possível dos bens que trazia consigo, exigindo-lhe, como esse desiderato, o fornecimento da senha bancária, como conseqüência natural do iter criminis "(acórdão recorrido)"
Salienta, ainda, que"nos crimes de roubo coletivo, em que existem várias vítimas, o Superior Tribunal de Justiça entende que a aplicação do concurso formal para resguardar o princípio da proporcionalidade da pena, de modo a sancionar de maneira adequada e suficiente a conduta delituosa, evitando exageros. Desse modo, verifica-se que deve se aplicar o concurso formal, uma vez que com uma conduta os agentes praticaram dois tipos penais, conforme art. 70 do Código Penal e o principio da proporcionalidade da pena, que deve nortear o Tribunal da Cidadania."
Assim sendo, pugna"pelo conhecimento e provimento do presente agravo regimental para que seja desprovido o recurso especial do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios, haja vista que houve concurso formal e não material no caso concreto ou o reconhecimento do cometimento de crime único."
É o relatório.
EMENTA
AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL. PENAL E PROCESSO PENAL. ROUBO E EXTORSAO. DELITOS AUTÔNOMOS. CONCURSO MATERIAL. AGRAVO REGIMENTAL A QUE SE NEGA PROVIMENTO.
1. A conduta do réu nestes autos deve se ter como bipartida: uma voltada para a subtração de coisa móvel (núcleo do roubo), em que o agente leva consigo o objeto; outra voltada à exigência de um fazer entrega de senha (núcleo da extorsão), em que o agente nada leva a não ser informação.
2. Diante da existência de duas condutas com desígnios diversos, necessário se faz a incriminação do tipo da extorsão em concurso material com o roubo.
3. Agravo regimental desprovido.
VOTO
Ministra MARIA THEREZA DE ASSIS MOURA (Relatora):
A insurgência não merece prosperar. Com efeito, conforme explicitado na decisão agravada, a conduta do réu nestes autos deve se ter como bipartida: uma voltada para a subtração de coisa móvel (núcleo do roubo), em que o agente leva consigo o objeto; outra voltada à exigência de um fazer entrega de senha (núcleo da extorsão), em que o agente nada leva a não ser informação.
Observado, então, que jamais o “fazer” pode assumir o núcleo “subtrair”, penso, por consequência, que as condutas devam ser tomadas de forma autônomas e independentes.
Uma coisa é, através da violência ou grave ameaça, subtrair e levar consigo bens palpáveis. Outra totalmente diversa é, pela mesma ameaça, exigir-se algo que não tem representação material, como a senha de cartões bancários.
Veja-se que a senha é entregue não como coisa, mas como dado que será utilizado para a construção de outra conduta do agente que pode ser: um saque eletrônico; uma transferência; um pagamento; a tomada de empréstimo; enfim, uma operação no mundo virtual absolutamente diversa da ação já realizada de obrigar fazer. Uma, aliás, não interfere na outra, porque, como dito, o mero conhecimento da senha não pressupõe um fim específico, mas inúmeros usos dentro do ambiente eletrônico da instituição financeira.
Reafirme-se: com a conduta de conhecer a senha o agente não visa, necessariamente, retirar da vítima uma coisa móvel propriamente.
Daí a existência de duas condutas com desígnios diversos, o que recomenda a incriminação do tipo da extorsão, conforme previsão do art. 158 do CP, em concurso material com o roubo.
Nesse sentido, colhem-se os seguintes julgados da Quinta e da Sexta Turma deste Superior Tribunal de Justiça:
HABEAS CORPUS. ROUBO E EXTORSAO. CONCURSO MATERIAL. CONSUNÇAO. NAO OCORRÊNCIA. DELITOS AUTÔNOMOS. CONSTRANGIMENTO ILEGAL NAO CONFIGURADO. ORDEM DENEGADA.
1. Na linha de precedentes desta Corte e do Supremo Tribunal Federal, configuram-se os crimes de roubo e extorsão, em concurso material, quando o agente, por meio de mais de uma ação, pratica os núcleos dos verbos dos dois tipos penais.
2. No caso, após a subtração, mediante grave ameaça, do veículo e de quantia em dinheiro da vítima, o paciente constrangeu-a a dizer-lhe a senha de seu cartão de crédito/débito e o conduziu a um caixa eletrônico para efetuar saque em sua conta-corrente.
(...)
(HC 182.477/DF, Rel. Ministro JORGE MUSSI, QUINTA TURMA, julgado em 07/08/2012, DJe 20/08/2012)
RECURSO ESPECIAL. ROUBO E EXTORSAO. CONCURSO MATERIAL DE CRIMES. OCORRÊNCIA. RECURSO PROVIDO.
1. "Crimes de roubo e de extorsão - Ilícitos penais que não constituem "crimes da mesma espécie"- Consequente impossibilidade de reconhecimento, quanto a eles, do nexo de continuidade delitiva - legitimidade da aplicação da regra pertinente ao concurso material" (STF, HC-71.174/SP, Relator Ministro Celso de Mello, DJ de 1º.12.2006).
2. A conduta dos agentes que, na mesma circunstância fática, após subtraírem os pertences das vítimas, mediante grave ameaça, exigem a entrega do cartão bancário e senha para em seguida realizarem saque em conta-corrente, se amolda aos crimes de roubo e extorsão, de forma autônoma.
3. Conforme a jurisprudência desta Corte e do Supremo Tribunal Federal, em tais casos revela-se caracterizada a prática de ambos os delitos em concurso material, bem como entende-se afastada a tese da continuidade delitiva por não se tratar de crimes da mesma espécie.
4. Recurso especial a que se dá provimento, para reformando em parte o acórdão recorrido, reconhecer a ocorrência do concurso material de crimes e condenar o recorrido DANIEL ANTÔNIO PINTO definitivamente às penas de 11 (onze) anos, 6 (seis) meses e 20 (vinte) dias de reclusão e 25 (vinte e cinco) dias-multa pelos crimes previstos nos arts. 157, 2º, I, II (por duas vezes), e 158, 1º, c/c 69 todos do Código Penal, mantido, no mais, o acórdão impugnado.
(REsp 898.613/SP, Rel. Ministro OG FERNANDES, SEXTA TURMA, julgado em 15/09/2011, DJe 28/09/2011)
Tem-se, assim, que era mesmo de se dar provimento ao recurso especial porque a decisão recorrida está em manifesto confronto com a atual jurisprudência deste Superior Tribunal de Justiça.
Diante do exposto, nego provimento ao agravo regimental .
É como voto.

Documento: 28527225 RELATÓRIO, EMENTA E VOTO
Disponível em: https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/23291178/agravo-regimental-no-recurso-especial-agrg-no-resp-1219381-df-2010-0204331-4-stj/relatorio-e-voto-23291180

Informações relacionadas

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 11 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - HABEAS CORPUS : HC 0087965-29.2020.1.00.0000

HABEAS CORPUS Nº 182.477 - DF (2010/0151590-9) RELATOR : MINISTRO JORGE MUSSI IMPETRANTE : DEFENSORIA PÚBLICA DO DISTRITO FEDERAL ADVOGADO : RUY CRUVINEL FILHO - DEFENSOR PÚBLICO IMPETRADO : TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS PACIENTE : EDNALDO GOMES RIBEIRO DECISÃO Trata-se de habeas corpus com …
Supremo Tribunal Federal
Jurisprudênciahá 15 anos

Supremo Tribunal Federal STF - HABEAS CORPUS : HC 71174 SP

"HABEAS CORPUS" - ALEGAÇÃO DE ERRO NA OPERAÇÃO DE DOSIMETRIA PENAL - INOCORRÊNCIA - NEGATIVA DE AUTORIA DOS FATOS DELITUOSOS - IMPOSSIBILIDADE DO EXAME DE TAL MATÉRIA NA VIA SUMARÍSSIMA DO "HABEAS CORPUS" - CRIMES DE ROUBO E DE EXTORSÃO - ILÍCITOS PENAIS QUE NÃO CONSTITUEM "CRIMES DA MESMA ESPÉCIE" - CONSEQÜENTE …

Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios TJ-DF - APR : APR 0083713-25.2005.807.0001 DF 0083713-25.2005.807.0001

PENAL E PROCESSUAL PENAL. ACUSAÇÃO POR ROUBO TRIPLAMENTE CIRCUNSTANCIADO EM CONCURSO MATERIAL COM EXTORSÃO. CONCURSO DE AGENTES. EMPREGO DE ARMA BRANCA. RESTRIÇÃO DA LIBERDADE DA VÍTIMA. TENTATIVA DE SAQUE BANCÁRIO MEDIANTE ENTREGA DA SENHA. CONFIGURAÇÃO APENAS DO ROUBO ABRAVADOS PELAS CIRCUNSTÂNCIAS. EXTORSÃO QUE SE …