jusbrasil.com.br
2 de Julho de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Superior Tribunal de Justiça
há 4 anos

Detalhes da Jurisprudência

Publicação

DJ 28/08/2018

Relator

Ministro ROGERIO SCHIETTI CRUZ

Documentos anexos

Decisão MonocráticaSTJ_RHC_102046_4be3e.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Decisão Monocrática

Superior Tribunal de Justiça

RECURSO EM HABEAS CORPUS Nº 102.046 - MG (2018/0212116-6)

RELATOR : MINISTRO ROGERIO SCHIETTI CRUZ

RECORRENTE : LUCAS GOMES TERROR (PRESO)

ADVOGADO : MARCELO MANOEL DA COSTA E OUTRO(S) -MG088385

RECORRIDO : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS DECISÃO

LUCAS GOMES TERROR alega sofrer coação ilegal em seu direito de locomoção, em decorrência de acórdão proferido pelo Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais , que manteve a sua prisão preventiva nos autos do HC n. 1.0000.18.068121-5/000.

Consta dos autos que o paciente – preso em flagrante em 21/6/2018 na posse de 76,62 gramas de maconha – teve a prisão preventiva decretada.

Neste writ, o recorrente, em suma, alega a falta de justa causa para a custódia cautelar, bem como a ausência de fundamentação do decreto preventivo.

Pede, inclusive liminarmente, a expedição de alvará de soltura.

Decido.

Da análise dos autos, ao menos em um juízo de cognição sumária, não vislumbro manifesto constrangimento ilegal a ensejar o deferimento da medida de urgência.

Com efeito, verifico que o Juiz de primeira instância apontou, de forma idônea, a presença dos vetores contidos no art. 312 do Código de Processo Penal, indicando motivação suficiente para justificar a necessidade de colocar o paciente cautelarmente privado de sua liberdade , ao salientar a razoável quantidade de drogas apreendida em sua casa, para uma pequena cidade, além da arma de fogo, bem como Lucas ser "indivíduo já mencionado em outros expedientes criminais da comarca".

À vista do exposto, indefiro o pedido de liminar.

Superior Tribunal de Justiça

Solicitem-se informações à autoridade apontada como coatora e ao magistrado singular sobre os fatos alegados na inicial, devendo informar qualquer alteração no quadro fático atinente à ação penal de que se cuida.

Após, ouça-se o Ministério Público Federal.

Publique-se. Intimem-se.

Brasília/DF, 22 de agosto de 2018.

Ministro ROGERIO SCHIETTI CRUZ

Disponível em: https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/618541674/recurso-em-habeas-corpus-rhc-102046-mg-2018-0212116-6/decisao-monocratica-618541698

Informações relacionadas

Doutrina2021 Editora Revista dos Tribunais

Capítulo XIX. Ações Autônomas de Impugnação