jusbrasil.com.br
4 de Julho de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Superior Tribunal de Justiça
há 3 anos

Detalhes da Jurisprudência

Órgão Julgador

T2 - SEGUNDA TURMA

Publicação

DJe 30/08/2019

Julgamento

27 de Agosto de 2019

Relator

Ministro FRANCISCO FALCÃO

Documentos anexos

Inteiro TeorSTJ_AGINT-RESP_1744398_b6c66.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

Superior Tribunal de Justiça
Revista Eletrônica de Jurisprudência
RELATOR : MINISTRO FRANCISCO FALCÃO
AGRAVANTE : UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAU.
ADVOGADOS : JOSÉ CÂNDIDO LUSTOSA BITTENCOURT DE ALBUQUERQUE - CE004040
CARLOS ROBERTO MARTINS RODRIGUES - CE000718
PAULO DE TARSO VIEIRA RAMOS - CE012897
GIACOMINA MARIA AMELIA BORRINI DE FREITAS - CE030488
AGRAVADO : ALEXANDRE PINTO MOREIRA
AGRAVADO : DEMETRIO SAKER NETO
AGRAVADO : MAGNO GOMES DE OLIVEIRA
ADVOGADOS : VALMIR PONTES FILHO - CE002310
FRANCISCO CLÁUDIO DE ALMEIDA SANTOS E OUTRO (S) - DF012742
BEATRIZ DE PAIVA PONTES - CE022846
MARIO MARRATHMA LOPES DE OLIVEIRA - CE029699
INTERES. : ESTADO DO CEARÁ
PROCURADOR : JUVÊNCIO VASCONCELOS VIANA - CE006883
EMENTA
PROCESSUAL CIVIL. ADMINISTRATIVO. ACUMULAÇÃO DE CARGOS. PROFESSOR. JUIZ⁄PROMOTOR. AUSÊNCIA DE PREQUESTIONAMENTO. ACÓRDÃO COM FUNDAMENTO CONSTITUCIONAL. IMPOSSIBILIDADE DE CONHECIMENTO DO RECURSO ESPECIAL. PRETENSÃO DE REEXAME FÁTICO-PROBATÓRIO.
I - Na origem, trata-se de ação objetivando a nomeação e posse em cargo de professor na Universidade agravante, desconsiderando a existência de impedimento em razão de impossibilidade de acumulação de cargos. Na sentença, julgou-se procedente o pedido. No Tribunal a quo, a sentença foi reformada para considerar a possibilidade de cumulação dos cargos.
II - Com relação à alegada afronta aos artigos 52 a 54 da Lei 9.394⁄1996, verifica-se que não foi analisado o conteúdo dos dispositivos legais, nem foram opostos embargos de declaração para tal fim, pelo que carece o recurso do indispensável requisito do prequestionamento. Incidência dos Enunciados Sumulares n. 282 e 356 do STF.
III - Não constando do acórdão recorrido análise sobre a matéria referida no dispositivo legal indicado no recurso especial, restava ao recorrente pleitear seu exame por meio de embargos de declaração, a fim de buscar o suprimento da suposta omissão e provocar o prequestionamento, o que não ocorreu na hipótese dos autos.
IV - Por outro lado, no tocante à validade da previsão do regime de dedicação exclusiva e a possibilidade de acumulação de cargos públicos, verifica-se que a questão controvertida foi decidida sob fundamento de cunho constitucional, transbordando os lindes específicos de cabimento do recurso especial.
V - Assim, concluindo-se que o acórdão recorrido, ao dispor sobre a matéria, cingiu-se à interpretação de regramentos e princípios constitucionais, tem-se inviabilizada a apreciação da questão por este Tribunal, estando a competência de tal exame jungida à Excelsa Corte, ex vi do disposto no art. 102 da Constituição Federal, sob pena de usurpação daquela competência.
VI - A propósito, confiram-se trechos do julgado recorrido, os quais corroboram o referido entendimento, litteris (fls. 688-689): "A decisão agravada considerou o caso em tela como abrangido pela exceção constitucional que permite a cumulação de cargos públicos, uma vez que os horários para exercício profissional foram tidos como compatíveis – já que cumpridos em turnos distintos - e foi reconhecida a inexistência de limite máximo de jornada por semana ou por dia, conforme posição do STJ. Tomou, ainda, como segundo argumento, a previsão editalícia de dedicação exclusiva como contrária à Constituição Federal, sendo, portanto, disciplina destituída de exigibilidade. A agravante, no curso do presente pleito, insiste em repisar as questões já suficientemente discutidas na decisão monocrática combatida. Afirma que o Decreto nº 94.664⁄87 continua em vigor e prevê o regime de dedicação exclusiva em dois turnos diários completos e que o regime editalício não foi alvo de qualquer impugnação, representando conduta fraudulenta sobre as regras estabelecidas. Contudo, tais argumentos se centram sobre conteúdo de caráter administrativo que não resiste à incompatibilidade com a Constituição Federal, nem podendo a autonomia de que goza a universidade pública conflitar com tal comando normativo superior.
VII - Nesse panorama, verificado que a matéria veiculada no recurso especial é própria de recurso extraordinário, apresenta-se evidente a incompetência do Superior Tribunal de Justiça para analisar a questão, sob pena de usurpação da competência do Supremo Tribunal Federal. No mesmo sentido: AgInt no AREsp n. 862.012⁄SP, Rel. Ministro Herman Benjamin, Segunda Turma, julgado em 9⁄8⁄2016, DJe 8⁄9⁄2016; AgInt no AREsp n. 852.002⁄SP, Rel. Ministro Mauro Campbell Marques, Segunda Turma, julgado em 21⁄6⁄2016, DJe 28⁄6⁄2016.
VIII - Considerando que há recurso extraordinário interposto,l é desnecessária a realização da providência prevista no art. 1.032 do CPC⁄2015.
IX - Ademais, rever as conclusões do Tribunal a quo acerca da existência ou não de previsão editalícia, bem como a sua validade, demandaria reexame do conjunto fático-probatório dos autos, e das próprias cláusulas editalícias, medida vedada em sede de recurso especial ante o óbice constante nos enunciados n. 7 e n. 5, da Súmula desta Corte Superior.
X - Agravo interno improvido.
ACÓRDÃO
Vistos, relatados e discutidos os autos em que são partes as acima indicadas, acordam os Ministros da Segunda Turma do Superior Tribunal de Justiça, por unanimidade, negar provimento ao agravo interno, nos termos do voto do (a) Sr (a). Ministro (a)-Relator (a)." Os Srs. Ministros Herman Benjamin, Og Fernandes, Mauro Campbell Marques e Assusete Magalhães votaram com o Sr. Ministro RelatorBrasília (DF), 27 de agosto de 2019 (Data do Julgamento)
MINISTRO FRANCISCO FALCÃO
Relator
RELATÓRIO
O EXMO. SR. MINISTRO FRANCISCO FALCÃO (Relator):

ALEXANDRE PINTO MOREIRA E OUTROS, manejaram ação em face do ESTADO DE CEARÁ e da FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ - UVA, com vistas ao direito de nomeação em concurso público, com a consequente posse e entrada em exercício nos cargos de Professor Auxiliar da Universidade Vale do Acaraú, bem como invalidar a exigência de regime de dedicação exclusiva.

Foi atribuída a causa o valor de R$ 400,00 (quatrocentos reais).

Por sentença, o pedido foi julgado procedente (fls. 317-318), confirmando a tutela antecipada concedida às fls. 49⁄50, com o escopo de assegurar aos autores o direito de serem imediatamente admitidos, tomar posse e entrar em exercício no cargo de Professor Auxiliar da Universidade Vale do Acaraú - UVA, previsto no Edital nº 05⁄2000, independentemente da exigência de regime de trabalho com dedicação exclusiva.

A decisão monocrática que julgou a apelação interposta conheceu do reexame necessário, para negar-lhe seguimento (fl. 590).

Trata-se de recurso especial interposto pela UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAU com fundamento no art. 105, III, a e c, da Constituição Federal, objetivando reformar o acórdão proferido pelo Tribunal de Justiça do Estado do Ceará, assim ementado (fl. 694):

PROCESSO CIVIL. AGRAVO REGIMENTAL EM REEXAME NECESSÁRIO. CONCURSO PARA PROFESSOR AUXILIAR DE UNIVERSIDADE. PREVISÃO DE DEDICAÇÃO EXCLUSIVA INCOMPATÍVEL COM A CONSTITUIÇÃO FEDERAL. COMPATIBILIDADE DE HORÁRIOS CONFIGURADA. AUSÊNCIA DE LIMITE A CARGA HORÁRIA MÁXIMA SEMANAL. RECURSO IMPROVIDO.
1. A previsão editalícia de dedicação exclusiva não resiste à possibilidade constitucional de cumulação no exercício de cargos públicos, não podendo disciplinas de caráter administrativo se sobrepor ao comando constitucional. Uma vez tidas por inconstitucionais as exigências, não de se reconhecer violação aos princípios regentes da Administração ou mesmo fraude ao edital.2. A compatibilidade de horários para cumulação de cargos, requisito para enquadramento dentro da exceção constitucional, mostra-se presente, não havendo qualquer previsão que limite a carga horária máxima semanal de exercício profissional público.
3. Agravo regimental conhecido e desprovido, mantendo-se inalterada a decisão monocrática lançada nos fólios processuais.

A UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAU interpôs recurso especial (fls. 728-749) alegando, em síntese: a validade do regime de dedicação exclusiva nos termos do art. 14, I, do Decreto 94.664⁄1987; afronta aos artigos 52 a 54 da Lei 9.394⁄1996; obrigatoriedade da vinculação ao edital e interpretação divergente dada a lei federal.

Apresentadas contrarrazões pela manutenção do acórdão recorrido (fls. 839-855).

O Ministério Público Federal opina pelo provimento do recurso especial, nos termos do parecer (fl. 896), que guarda a seguinte ementa:

RECURSO ESPECIAL. INTERPOSIÇÃO COM FUNDAMENTO NAS ALÍNEAS A E C, DO PERMISSIVO CONSTITUCIONAL. AÇÃO AJUIZADA POR PROMOTOR DE JUSTIÇA E JUIZES DE DIREITO. PRETENSÃO DE ACUMULAÇÃO DAS SUAS ATIVIDADES COM O CARGO DE PROFESSOR AUXILIAR DE UNIVERSIDADE ESTADUAL. IMPROCEDÊNCIA. EDITAL DO CERTAME QUE EXIGE DO DOCENTE O CUMPRIMENTO DA JORNADA DE 40 HORAS SEMANAIS, EM REGIME DE DEDICAÇÃO EXCLUSIVA. INCOMPATIBILIDADE DA PREVISÃO COM O EXERCÍCIO DE QUALQUER OUTRA ATIVIDADE REMUNERADA. LEGALIDADE DO REGIME DE TRABALHO ESTABELECIDO PELA INSTITUIÇÃO DE ENSINO. NECESSIDADE DE COMPATIBILIZAÇÃO DA AUTORIZAÇÃO CONSTITUCIONAL GENÉRICA DE ACUMULAÇÃO DE CARGOS COM O EDITAL E COM AS PARTICULARIDADES DA CARREIRA DO MAGISTÉRIO SUPERIOR ESCOLHIDA PELOS AUTORES. AFRONTA À LEI E DIVERGÊNCIA PRETORIANA CARACTERIZADAS. PRECEDENTES. PARECER PELO PROVIMENTO DO RECURSO.

A decisão monocrática tem o seguinte dispositivo:"Ante o exposto, com fundamento no art. 255, § 4º, I, do RI⁄STJ, não conheço do recurso especial.".

Interposto agravo interno, a parte agravante traz argumentos contrários aos fundamentos da decisão recorrida.

A parte agravada foi intimada para apresentar impugnação ao recurso.

É relatório.

VOTO
O EXMO. SR. MINISTRO FRANCISCO FALCÃO (Relator):

O recurso de agravo interno não merece provimento.

Nos termos do enunciado n. 568 da Súmula desta Corte Superior e do art. 255, § 4º, inciso III, do RISTJ, o relator está autorizado a decidir monocraticamente quando houver jurisprudência consolidada do Supremo Tribunal Federal ou do Superior Tribunal de Justiça. Assim, não há que se falar em ilegalidade relativamente a este ponto.

A parte agravante insiste nos mesmos argumentos já analisados na decisão recorrida.

Sem razão a parte agravante.

Com relação à alegada afronta aos artigos 52 a 54 da Lei 9.394⁄1996, verifica-se que não foi analisado o conteúdo dos dispositivos legais, nem foram opostos embargos de declaração para tal fim, pelo que carece o recurso do indispensável requisito do prequestionamento. Incidência dos Enunciados Sumulares n. 282 e 356 do STF, in verbis:

Súmula 282: É inadmissível o Recurso Extraordinário, quando não ventilada, na decisão recorrida, a questão federal suscitada.
Súmula 356. O ponto omisso da decisão, sobre o qual não foram opostos embargos declaratórios, não pode ser objeto de recurso extraordinário, por faltar o requisito do prequestionamento.

Não constando do acórdão recorrido análise sobre a matéria referida no dispositivo legal indicado no recurso especial, restava ao recorrente pleitear seu exame por meio de embargos de declaração, a fim de buscar o suprimento da suposta omissão e provocar o prequestionamento, o que não ocorreu na hipótese dos autos.

Por outro lado, no tocante à validade da previsão do regime de dedicação exclusiva e a possibilidade de acumulação de cargos públicos, verifica-se que a questão controvertida foi decidida sob fundamento de cunho constitucional, transbordando os lindes específicos de cabimento do recurso especial.

Assim, concluindo-se que o acórdão recorrido, ao dispor sobre a matéria, cingiu-se à interpretação de regramentos e princípios constitucionais, tem-se inviabilizada a apreciação da questão por este Tribunal, estando a competência de tal exame jungida à Excelsa Corte, ex vi do disposto no art. 102 da Constituição Federal, sob pena de usurpação daquela competência.

A propósito, confiram-se trechos do julgado recorrido, os quais corroboram o referido entendimento, litteris (fls. 688-689):

A decisão agravada considerou o caso em tela como abrangido pela exceção constitucional que permite a cumulação de cargos públicos, uma vez que os horários para exercício profissional foram tidos como compatíveis – já que cumpridos em turnos distintos - e foi reconhecida a inexistência de limite máximo de jornada por semana ou por dia, conforme posição do STJ. Tomou, ainda, como segundo argumento, a previsão editalícia de dedicação exclusiva como contrária à Constituição Federal, sendo, portanto, disciplina destituída de exigibilidade.
A agravante, no curso do presente pleito, insiste em repisar as questões já suficientemente discutidas na decisão monocrática combatida. Afirma que o Decreto 94.664⁄87 continua em vigor e prevê o regime de dedicação exclusiva em dois turnos diários completos e que o regime editalício não foi alvo de qualquer impugnação, representando conduta fraudulenta sobre as regras estabelecidas.
Contudo, tais argumentos se centram sobre conteúdo de caráter administrativo que não resiste à incompatibilidade com a Constituição Federal, nem podendo a autonomia de que goza a universidade pública conflitar com tal comando normativo superior.

Nesse panorama, verificado que a matéria veiculada no recurso especial é própria de recurso extraordinário, apresenta-se evidente a incompetência do Superior Tribunal de Justiça para analisar a questão, sob pena de usurpação da competência do Supremo Tribunal Federal.

No mesmo sentido, destaco os seguintes precedentes:

PROCESSUAL CIVIL E ADMINISTRATIVO. AGRAVO INTERNO NO AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL. OFENSA AO ART. 535 DO CPC. ALEGAÇÃO GENÉRICA. SÚMULA 284⁄STF. SERVIDOR PÚBLICO. ADICIONAL DE 20% DO ART. 184, II, DA LEI 1.711⁄52. CONTROVÉRSIA DIRIMIDA À LUZ DE FUNDAMENTOS EMINENTEMENTE CONSTITUCIONAIS. INVIABILIDADE DE EXAME EM RECURSO ESPECIAL. DIVERGÊNCIA JURISPRUDENCIAL NÃO COMPROVADA.
1. As partes agravantes sustentam que o Art. 535 do Código de Processo Civil foi violado, mas deixam de apontar o vício em que teria incorrido o acórdão impugnado. Assim, é inviável o conhecimento do Recurso Especial nesse ponto, ante o óbice da Súmula 284⁄STF.
2. Verifica-se que a matéria foi dirimida sob enfoque eminentemente constitucional. Descabe, pois, a esta Corte examinar a questão, porquanto reverter o julgado significa usurpar competência do STF.
3. A atual jurisprudência do STJ tem entendido que não é possível o conhecimento do Recurso Especial por violação do art. da LICC, uma vez que os princípios do direito adquirido, do ato jurídico perfeito e da coisa julgada, apesar de previstos em norma infraconstitucional, são institutos de natureza eminentemente constitucional. Precedentes: REsp 1.333.475⁄RJ, Rel. Ministra Eliana Calmon, Segunda Turma, DJe de 26.6.2013; AgRg no AREsp 224.095⁄RS, Rel. Ministro Humberto Martins, Segunda Turma, DJe de 24.5.2013.
4. A divergência jurisprudencial, nos termos do art. 541, parágrafo único, do CPC e do art. 255, § 1º, do RISTJ, exige comprovação e demonstração, esta, em qualquer caso, com a transcrição dos julgados que configurem o dissídio, a evidenciar a similitude fática entre os casos apontados e a divergência de interpretações, o que não ficou evidenciado na espécie.
5. Agravo interno não provido. (AgInt no AREsp n. 862.012⁄SP, Rel. Ministro Herman Benjamin, Segunda Turma, julgado em 9⁄8⁄2016, DJe 8⁄9⁄2016.)
PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO INTERNO NO AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL. SUBMISSÃO DO PRESENTE RECURSO À REGRA PREVISTA NO ENUNCIADO ADMINISTRATIVO 03⁄STJ. ITBI. VALOR VENAL. ACÓRDÃO RECORRIDO FULCRADO EM FUNDAMENTO EMINENTEMENTE CONSTITUCIONAL E EM LEI LOCAL. SÚMULA Nº 280⁄STF.
1. O acórdão recorrido negou provimento ao apelo da municipalidade com base em fundamento constitucional - princípio da legalidade, insculpido no art. 150, I, da Constituição Federal - ao afirmar que a legislação local deixou o prévio estabelecimento da base de cálculo do ITBI ao crivo de um órgão do Poder Executivo (Secretaria Municipal de Finanças), o que implicou em majoração do tributo acima dos limites inflacionários do período, por mero ato infralegal.
2. Inviável a análise da pretensão em sede de recurso especial, uma vez que a adoção pela instância ordinária de fundamento eminentemente constitucional na solução da lide, inviabiliza o conhecimento do recurso especial.
3. Ademais, o Tribunal a quo valeu-se da interpretação de legislação local (Decreto Municipal 46.228⁄2005 e Leis Municipais 11.154⁄1991 e 14.256⁄2006) para decidir a controvérsia. Na esteira da jurisprudência desta Corte Superior, nesses casos, não há a abertura da via especial, em virtude do óbice contido na Súmula 280⁄STF.
4. Agravo interno não provido. (AgInt no AREsp n. 852.002⁄SP, Rel. Ministro Mauro Campbell Marques, Segunda Turma, julgado em 21⁄6⁄2016, DJe 28⁄6⁄2016.)

Ademais, rever as conclusões do Tribunal a quo acerca da existência ou não de previsão editalícia, bem como a sua validade, demandaria reexame do conjunto fático-probatório dos autos, e das próprias cláusulas editalícias, medida vedada em sede de recurso especial ante o óbice constante nos enunciados n. 7 e n. 5, da Súmula desta Corte Superior.

Ante o exposto, não havendo razões para modificar a decisão recorrida, nego provimento ao agravo interno.

É o voto.

CERTIDÃO DE JULGAMENTO
SEGUNDA TURMA
AgInt no
Número Registro: 2018⁄0129231-9
REsp 1.744.398 ⁄ CE
Números Origem: 00355273520048060000 200102477230 355273520048060000
PAUTA: 27⁄08⁄2019 JULGADO: 27⁄08⁄2019
Relator
Exmo. Sr. Ministro FRANCISCO FALCÃO
Presidente da Sessão
Exmo. Sr. Ministro FRANCISCO FALCÃO
Subprocurador-Geral da República
Exmo. Sr. Dr. JOSÉ ELAERES MARQUES TEIXEIRA
Secretária
Bela. VALÉRIA ALVIM DUSI
AUTUAÇÃO
RECORRENTE : UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAU.
ADVOGADOS : JOSÉ CÂNDIDO LUSTOSA BITTENCOURT DE ALBUQUERQUE - CE004040
CARLOS ROBERTO MARTINS RODRIGUES - CE000718
PAULO DE TARSO VIEIRA RAMOS - CE012897
GIACOMINA MARIA AMELIA BORRINI DE FREITAS - CE030488
RECORRIDO : ALEXANDRE PINTO MOREIRA
RECORRIDO : DEMETRIO SAKER NETO
RECORRIDO : MAGNO GOMES DE OLIVEIRA
ADVOGADOS : VALMIR PONTES FILHO - CE002310
FRANCISCO CLÁUDIO DE ALMEIDA SANTOS E OUTRO (S) - DF012742
BEATRIZ DE PAIVA PONTES - CE022846
MARIO MARRATHMA LOPES DE OLIVEIRA - CE029699
INTERES. : ESTADO DO CEARÁ
PROCURADOR : JUVÊNCIO VASCONCELOS VIANA - CE006883
ASSUNTO: DIREITO ADMINISTRATIVO E OUTRAS MATÉRIAS DE DIREITO PÚBLICO - Servidor Público Civil - Regime Estatutário - Acumulação de Cargos
AGRAVO INTERNO
AGRAVANTE : UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAU.
ADVOGADOS : JOSÉ CÂNDIDO LUSTOSA BITTENCOURT DE ALBUQUERQUE - CE004040
CARLOS ROBERTO MARTINS RODRIGUES - CE000718
PAULO DE TARSO VIEIRA RAMOS - CE012897
GIACOMINA MARIA AMELIA BORRINI DE FREITAS - CE030488
AGRAVADO : ALEXANDRE PINTO MOREIRA
AGRAVADO : DEMETRIO SAKER NETO
AGRAVADO : MAGNO GOMES DE OLIVEIRA
ADVOGADOS : VALMIR PONTES FILHO - CE002310
FRANCISCO CLÁUDIO DE ALMEIDA SANTOS E OUTRO (S) - DF012742
BEATRIZ DE PAIVA PONTES - CE022846
MARIO MARRATHMA LOPES DE OLIVEIRA - CE029699
INTERES. : ESTADO DO CEARÁ
PROCURADOR : JUVÊNCIO VASCONCELOS VIANA - CE006883
CERTIDÃO
Certifico que a egrégia SEGUNDA TURMA, ao apreciar o processo em epígrafe na sessão realizada nesta data, proferiu a seguinte decisão:
"A Turma, por unanimidade, negou provimento ao agravo interno, nos termos do voto do (a) Sr (a). Ministro (a)-Relator (a)."
Os Srs. Ministros Herman Benjamin, Og Fernandes, Mauro Campbell Marques e Assusete Magalhães votaram com o Sr. Ministro Relator.

Documento: 1857406 Inteiro Teor do Acórdão - DJe: 30/08/2019
Disponível em: https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/859435146/agravo-interno-no-recurso-especial-agint-no-resp-1744398-ce-2018-0129231-9/inteiro-teor-859435278

Informações relacionadas

Tribunal Regional Federal da 1ª Região TRF-1 - APELAÇÃO EM MANDADO DE SEGURANÇA: AMS 1462 AP 2005.31.00.001462-1

Tribunal Regional Federal da 2ª Região
Jurisprudênciahá 7 anos

Tribunal Regional Federal da 2ª Região TRF-2 - Agravo de Instrumento: AG 000XXXX-68.2015.4.02.0000 RJ 000XXXX-68.2015.4.02.0000

Pedro Henrique Keller, Advogado
Modelosano passado

Agravo no TST 1.021 cpc agravo interno ou "agravinho"

Tribunal de Justiça de Minas Gerais
Jurisprudênciahá 3 anos

Tribunal de Justiça de Minas Gerais TJ-MG - Apelação Cível: AC 10024143298610001 MG

Alice Saldanha Villar, Advogado
Artigoshá 7 anos

Diferença entre prequestionamento explícito e implícito