jusbrasil.com.br
22 de Outubro de 2019
2º Grau

Superior Tribunal de Justiça STJ - AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL : AREsp 676531 CE 2015/0051006-3

Superior Tribunal de Justiça
há 2 anos
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Processo
AREsp 676531 CE 2015/0051006-3
Publicação
DJ 02/03/2018
Relator
Ministro NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO

Decisão

AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 676.531 - CE (2015/0051006-3) RELATOR : MINISTRO NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO AGRAVANTE : INES TORQUATO CABRAL DE ARAUJO AGRAVANTE : GUSTAVO TORQUATO CABRAL DE ARAUJO AGRAVANTE : MARIANA TORQUATO CABRAL DE ARAUJO AGRAVANTE : LEONARDO TORQUATO CABRAL DE ARAUJO ADVOGADOS : PAULO NAPOLEÃO GONÇALVES QUEZADO E OUTRO (S) - CE003183 NATALIA MARQUES REIS - CE028316 AGRAVADO : ESTADO DO CEARÁ PROCURADOR : GERARDO RODRIGUES DE ALBUQUERQUE FILHO E OUTRO (S) - CE004622 DECISÃO TRIBUTÁRIO E PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL. NULIDADE DE CITAÇÃO. PENHORA DO FGTS. AUSÊNCIA DE PREQUESTIONAMENTO. APLICAÇÃO DA SÚMULA 211/STJ. ALEGAÇÃO DE IMPOSSIBILIDADE DE REDIRECIONAMENTO. NECESSIDADE DE PRODUÇÃO DE PROVA, O QUE É VEDADO EM SEDE DE EXCEÇÃO DE PRÉ-EXECUTIVIDADE. AUSÊNCIA DE IMPUGNAÇÃO AOS FUNDAMENTOS DA DECISÃO QUE INADMITIU O ACÓRDÃO DE ORIGEM. SÚMULA 283 DO STF. AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL DOS PARTICULARES A QUE SE NEGA PROVIMENTO. 1. Agrava-se da inadmissão do Recurso Especial interposto por INÊS TORQUATO CABRAL DE ARAÚJO e outros, fundando na alínea a do art. 105, III da Constituição Federal, em face de acórdão do egrégio TJCE, assim ementado: CIVIL. PROCESSO CIVIL. AGRAVO DE INSTRUMENTO. A INTERPOSIÇÃO DA EXCEÇÃO DE PRÉ-EXECUTIVIDADE EM AÇÃO DE EXECUÇÃO NÃO TEM O CONDÃO, POR SI, DE OBSTAR A AÇÃO DE EXECUÇÃO EM TRÂMITE. A EXCEÇÃO DE PRÉ-EXECUTIVIDADE SÓ SE PRESTA AOS CASOS EM QUE O ERRO MOSTRA-SE PATENTE E PODE SER RECONHECIDO DE OFICIO, JUSTAMENTE POR NÃO DEMANDAR A DILAÇÃO PROBATÓRIA. O QUE NÃO É O CASO EM LIÇA. DECISÃO INTERLOCUTÓRIA MANTIDA. AGRAVO DE INSTRUMENTO CONHECIDO E IMPROVIDO. 2. Em seu Apelo Especial, as partes recorrentes alegam, violação das Leis Federais 10.406/02 - Código Civil sobretudo, os artigos 1.059, além dos artigos 9, 231, 232, 247, 618, inciso II, 620, 649 da Lei 5.869/73 - Código de Processo Civil-, a Lei 6.830/80 e o artigo 8o, a Lei 5.172/66 - Código Tributário Nacional - e o artigo art. 135, inciso III e § 2o e o art. 2o, da Lei 8.036/90. Aduz, em suma, a nulidade de citação, a injusta penhora do fundo do FGTS, bem como a impossibilidade de redirecionamento da execução fiscal aos sócios, quando não restou comprovada a dissolução irregular da sociedade. 3. É o breve relatório. 4. Inicialmente, impende ressaltar que o Tribunal de origem não apreciou o ponto referente à nulidade de citação, bem como acerca da penhora do FGTS e, tampouco, a matéria foi suscitada em sede de Aclaratórios, o que impede a sua apreciação na via especial, porquanto não preenchido o requisito do prequestionamento, nos termos da Súmula 211/STJ. 5. Ainda que assim não fosse, observa-se que a parte recorrente deixou de atacar fundamentação suficiente de per si para a manutenção do acórdão recorrido, qual seja, quanto à impossibilidade de redirecionamento, uma vez que os fatos alegados requerem produção de prova, o que é vedado em sede de exceção de pré-executividade. Incide, na hipótese, o óbice da Súmula 283/STF, segundo a qual é inadmissível o recurso extraordinário, quando a decisão recorrida assenta em mais de um fundamento suficiente e o recurso não abrange todos eles. 6. Ante o exposto, nega-se provimento ao Agravo em Recurso Especial interposto pelos Particulares. 7. Publique-se. 8. Intimem-se. Brasília (DF), 20 de fevereiro de 2018. NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO MINISTRO RELATOR