jusbrasil.com.br
1 de Julho de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Superior Tribunal de Justiça
há 17 anos

Detalhes da Jurisprudência

Órgão Julgador

CE - CORTE ESPECIAL

Publicação

DJ 19/09/2005 p. 174
RDDP vol. 35 p. 238

Julgamento

1 de Agosto de 2005

Relator

Ministro EDSON VIDIGAL

Documentos anexos

Inteiro TeorAGRG-SS_1497_RJ_1265786511710.pdf
Certidão de JulgamentoAGRG-SS_1497_RJ_1265786511712.pdf
Relatório e VotoAGRG-SS_1497_RJ_1265786511711.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

AgRg na SUSPENSAO DE SEGURANÇA Nº 1.497 - RJ (2005/0075737-4)
AGRAVANTE : MUNICÍPIO DE RIO CLARO
ADVOGADO : RODRIGO MEZZOMO E OUTROS
AGRAVADO : LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE S/A
ADVOGADA : ANNA MARIA DA TRINDADE DOS REIS E OUTROS
REQUERIDO : TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO
E M E N T A
AGRAVO REGIMENTAL - SUSPENSAO - DEFERIMENTO - FORNECIMENTO DE ENERGIA - CORTE POR INADIMPLÊNCIA - MUNICÍPIO - POSSIBILIDADE.
1.A interrupção do fornecimento de energia elétrica por inadimplemento não configura descontinuidade da prestação do serviço público . Precedentes.
2.O interesse da coletividade não pode ser protegido estimulando-se a mora, até porque esta poderá comprometer, por via reflexa, de forma mais cruel, toda a coletividade, em sobrevindo má prestação dos serviços de fornecimento de energia, por falta de investimentos, como resultado do não recebimento, pela concessionária, da contra-prestação pecuniária.
3.Legítima a pretensão da Concessionária de suspender a decisão que, apesar do inadimplemento, determinou o restabelecimento do serviço e a abstenção de atos tendentes à interrupção do fornecimento de energia, porque a questão relativa à eventual compensação de dívidas recíprocas não foi objeto da ação mandamental em que originada a decisão objeto do pedido de suspensão.
4.Agravo não provido.
A C Ó R D A O
Vistos, relatados e discutidos estes autos, acordam os Ministros da Corte Especial, do Superior Tribunal de Justiça, na conformidade dos votos e das notas taquigráficas a seguir, por unanimidade, negar provimento ao agravo regimental, nos termos do voto do Sr. Ministro Relator.
Os Srs. Ministros Barros Monteiro, Francisco Peçanha Martins, Humberto Gomes de Barros, José Delgado, José Arnaldo da Fonseca, Fernando Gonçalves, Carlos Alberto Menezes Direito, Felix Fischer, Gilson Dipp, Hamilton Carvalhido, Paulo Gallotti, Franciulli Netto e Luiz Fux votaram com o Sr. Ministro Relator.
Ausentes, justificadamente, os Srs. Ministros Sálvio de Figueiredo Teixeira e Francisco Falcão e, ocasionalmente, os Srs. Ministros Nilson Naves, Cesar Asfor Rocha, Ari Pargendler e Eliana Calmon.
Brasília (DF), 1 de agosto de 2005 (Data do Julgamento)
MINISTRO ANTÔNIO DE PÁDUA RIBEIRO
Presidente
MINISTRO EDSON VIDIGAL
Relator

Documento: 1902198 EMENTA / ACORDÃO - DJ: 19/09/2005
Disponível em: https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/7196635/agravo-regimental-na-suspensao-de-seguranca-agrg-na-ss-1497-rj-2005-0075737-4/inteiro-teor-12943275

Informações relacionadas

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 2 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL: AREsp 1262173 SP 2018/0054716-4

Tribunal de Justiça do Ceará
Jurisprudênciahá 2 anos

Tribunal de Justiça do Ceará TJ-CE - Agravo de Instrumento: AI 062XXXX-56.2020.8.06.0000 CE 062XXXX-56.2020.8.06.0000

Tribunal de Justiça do Ceará
Jurisprudênciahá 4 anos

Tribunal de Justiça do Ceará TJ-CE - Agravo de Instrumento: AI 062XXXX-46.2016.8.06.0000 CE 062XXXX-46.2016.8.06.0000

Tribunal de Justiça do Ceará
Jurisprudênciahá 4 anos

Tribunal de Justiça do Ceará TJ-CE - Apelação: APL 000XXXX-51.2000.8.06.0049 CE 000XXXX-51.2000.8.06.0049

Tribunal de Justiça do Ceará
Jurisprudênciahá 11 meses

Tribunal de Justiça do Ceará TJ-CE - Apelação Cível: AC 042XXXX-17.2015.8.06.0001 CE 042XXXX-17.2015.8.06.0001