jusbrasil.com.br
3 de Dezembro de 2021
2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Superior Tribunal de Justiça
há 5 anos
Detalhes da Jurisprudência
Órgão Julgador
T6 - SEXTA TURMA
Publicação
DJe 02/02/2017
Julgamento
15 de Dezembro de 2016
Relator
Ministro SEBASTIÃO REIS JÚNIOR
Documentos anexos
Inteiro TeorSTJ_AGRG-AG_1433611_c519c.pdf
Certidão de JulgamentoSTJ_AGRG-AG_1433611_1abbd.pdf
Relatório e VotoSTJ_AGRG-AG_1433611_9e981.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Relatório e Voto

Superior Tribunal de Justiça
Revista Eletrônica de Jurisprudência
  AgRg no AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 1.433.611 - MS (2016⁄0203417-6)     RELATÓRIO  

O EXMO. SR. MINISTRO SEBASTIÃO REIS JÚNIOR: Agravo regimental interposto por Ronaldo Rodrigues Justino contra decisão monocrática de minha lavra, assim ementada (fl. 1.529):

  PENAL. AGRAVO DE INSTRUMENTO CONTRA DECISÃO QUE INADMITIU RECURSO ORDINÁRIO. INADMISSIBILIDADE. HIPÓTESE NÃO CONTEMPLADA NO ROL TAXATIVO DO ART. 1.015 DO CPC⁄2015. RECURSO ORDINÁRIO INTERPOSTO CONTRA ACÓRDÃO PROFERIDO NO JULGAMENTO DE APELAÇÃO. DESCABIMENTO (ART. 105, II, DA CF). PRINCÍPIO DA FUNGIBILIDADE. INAPLICABILIDADE. ERRO GROSSEIRO. Agravo não conhecido.  

Nas razões, aduziu que o mero erro de grafia na nomenclatura do recurso não pode dar ensejo a sua inadmissibilidade, sendo possível a aplicação, no caso, do princípio da fungibilidade dos recursos, já que preenchido todos os demais requisitos (fls. 1.537⁄1.542).

Requer, assim, seja reformada a decisão agravada.

É o relatório.

AgRg no AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 1.433.611 - MS (2016⁄0203417-6)     VOTO  

O EXMO. SR. MINISTRO SEBASTIÃO REIS JÚNIOR (RELATOR): A decisão deve ser mantida.

Primeiramente, cumpre observar que compete à parte, em observância aos princípios da taxatividade e singularidade, interpor o recurso correto contra a decisão que busca modificar, sendo reservada a aplicação do princípio da fungibilidade apenas para as hipóteses em que forem  preenchidas as seguintes condições: a) dúvida objetiva quanto ao recurso a ser interposto (divergência doutrinária ou jurisprudencial); b) inexistência de erro grosseiro por parte do advogado, o qual não poderá interpor recurso pelo meio diverso da forma que a lei explicitamente determina; e c) interposição do recurso equivocado dentro do prazo do recurso correto para que seja atendido o pressuposto recursal da tempestividade.

A propósito, confira-se:

  [...] 1. "O principio da fungibilidade incide quando preenchidos os seguintes requisitos: a) dúvida objetiva quanto ao recurso a ser interposto; b) inexistência de erro grosseiro; e c) que o recurso interposto erroneamente tenha sido apresentado no prazo daquele que seria o correto. A ausência de quaisquer desses pressupostos impossibilita a incidência do princípio em questão" (AgRg no AgRg no AREsp n. 616.226⁄RJ, Ministro Marco Aurélio Bellizze, Terceira Turma, julgado em 7⁄5⁄2015, DJe 21⁄5⁄2015). (AgInt nos EDv nos EAREsp n. 732.616⁄RS, Ministro Antonio Carlos Ferreira, Segunda Seção, DJe 3⁄11⁄2016)  

No caso dos autos, o recurso interposto pelo recorrente não atende sequer o primeiro dos pressupostos mencionados (dúvida objetiva quanto ao recurso cabível), pois, considerando que a decisão impugnada – inadmitindo o recurso ordinário –, foi publicada sob a vigência do Código de Processo Civil de 2015, seria descabida a interposição de agravo de instrumento , uma vez que tal reclamo não se enquadra em nenhuma das hipóteses previstas no rol taxativo do art. 1.015 do novo codex, sendo, assim, manifestamente inadmissível.

Como fundamento subsidiário, destaco que, ainda que fosse possível conhecer do agravo de instrumento, não há ilegalidade na decisão de inadmissão do recurso ordinário na origem, pois é descabida a interposição de recurso ordinário em face de acórdão proferido no julgamento de apelação criminal, ante a absoluta falta de previsão constitucional (art. 105, II, da Constituição Federal). Tampouco se afigura viável a aplicação do princípio da fungibilidade recursal na hipótese, uma vez que evidente o erro grosseiro verificado.

Em face do exposto, nego provimento ao agravo regimental.


Documento: 67648447 RELATÓRIO E VOTO
Disponível em: https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/433533615/agravo-regimental-no-agravo-de-instrumento-agrg-no-ag-1433611-ms-2016-0203417-6/relatorio-e-voto-433533645

Informações relacionadas

Tribunal Regional Federal da 2ª Região
Jurisprudênciahá 3 anos

Tribunal Regional Federal da 2ª Região TRF-2 - Agravo de Instrumento : AG 0009762-18.2018.4.02.0000 RJ 0009762-18.2018.4.02.0000

Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul
Jurisprudênciahá 4 anos

Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul TJ-RS - Agravo de Instrumento : AI 70077544799 RS

Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul
Jurisprudênciahá 5 anos

Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul TJ-RS - Agravo de Instrumento : AI 70070161369 RS