jusbrasil.com.br
1 de Julho de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Superior Tribunal de Justiça STJ - AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL: AREsp 1078628 RJ 2017/0080010-2

Superior Tribunal de Justiça
há 5 anos

Detalhes da Jurisprudência

Publicação

DJ 22/05/2017

Relator

Ministro JORGE MUSSI

Documentos anexos

Decisão MonocráticaSTJ_ARESP_1078628_a4c70.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Decisão

AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 1.078.628 - RJ (2017/0080010-2) RELATOR : MINISTRO JORGE MUSSI AGRAVANTE : CLAUDIO AURELIO CONCEICAO DA SILVA ADVOGADA : GEISA FERREIRA DE SANTANA - RJ102560 AGRAVADO : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DECISÃO 1. Trata-se de agravo em recurso especial interposto por CLÁUDIO AURÉLIO CONCEIÇÃO DA SILVA contra decisão do TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO que inadmitiu o seu apelo nobre. Consta dos autos que CLÁUDIO AURÉLIO CONCEIÇÃO DA SILVA foi condenado das imputações que lhe foram feitas inerentes ao artigo 157, § 2º, I e II, do Código Penal, à pena de 8 (oito) anos, 4 (quatro) meses e 24 (vinte e quatro) dias de reclusão, além de 30 dias-multa, fixados no valor mínimo legal, em regime fechado. Inconformado, foi interposto apelo nobre, com fulcro no inciso III do art. 105 da Constituição Federal, o qual não foi admitido na origem, com fundamento no enunciado n. 7 da Súmula do Superior Tribunal de Justiça. No presente recurso, sustenta que não incidiria o referido óbice à hipótese dos autos, visto que a análise da questão recursal não demandaria o reexame das provas, mas apenas a revaloração destas. Requer o provimento do agravo para que seja admitido e acolhido o seu recurso especial. Parecer do Ministério Público Federal às fls. 442-448. É o relatório. 2. A par dos fundamentos declinados pelo Tribunal de origem por ocasião do juízo de admissibilidade ali realizado, constata-se que, de fato, o recurso especial interposto não merece seguimento. Ao julgar a apelação, o TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO entendeu estarem presentes elementos suficientes a sustentar uma condenação por infração ao 157, § 2º, I e II, do Código Penal, tendo acórdão restado assim ementado (e-STJ fls. 305-306): APELAÇÃO CRIMINAL. ROUBO DUPLAMENTE MAJORADO PELO EMPREGO I) E ARMA DE FOGO E CONCURSO DE AGENTES (ART. 157, § 2.º, I E II, DO CÓDIGO PENAL). APELANTES QUE, EM UNIDADE DE AÇÕES E DESÍGNIOS COM UM INDIVÍDUO NÃO IDENTIFICADO E COM UM ADOLESCENTE INFRATOR, SUBTRAÍRAM, MEDIANTE GRAVE AMEAÇA EXERCIDA COM EMPREGO DE ARMA DE FOGO, R$ 322,00 DO CAIXA DE UM POSTO DE GASOLINA E A MOCHILA DE UM CLIENTE NÃO IDENTIFICADO, EVADINDO-SE A SEGUIR. SENTENÇA ABSOLUTÓRIA FUNDADA NA PRECARIEDADE DE PROVAS. PRETENSÃO MINISTERIAL À REFORMA DA SENTENÇA PARA CONDENAR OS APELADOS NA FORMA DA DENUNCIA QUE SE ACOLHE. PROVA SEGURA E INQUESTIONÁVEL QUANTO À AUTORIA E AO DELITO, ESPECIALMENTE PELO REGISTRO DE OCORRÊNCIA E ADITAMENTOS (FLS. 03/07 E 21/22), AUTO DE RECONHECIMENTO DE PESSOA (FLS. 12/13,14/15 E 44), ALÉM DA PROVA ORAL PRODUZIDA. IDENTIFICAÇÃO PELA VÍTIMA, EM SEDE POLICIAL, ATRAVÉS DO ÁLBUM DE FOTOGRAFIAS DE INDIVÍDUOS QUE SE ASSOCIAM PARA A PRATICA DE CRIMES DE ROUBOS, COMO INTEGRANTES DO GRUPO PARTICIPANTE DA EMPREITADA CRIMINOSA. QUALIFICADORAS DEMONSTRADAS PELA PROVA TESTEMUNHAL, SENDO INQUESTIONÁVEL, QUE O CRIME DE ROUBO FOI COMETIDO COM EMPREGO DE ARMA DE FOGO E EM CONCURSO DE AGENTES. PROVIMENTO DO RECURSO MINISTERIAL PARA CONDENAR OS APELADOS COMO INCURSOS NAS SANÇÕES DO ART. 157, § 2.º, I E II, DO CÓDIGO PENAL. Com efeito, da leitura do excerto acima transcrito, verifica-se que o Tribunal de origem, soberano na reanálise dos fatos e das provas, concluiu pela existência, nos autos, de elementos concludentes para fundamentar o decreto condenatório. Nesse aspecto, desconstituir o julgado, buscando uma absolvição, desclassificação ou reclassificação da conduta criminosa analisada na origem, não encontra amparo na via eleita, dada a necessidade de revolvimento do conjunto fático-probatório, procedimento de análise exclusivo das instâncias ordinárias e vedado a este Superior Tribunal de Justiça, em sede de recurso especial, ante o óbice Sumular n. 7/STJ. Nesse sentido: PENAL E PROCESSUAL PENAL. AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL. ROUBO IMPRÓPRIO. ART. 157, § 1º, DO CP. DESCLASSIFICAÇÃO PARA O CRIME DE FURTO. IMPOSSIBILIDADE. REEXAME DO CONJUNTO FÁTICO PROBATÓRIO. SÚMULA 7/STJ. AGRAVO REGIMENTAL IMPROVIDO. 1. Rever o entendimento externado pelas instâncias ordinárias, para afastar as elementares do crime de roubo impróprio (art. 157, § 1º, do CP), implicaria necessário reexame de provas, o que não se admite na via do recurso especial, tendo em vista o óbice da Súmula n. 7 desta Corte. 2. Agravo regimental improvido. ( AgRg no AREsp 718.983/DF, Rel. Ministro NEFI CORDEIRO, SEXTA TURMA, julgado em 15/03/2016, DJe 28/03/2016). 3. Por tais razões, afigurando-se inadmissível o recurso especial, conhece-se do agravo para não conhecer o recurso especial, nos termos do artigo 34, VII, combinado com o artigo 253, parágrafo único, inciso II, alínea a, ambos do Regimento Interno do Superior Tribunal de Justiça. Publique-se e intime-se. Cientifique-se o Ministério Público Federal. Brasília (DF), 17 de maio de 2017. MINISTRO JORGE MUSSI Relator
Disponível em: https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/463859676/agravo-em-recurso-especial-aresp-1078628-rj-2017-0080010-2