jusbrasil.com.br
29 de Maio de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Superior Tribunal de Justiça
há 5 anos
Detalhes da Jurisprudência
Órgão Julgador
T4 - QUARTA TURMA
Publicação
DJe 04/09/2017
Julgamento
29 de Agosto de 2017
Relator
Ministra MARIA ISABEL GALLOTTI
Documentos anexos
Inteiro TeorSTJ_AGRG-ARESP_218281_1cbe1.pdf
Certidão de JulgamentoSTJ_AGRG-ARESP_218281_c9a0c.pdf
Relatório e VotoSTJ_AGRG-ARESP_218281_27923.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Relatório e Voto

Superior Tribunal de Justiça
Revista Eletrônica de Jurisprudência
    Súmula - Não cabe agravo regimental contra decisão do relator que concede ou indefere liminar em mandado de segurança AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 218.281 - PR (2012⁄0172407-2)     RELATÓRIO   MINISTRA MARIA ISABEL GALLOTTI: Trata-se de agravo interno interposto por Antônio Nunes e outro contra decisão mediante a qual neguei provimento a seu agravo em recurso especial, dada a incidência das Súmulas 7 do STJ, 282 e 356 do STF e a ausência da alegada violação ao art. 535 do Código de Processo Civil. O acórdão recorrido tem a seguinte ementa (e-STJ fl. 293):   REINTEGRAÇÃO DE POSSE - INCONTESTADO ÂNIMO DE DONO A FALECIDO IRMÃO DA AUTORA SOBRE O IMÓVEL - AUSÊNCIA DE PROVA DE POSSE PRÓPRIA DE AMBAS AS PARTES - ESBULHO CARACTERIZADO PELO INGRESSO NA CASA APÓS O FALECIMENTO DO ANTERIOR DETENTOR E RECUSA DE ENTREGA AOS SUCESSORES COLATERAIS POR NÃO PROVADA CESSÃO DE DIREITOS POSSESSÓRIOS COM O "DE CUJUS" - APLICAÇÃO DO ARTIGO 1228 DO CÓDIGO CIVIL DE 2002 - RECURSO CONHECIDO E PROVIDO PARA JULGAR PROCEDENTE O PEDIDO E DETERMINAR A REINTEGRAÇÃO DE POSSE DA ÁREA A FAMÍLIA DO DETENTOR FALECIDO. RECURSO CONHECIDO E PROVIDO.   Os agravantes afirmam ter demonstrado dissídio jurisprudencial. Sustentam divergência quanto à prova inequívoca da posse como requisito do deferimento de reintegração de posse. Alegam não ter sido analisada a questão referente à violação do art. 458, I, do Código de Processo Civil (1973). Entendem ser contraditório o acórdão recorrido, pois o Tribunal deferiu proteção possessória após ter admitido não existir a prova da posse pelo autor. Quanto ao prequestionamento, afirmam ter ocorrido, pois a matéria em discussão foi analisada e a questão da perda da posse foi abordada. Impugnam a aplicação da Súmula 7 desta Corte, com o fundamento de que o reexame de prova é dispensável. Não foi apresentada impugnação. É o relatório. AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 218.281 - PR (2012⁄0172407-2)     VOTO   MINISTRA MARIA ISABEL GALLOTTI (Relatora): Não prospera o agravo. Inicialmente, observo que o acórdão recorrido se manifestou de forma suficiente e motivada sobre o tema em discussão nos autos. Ademais, não está o órgão julgador obrigado a se pronunciar sobre todos os argumentos apontados pelas partes, a fim de expressar o seu convencimento. No caso em exame, o pronunciamento acerca dos fatos controvertidos, a que está o magistrado obrigado, encontra-se objetivamente fixado nas razões do acórdão recorrido, que contém adequado relatório do feito. Rejeito, assim, a alegação de violação ao art. 458, I, do Código de Processo Civil. Em suas razões de recurso especial, os agravantes alegaram que a posse em litígio foi deferida aos agravados com base em fundamentos que não foram suscitados por eles, o que caracterizaria decisão extra petita . Ocorre que o pedido foi a posse do imóvel e que o Tribunal local examinou a causa conforme os fatos trazidos aos autos, inclusive com farta alusão aos depoimentos testemunhais. O pronunciamento do julgador, portanto, ateve-se aos limites do pedido e da causa de pedir, razão pela qual não se pode falar em julgamento extra petita . Ao contrário, o que se verifica é a observância da máxima "dá-me os fatos que lhe dou o direito". Ademais, não se dispensa o reexame de prova para o acolhimento das alegações feitas no recurso especial a respeito da posse dos agravados. Os agravantes procuram demonstrar que os agravados não ocupavam o imóvel e não tinham morado no casebre lá construído, até porque haviam abandonado o bem há cinco anos antes do ajuizamento da ação de reintegração. Acolher essas assertivas, porém, é inviável em recurso especial, diante do que dispõe a Súmula 7 desta Corte. Ressalte-se que, para o deferimento da reintegração de posse, é requisito a prova da posse anterior e, a respeito do tema, consta do acórdão recorrido o seguinte (e-STJ fl. 303):   (...) analisando a prova testemunhal produzida no decorrer do processo, conclui-se que esta dá conta de demonstrar que havia composse dos autores sobre o imóvel em discussão e que a ausência da autora Maria se deu por conta de sua enfermidade após o falecimento de seu irmão.   O Tribunal, com base nos elementos probatórios dos autos, mormente a prova testemunhal, concluiu pela existência de posse, cuja perda não teria ocorrido. O dissídio jurisprudencial não ficou caracterizado, à míngua da similitude fática entre os casos julgados. Com efeito, no paradigma citado, cuidou-se de caso em que os poderes de fato sobre a coisa não foram exteriorizados, razão pela qual não se poderia falar em posse. No caso concreto, segundo o que consta do acórdão recorrido, os depoimentos das testemunhas demonstraram ter ocorrido a composse, inclusive com coabitação no terreno em litígio e cuidados mútuos entre os familiares. Em face do exposto, nego provimento ao agravo interno. É o voto.
Documento: 74787187 RELATÓRIO E VOTO
Disponível em: https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/505019465/agravo-regimental-no-agravo-em-recurso-especial-agrg-no-aresp-218281-pr-2012-0172407-2/relatorio-e-voto-505019494

Informações relacionadas

Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro
Jurisprudênciahá 4 anos

Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro TJ-RJ - APELAÇÃO: APL 0012356-90.2015.8.19.0068 RIO DE JANEIRO RIO DAS OSTRAS 1 VARA

Tribunal de Justiça de Minas Gerais
Jurisprudênciahá 2 anos

Tribunal de Justiça de Minas Gerais TJ-MG - Apelação Cível: AC 10319140012042004 MG

Tribunal de Justiça de Minas Gerais
Jurisprudênciahá 9 meses

Tribunal de Justiça de Minas Gerais TJ-MG - Apelação Cível: AC 0591144-24.2009.8.13.0461 Ouro Preto

Tribunal de Justiça de Minas Gerais
Jurisprudênciahá 9 meses

Tribunal de Justiça de Minas Gerais TJ-MG - Apelação Cível: AC 0033007-46.2017.8.13.0358 Jequitinhonha

Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro
Jurisprudênciahá 11 anos

Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro TJ-RJ - AGRAVO DE INSTRUMENTO: AI 0034128-61.2011.8.19.0000