jusbrasil.com.br
24 de Janeiro de 2022
2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Superior Tribunal de Justiça
há 10 anos
Detalhes da Jurisprudência
Processo
REsp 646529 SP 2004/0032289-0
Órgão Julgador
T3 - TERCEIRA TURMA
Publicação
DJ 22/08/2005 p. 266
REVJMG vol. 173 p. 430
Julgamento
21 de Junho de 2005
Relator
Ministra NANCY ANDRIGHI
Documentos anexos
Inteiro TeorRESP_646529_SP_1266019644127.pdf
Certidão de JulgamentoRESP_646529_SP_1266019644129.pdf
Relatório e VotoRESP_646529_SP_1266019644128.pdf
VotoRESP_646529_SP_1266019644130.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Relatório e Voto

RECORRENTE : GISELA MARIA GOMES DA SILVA ESTEVES
ADVOGADO : SÔNIA MARIA SCHINEIDER FACHINI
RECORRIDO : GILBERTO APARECIDO ESTEVES
ADVOGADO : JOAO CARLOS GEBER E OUTROS
RELATÓRIO
RELATORA: MINISTRA NANCY ANDRIGHI
Recurso especial interposto por GISELA MARIA GOMES DA SILVA ESTEVES, com fundamento nas alíneas a e c do permissivo constitucional.
Ação: de divórcio direto ajuizada pela recorrente em desfavor do recorrido.
Sentença: julgou parcialmente procedentes os pedidos para decretar o divórcio, rejeitando a pretensão de partilha dos direitos trabalhistas do recorrido.
Acórdão: negou provimento ao recurso de apelação interposto pela recorrente, nos termos do acórdão assim ementado:
"DIVÓRCIO DIRETO - Hipótese em que as partes, na audiência de instrução e julgamento, chegaram a um acordo parcial, ficando pendente a questão dos direitos trabalhistas indicados na inicial - Regime de comunhão parcial de bens - Exclusão da comunhão dos frutos civis do trabalho de cada cônjuge ou indústria de cada cônjuge ou de ambos - Inteligência do art. 263, XIII e 269, IV, ambos do Código Civil - Apelo não provido, rejeitada a preliminar de não conhecimento do recurso" (fls. 641).
Embargos de declaração: rejeitados.
Recurso especial: alega a recorrente dissídio jurisprudencial e violação aos arts. 263, XIII e 265 do CC/16, por entender que faz juz à meação dos direitos trabalhistas adquiridos pelo recorrido.
Às fls. 695 e 696, decisão admitindo o especial e às fls. 712/716, parecer do Ministério Público Federal opinando pelo provimento do recurso.
É o relatório.
VOTO
RELATORA: MINISTRA NANCY ANDRIGHI
- Da partilha dos direitos trabalhistas - dissídio e ofensa aos arts. 263, XIII e 265 do CC/16
Discute-se o direito à meação de verbas trabalhistas pleiteadas na constância do casamento, celebrado pelo regime de comunhão parcial de bens.
O Tribunal de origem manteve a sentença que havia julgado improcedente o pedido, formulado pela recorrente, de partilha dos direitos trabalhistas pleiteados, judicialmente, pelo recorrido em data anterior à separação de fato do casal. Entendeu-se que “se os frutos civis do trabalho ou indústria de cada cônjuge não se comunicam no regime de comunhão universal, com maior rigor devem ser excluídos no regime de comunhão parcial ”.
Entretanto, este Tribunal já definiu controvérsia semelhante de forma diversa. No julgamento do Resp 355581/PR , esta Turma, por maioria, acompanhou voto por mim proferido, admitindo a comunicação das verbas trabalhistas nascidas e pleiteadas na constância do matrimônio celebrado pelo regime de comunhão universal de bens.
Naquela oportunidade, concluimos que as verbas indenizatórias decorrentes da rescisão de contrato de trabalho só seriam excluídas da comunhão quando o respectivo direito trabalhista tivesse nascido e ou sido pleiteado após a separação, de fato ou judicial dos cônjuges, pois, os proventos mensais do trabalho percebidos e vencidos no decorrer do casamento ingressam no patrimônio comum do casal, lhe servindo de sustento cotidiano.
Na hipótese sob julgamento, conforme consta dos autos, o casal separou-se de fato em 1998 e a ação trabalhista foi ajuizada pelo recorrido em 1995, portanto, durante a constância do casamento, não havendo motivos para negar à recorrente o direito à meação das referidas verbas trabalhistas.
Como argumento suplementar, é preciso considerar que, se as mencionadas verbas trabalhistas tivessem sido pagas à época da rescisão contratual, ou seja, antes da separação de fato do casal, não haveria dúvidas sobre o direito da recorrente à meação, não se justificando, dessa forma, tratamento desigual apenas por uma questão temporal, imposta pelos trâmites legais de uma ação judicial.
Ainda, o Tribunal de origem mencionou o art. 1.659, VI, do Novo Código Civil para justificar a tendência em excluir da meação as verbas trabalhistas.
De fato, o Código Civil de 2002 trouxe em seu texto, de forma expressa, a possibilidade de exclusão dos proventos do trabalho pessoal de cada cônjuge, quando o casamento tiver sido celebrado pelo regime de comunhão parcial de bens. Contudo, também ressalvou, em seu art. 1.660, a comunicação dos frutos percebidos na constância do casamento ou pendentes ao tempo de cessar a comunhão.
A tendência, portanto, é impedir a comunhão apenas dos direitos trabalhistas nascidos ou pleiteados após a separação do casal, seguindo a mesma linha do entendimento que já vem sendo adotado por este Tribunal.
Forte em tais razões, conheço do recurso especial e lhe dou provimento para reconhecer à recorrente o direito à meação dos créditos trabalhistas pleiteados pelo recorrido durante a constância do casamento.

Documento: 1785563 RELATÓRIO E VOTO
Disponível em: https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/7218403/recurso-especial-resp-646529-sp-2004-0032289-0-stj/relatorio-e-voto-12966259

Informações relacionadas

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 16 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - RECURSO ESPECIAL : REsp 646529 SP 2004/0032289-0

Superior Tribunal de Justiça STJ - RECURSO ESPECIAL : REsp 646529 SP 2004/0032289-0

Mariana Regis, Advogado
Notíciashá 4 anos

Cônjuge tem direito à meação da indenização trabalhista devida ao outro.