jusbrasil.com.br
12 de Agosto de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Superior Tribunal de Justiça
há 4 anos

Detalhes da Jurisprudência

Processo

Órgão Julgador

T1 - PRIMEIRA TURMA

Publicação

Julgamento

Relator

Ministro NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO

Documentos anexos

Inteiro TeorSTJ_AGRG-ARESP_549850_03187.pdf
Certidão de JulgamentoSTJ_AGRG-ARESP_549850_a9f1b.pdf
Relatório e VotoSTJ_AGRG-ARESP_549850_28acf.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

Superior Tribunal de Justiça
Revista Eletrônica de Jurisprudência
Exportação de Auto Texto do Word para o Editor de Documentos do STJ
RELATOR : MINISTRO NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO
AGRAVANTE : MUNICÍPIO DE SÃO SEBASTIÃO DO CAI
ADVOGADO : CLÁUDIO ROBERTO NUNES GOLGO E OUTRO (S) - RS025345
AGRAVADO : BANCO INDUSTRIAL E COMERCIAL S⁄A
AGRAVADO : BIC ARRENDAMENTO MERCANTIL S⁄A
ADVOGADO : ROBERTO ITTE SOEIRO DE SOUZA E OUTRO (S) - RS008178
E MENTA

AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL. TRIBUTÁRIO. PESSOAS JURÍDICAS PERTENCENTES A UM MESMO GRUPO ECONÔMICO. RESPONSABILIDADE SOLIDÁRIA QUE NÃO SE PRESUME. NECESSIDADE DE PROVA DE ILÍCITO QUE AUTORIZE A DESCONSIDERAÇÃO DAS PERSONALIDADES AUTÔNOMAS. SÚMULA 7 DO STJ. DECADÊNCIA. TESE DE FRAUDE QUE NÃO FOI ACOLHIDA PELA INSTÂNCIA DE ORIGEM. SEGUNDA INCIDÊNCIA DA SÚMULA 7 DO STJ. AGRAVO REGIMENTAL DESPROVIDO.

1.O mero fato de pessoas jurídicas pertencerem a um mesmo grupo econômico não enseja, por si só, a responsabilidade solidária dessas entidades.

2.Eventual confusão entre as diferentes personalidades jurídicas, capaz de conduzir à responsabilidade solidária, dependeria de exame do acervo fático probatório dos autos que levasse a interpretação diversa da que alcançou a instância de origem, que não identificou os vícios alegados pela exequente.

3.É inviável a apreciação de tese fundada em premissa fática que não foi reconhecida pela instância de origem, a teor da orientação firmada na Súmula 7 do STJ.

4.Agravo Regimental do MUNICÍPIO DE SÃO SEBASTIÃO DO CAÍ⁄RS desprovido.

ACÓRDÃO
Vistos, relatados e discutidos estes autos, acordam os Ministros da Primeira Turma do Superior Tribunal de Justiça, na conformidade dos votos e das notas taquigráficas a seguir, por unanimidade, negar provimento ao Agravo Regimental, nos termos do voto do Sr. Ministro Relator. Os Srs. Ministros Benedito Gonçalves, Sérgio Kukina, Regina Helena Costa (Presidente) e Gurgel de Faria votaram com o Sr. Ministro Relator.
Brasília⁄DF, 08 de maio de 2018 (Data do Julgamento).

NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO

MINISTRO RELATOR

RELATOR : MINISTRO NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO
AGRAVANTE : MUNICÍPIO DE SÃO SEBASTIÃO DO CAI
ADVOGADO : CLÁUDIO ROBERTO NUNES GOLGO E OUTRO (S)
AGRAVADO : BANCO INDUSTRIAL E COMERCIAL S⁄A
AGRAVADO : BIC ARRENDAMENTO MERCANTIL S⁄A
ADVOGADO : ROBERTO ITTE SOEIRO DE SOUZA E OUTRO (S)
R ELATÓRIO

1.Trata-se de Agravo Regimental interposto pelo MUNICÍPIO DE SÃO SEBASTIÃO DO CAÍ⁄RS contra a decisão de fls. 777⁄779, assim ementada:

AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL. TRIBUTÁRIO. PESSOAS JURÍDICAS PERTENCENTES A UM MESMO GRUPO ECONÔMICO. RESPONSABILIDADE SOLIDÁRIA QUE NÃO SE PRESUME. NECESSIDADE DE PROVA DE ILÍCITO QUE AUTORIZE A DESCONSIDERAÇÃO DAS PERSONALIDADES AUTÔNOMAS. SÚMULA 7 DO STJ. DECADÊNCIA. TESE DE FRAUDE QUE NÃO FOI ACOLHIDA PELA INSTÂNCIA DE ORIGEM. SEGUNDA INCIDÊNCIA DA SÚMULA 7 DO STJ. AGRAVO DO MUNICÍPIO DE SÃO SEBASTIÃO DO CAÍ DESPROVIDO.

2.A agravante sustenta que a sua pretensão pode ser acolhida mediante simples análise de prova documental presente nos próprios autos (fl. 784), na medida em que teria comprovado o abuso da personalidade jurídica, a ensejar a solidariedade entre os recorridos, e que não teria se consumado a decadência.

3.É o relatório.

RELATOR : MINISTRO NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO
AGRAVANTE : MUNICÍPIO DE SÃO SEBASTIÃO DO CAI
ADVOGADO : CLÁUDIO ROBERTO NUNES GOLGO E OUTRO (S)
AGRAVADO : BANCO INDUSTRIAL E COMERCIAL S⁄A
AGRAVADO : BIC ARRENDAMENTO MERCANTIL S⁄A
ADVOGADO : ROBERTO ITTE SOEIRO DE SOUZA E OUTRO (S)
V OTO

AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL. TRIBUTÁRIO. PESSOAS JURÍDICAS PERTENCENTES A UM MESMO GRUPO ECONÔMICO. RESPONSABILIDADE SOLIDÁRIA QUE NÃO SE PRESUME. NECESSIDADE DE PROVA DE ILÍCITO QUE AUTORIZE A DESCONSIDERAÇÃO DAS PERSONALIDADES AUTÔNOMAS. SÚMULA 7 DO STJ. DECADÊNCIA. TESE DE FRAUDE QUE NÃO FOI ACOLHIDA PELA INSTÂNCIA DE ORIGEM. SEGUNDA INCIDÊNCIA DA SÚMULA 7 DO STJ. AGRAVO REGIMENTAL DESPROVIDO.

1.O mero fato de pessoas jurídicas pertencerem a um mesmo grupo econômico não enseja, por si só, a responsabilidade solidária dessas entidades.

2.Eventual confusão entre as diferentes personalidades jurídicas, capaz de conduzir à responsabilidade solidária, dependeria de exame do acervo fático probatório dos autos que levasse a interpretação diversa da que alcançou a instância de origem, que não identificou os vícios alegados pela exequente.

3.É inviável a apreciação de tese fundada em premissa fática que não foi reconhecida pela instância de origem, a teor da orientação firmada na Súmula 7 do STJ.

4.Agravo Regimental do MUNICÍPIO DE SÃO SEBASTIÃO DO CAÍ⁄RS desprovido.

1.Conforme entendimento já assentado nesta Corte, o mero fato de pessoas jurídicas pertencerem a um mesmo grupo econômico não enseja, por si só, a responsabilidade solidária dessas entidades:

PROCESSUAL CIVIL. TRIBUTÁRIO. ISS. EXECUÇÃO FISCAL. PESSOAS JURÍDICAS QUE PERTENCEM AO MESMO GRUPO ECONÔMICO. CIRCUNSTÂNCIA QUE, POR SI SÓ, NÃO ENSEJA SOLIDARIEDADE PASSIVA.

1.Trata-se de agravo de instrumento contra decisão que inadmitiu recurso especial interposto em face de acórdão do Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul que decidiu pela incidência do ISS no arrendamento mercantil e pela ilegitimidade do Banco Mercantil do Brasil S⁄A para figurar no pólo passivo da demanda.

2.A Primeira Seção⁄STJ pacificou entendimento no sentido de que o fato de haver pessoas jurídicas que pertençam ao mesmo grupo econômico, por si só, não enseja a responsabilidade solidária, na forma prevista no art. 124 do CTN. Precedentes: (...).

3.O que a recorrente pretende com a tese de ofensa ao art. 124 do CTN - legitimidade do Banco para integrar a lide -, é, na verdade, rever a premissa fixada pelo Tribunal de origem, soberano na avaliação do conjunto fático-probatório constante dos autos, o que é vedado ao Superior Tribunal de Justiça por sua Súmula 7⁄STJ.

4.Agravo Regimental não provido (AgRg no Ag. 1.392.703⁄RS, Rel. Min. MAURO CAMPBELL MARQUES, DJe 14.06.2011).

² ² ²

PROCESSUAL CIVIL E TRIBUTÁRIO. EXECUÇÃO FISCAL. ISSQN. LEGITIMIDADE PASSIVA. GRUPO ECONÔMICO. SOLIDARIEDADE. INEXISTÊNCIA. PRECEDENTES. AGRAVO REGIMENTAL A QUE SE NEGA PROVIMENTO (AgRg no Ag. 1.288.247⁄RS, Rel. Min. TEORI ALBINO ZAVASCKI, DJe 03.11.2010).

2.Eventual confusão entre as diferentes personalidades jurídicas, capaz de conduzir à responsabilidade solidária, dependeria de exame do acervo fático probatório dos autos que levasse a interpretação diversa da que alcançou a instância de origem, que não identificou os vícios alegados pela exequente. Tal providência, entretanto, é inadmissível no âmbito do Recurso Especial, a teor da orientação firmada na Súmula 7 do STJ: A pretensão de simples reexame de prova não enseja Recurso Especial.

3.No mesmo sentido, é inviável a apreciação da tese atinente à decadência, pois também pressupõe, nos termos em que apresentada no Recurso Especial, reexame das provas dos autos, haja vista que se funda na premissa de que teria havido fraude, circunstância essa não reconhecida pela instância de origem.

4.Ante o exposto, nega-se provimento ao Agravo Regimental do MUNICÍPIO DE SÃO SEBASTIÃO DO CAÍ⁄RS.

5.É o voto.

CERTIDÃO DE JULGAMENTO
PRIMEIRA TURMA
AgRg no
Número Registro: 2014⁄0175616-7
PROCESSO ELETRÔNICO
AREsp 549.850 ⁄ RS
Números Origem: XXXXX 10500020290 XXXXX20138217000 XXXXX20138217000 70053152609 70055204440 70057153371
PAUTA: 08⁄05⁄2018 JULGADO: 08⁄05⁄2018
Relator
Exmo. Sr. Ministro NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO
Presidente da Sessão
Exma. Sra. Ministra REGINA HELENA COSTA
Subprocurador-Geral da República
Exmo. Sr. Dr. AURÉLIO VIRGÍLIO VEIGA RIOS
Secretária
Bela. BÁRBARA AMORIM SOUSA CAMUÑA
AUTUAÇÃO
AGRAVANTE : MUNICÍPIO DE SÃO SEBASTIÃO DO CAI
ADVOGADO : CLÁUDIO ROBERTO NUNES GOLGO E OUTRO (S) - RS025345
AGRAVADO : BANCO INDUSTRIAL E COMERCIAL S⁄A
AGRAVADO : BIC ARRENDAMENTO MERCANTIL S⁄A
ADVOGADO : ROBERTO ITTE SOEIRO DE SOUZA E OUTRO (S) - RS008178
ASSUNTO: DIREITO TRIBUTÁRIO - Dívida Ativa
AGRAVO REGIMENTAL
AGRAVANTE : MUNICÍPIO DE SÃO SEBASTIÃO DO CAI
ADVOGADO : CLÁUDIO ROBERTO NUNES GOLGO E OUTRO (S) - RS025345
AGRAVADO : BANCO INDUSTRIAL E COMERCIAL S⁄A
AGRAVADO : BIC ARRENDAMENTO MERCANTIL S⁄A
ADVOGADO : ROBERTO ITTE SOEIRO DE SOUZA E OUTRO (S) - RS008178
CERTIDÃO
Certifico que a egrégia PRIMEIRA TURMA, ao apreciar o processo em epígrafe na sessão realizada nesta data, proferiu a seguinte decisão:
A Turma, por unanimidade, negou provimento ao agravo regimental, nos termos do voto do Sr. Ministro Relator.
Os Srs. Ministros Benedito Gonçalves, Sérgio Kukina, Regina Helena Costa (Presidente) e Gurgel de Faria votaram com o Sr. Ministro Relator.

Documento: XXXXX Inteiro Teor do Acórdão - DJe: 15/05/2018
Disponível em: https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/583594469/agravo-regimental-no-agravo-em-recurso-especial-agrg-no-aresp-549850-rs-2014-0175616-7/inteiro-teor-583594492

Informações relacionadas

Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul
Jurisprudênciahá 9 meses

Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul TJ-MS - Apelação Cível: AC XXXXX-23.2016.8.12.0001 MS XXXXX-23.2016.8.12.0001

Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região
Jurisprudênciahá 2 anos

Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região TRT-6 - Recurso Ordinário Trabalhista: RO XXXXX-70.2019.5.06.0291

Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região
Jurisprudênciahá 2 anos

Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região TRT-2: XXXXX-24.2019.5.02.0043 SP

Tribunal de Justiça de São Paulo
Jurisprudênciahá 7 anos

Tribunal de Justiça de São Paulo TJ-SP - Agravo de Instrumento: AI XXXXX-84.2015.8.26.0000 SP XXXXX-84.2015.8.26.0000

Tribunal de Justiça de São Paulo
Jurisprudênciahá 6 anos

Tribunal de Justiça de São Paulo TJ-SP - Recurso Inominado Cível: RI XXXXX-09.2015.8.26.0405 SP XXXXX-09.2015.8.26.0405