jusbrasil.com.br
29 de Junho de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Superior Tribunal de Justiça STJ - EDcl no RECURSO ESPECIAL: EDcl no REsp 1518862 RN 2015/0049883-2

Superior Tribunal de Justiça
há 2 anos

Detalhes da Jurisprudência

Publicação

DJ 30/04/2020

Relator

Ministro NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO

Documentos anexos

Decisão MonocráticaSTJ_EDCL-RESP_1518862_439dc.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Decisão

EDcl no RECURSO ESPECIAL Nº 1.518.862 - RN (2015/0049883-2) RELATOR : MINISTRO NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO EMBARGANTE : MHAG SERVIÇOS E MINERAÇÃO S/A ADVOGADOS : CÉLIA BERNARDETE ROCHA DE ANDRADE - PE013699 PAULO HONORIO DE CASTRO JUNIOR E OUTRO (S) - MG140220 RODRIGO HENRIQUE PIRES E OUTRO (S) - MG143096 EMBARGADO : DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL - DNPM DECISÃO PROCESSUAL CIVIL E ADMINISTRATIVO. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO NO RECURSO ESPECIAL. AÇÃO RESCISÓRIA. AUSÊNCIA DE OMISSÃO, CONTRADIÇÃO, OBSCURIDADE OU ERRO MATERIAL. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO DA EMPRESA REJEITADOS. 1. Cuida-se de Embargos de Declaração opostos por MHAG SERVIÇOS E MINERAÇÃO S.A., em desfavor da decisão que negou provimento ao seu Recurso Especial, nos termos da seguinte ementa: PROCESSUAL CIVIL E ADMINISTRATIVO. RECURSO ESPECIAL EM AÇÃO RESCISÓRIA. HIPÓTESE EM QUE A CORTE REGIONAL ENTENDEU INEXISTENTES A OFENSA LITERAL À LEGISLAÇÃO E O ERRO DE FATO APONTADOS. INEXISTÊNCIA DE NULIDADE POR OFENSA AOS ARTS. 535 E 458, II DO CPC/1973. ENTENDIMENTO CONSOLIDADO DO STJ DE QUE A PRETENSÃO RECURSAL ESPECIAL ORIUNDA DE AÇÃO RESCISÓRIA ESTÁ RESTRITA À INTERPRETAÇÃO DO ART. 485 DO CPC/1973. ASSIM, HÁ NOS AUTOS, A VEICULAÇÃO DE RAZÕES RECURSAIS DISSOCIADAS DO FUNDAMENTO DO ACÓRDÃO. APLICAÇÃO DA SÚMULA 284/STF. PRECEDENTES DO STJ. DIVERGÊNCIA JURISPRUDENCIAL PREJUDICADA. AUSÊNCIA DE REALIZAÇÃO DO NECESSÁRIO COTEJO ANALÍTICO. RECURSO ESPECIAL DA EMPRESA NÃO CONHECIDO (fls. 661/678). 2. A parte embargante aduz que a decisão embargada incorreu em omissão quando não reconheceu a perda superveniente de objeto da Ação Rescisória em razão do cancelamento da cobrança em execução fiscal, a qual transitou em julgado, e, por isso, diante da ausência de interesse processual, o processo deveria ser extinto sem julgamento de mérito. Argumenta ainda que a parte embargada deu causa à ação e, por tal razão, deveria arcar com o ônus da sucumbência ou, quando menos, deveria ser declarada a inexistência de obrigação das partes em suportar os honorários sucumbenciais em razão da extinção do feito sem julgamento do mérito. 3. Não foi apresentada impugnação (fls. 485). 4. É o relatório. 5. Os Embargos de Declaração são modalidade recursal de integração e objetivam sanar obscuridade, contradição ou omissão, de maneira a permitir o exato conhecimento do teor do julgado. Eles não podem ser utilizados com a finalidade de sustentar eventual incorreção do decisum hostilizado ou de propiciar novo exame da própria questão de fundo. 6. Na hipótese dos autos, a decisão monocrática embargada consignou, claramente, a incidência da Súmula 284/STF, e afirmou que: a análise comparativa entre a fundamentação adotada no julgado recorrido e aquela constante do Apelo Raro demonstra a total ausência de correlação lógica entre elas, a revelar estarem as razões recursais dissociadas dos fundamentos do acórdão, que única e exclusivamente entendeu incabível a Ação Rescisória por não reconhecer a presença das hipóteses do art. 485, V e IX do CPC/1973 (fls. 667). 7. Dessa forma, observa-se que as alegações deduzidas revelam o caráter nitidamente infringente dos Aclaratórios, o que não se compatibiliza com a via dos Embargos. A parte embargante tenta rediscutir a decisão proferida como derradeira manifestação de inconformidade com o resultado do julgamento. 8. Esta Corte admite a atribuição de efeitos infringentes a Embargos de Declaração apenas quando o reconhecimento da existência de eventual omissão, contradição ou obscuridade acarretar, invariavelmente, a modificação do julgado, o que não se verifica na hipótese em tela. 9. Assim, na verdade, sob a pecha de omissão, a parte embargante busca ver sua decisão modificada, procedimento incompatível com os Embargos de Declaração. 10. Ante o exposto, rejeitam-se os Embargos de Declaração da Empresa. 11. Publique-se. 12. Intimações necessárias. Brasília, 15 de abril de 2020. NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO MINISTRO RELATOR
Disponível em: https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/859535434/edcl-no-recurso-especial-edcl-no-resp-1518862-rn-2015-0049883-2