jusbrasil.com.br
24 de Setembro de 2021
2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Superior Tribunal de Justiça STJ - RECURSO ESPECIAL : REsp 0036389-07.2016.8.16.0000 PR 2018/0136220-0

Superior Tribunal de Justiça
há 2 anos
Detalhes da Jurisprudência
Órgão Julgador
S2 - SEGUNDA SEÇÃO
Publicação
DJe 29/03/2019
Julgamento
13 de Fevereiro de 2019
Relator
Ministra NANCY ANDRIGHI
Documentos anexos
Inteiro TeorSTJ_RESP_1746072_59dd0.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Ementa

RECURSO ESPECIAL. PROCESSUAL CIVIL. CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL DE 2015. JUÍZO DE EQUIDADE NA FIXAÇÃO DE HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS DE SUCUMBÊNCIA. NOVAS REGRAS: CPC/2015, ART. 85, §§ 2ºE 8º.REGRA GERAL OBRIGATÓRIA (ART. 85, § 2º). REGRA SUBSIDIÁRIA (ART. 85, § 8º). PRIMEIRO RECURSO ESPECIAL PROVIDO. SEGUNDO RECURSO ESPECIAL DESPROVIDO.

1. O novo Código de Processo Civil - CPC/2015 promoveu expressivas mudanças na disciplina da fixação dos honorários advocatícios sucumbenciais na sentença de condenação do vencido.
2. Dentre as alterações, reduziu, visivelmente, a subjetividade do julgador, restringindo as hipóteses nas quais cabe a fixação dos honorários de sucumbência por equidade, pois: a) enquanto, no CPC/1973, a atribuição equitativa era possível: (a.I) nas causas de pequeno valor; (a.II) nas de valor inestimável; (a.III) naquelas em que não houvesse condenação ou fosse vencida a Fazenda Pública; e (a.IV) nas execuções, embargadas ou não (art. 20, § 4º); b) no CPC/2015 tais hipóteses são restritas às causas: (b.I) em que o proveito econômico for inestimável ou irrisório ou, ainda, quando (b.II) o valor da causa for muito baixo (art. 85, § 8º).
3. Com isso, o CPC/2015 tornou mais objetivo o processo de determinação da verba sucumbencial, introduzindo, na conjugação dos §§ 2º e do art. 85, ordem decrescente de preferência de critérios (ordem de vocação) para fixação da base de cálculo dos honorários, na qual a subsunção do caso concreto a uma das hipóteses legais prévias impede o avanço para outra categoria.
4. Tem-se, então, a seguinte ordem de preferência: (I) primeiro, quando houver condenação, devem ser fixados entre 10% e 20% sobre o montante desta (art. 85, § 2º); (II) segundo, não havendo condenação, serão também fixados entre 10% e 20%, das seguintes bases de cálculo: (II.a) sobre o proveito econômico obtido pelo vencedor (art. 85, § 2º); ou (II.b) não sendo possível mensurar o proveito econômico obtido, sobre o valor atualizado da causa (art. 85, § 2º); por fim, (III) havendo ou não condenação, nas causas em que for inestimável ou irrisório o proveito econômico ou em que o valor da causa for muito baixo, deverão, só então, ser fixados por apreciação equitativa (art. 85, § 8º).
5. A expressiva redação legal impõe concluir: (5.1) que o § 2º do referido art. 85 veicula a regra geral, de aplicação obrigatória, de que os honorários advocatícios sucumbenciais devem ser fixados no patamar de dez a vinte por cento, subsequentemente calculados sobre o valor: (I) da condenação; ou (II) do proveito econômico obtido; ou (III) do valor atualizado da causa; (5.2) que o § 8º do art. 85 transmite regra excepcional, de aplicação subsidiária, em que se permite a fixação dos honorários sucumbenciais por equidade, para as hipóteses em que, havendo ou não condenação: (I) o proveito econômico obtido pelo vencedor for inestimável ou irrisório; ou (II) o valor da causa for muito baixo.
6. Primeiro recurso especial provido para fixar os honorários advocatícios sucumbenciais em 10% (dez por cento) sobre o proveito econômico obtido. Segundo recurso especial desprovido.

Acórdão

Ministro RAUL ARAÚJO (1143)

Referências Legislativas

Disponível em: https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/859537444/recurso-especial-resp-1746072-pr-2018-0136220-0

Informações relacionadas

Tribunal de Justiça do Paraná
Jurisprudênciahá 4 anos

Tribunal de Justiça do Paraná TJ-PR - Agravo de Instrumento : AI 15868263 PR 1586826-3 (Acórdão)

AGRAVOS DE INSTRUMENTO NOS 1.586.826-3, 1.596.112-7 E 1.603.307-9 - 13ª CÂMARA CÍVEL.ORIGEM: 10ª VARA CÍVEL DE LONDRINA.AGRAVANTES: BANCO DO BRASIL S/A E LUMIBOX - INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA - EPP.AGRAVADOS: OS MESMOS.RELATOR: DES. FERNANDO FERREIRA DE MORAES.AGRAVOS DE INSTRUMENTO. AÇÃO REVISIONAL DE CONTA CORRENTE. …
Tribunal de Justiça do Paraná
Jurisprudênciahá 4 anos

Tribunal de Justiça do Paraná TJ-PR - Agravo de Instrumento : AI 16033079 PR 1603307-9 (Acórdão)

AGRAVOS DE INSTRUMENTO NOS 1.586.826-3, 1.596.112-7 E 1.603.307-9 - 13ª CÂMARA CÍVEL.ORIGEM: 10ª VARA CÍVEL DE LONDRINA.AGRAVANTES: BANCO DO BRASIL S/A E LUMIBOX - INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA - EPP.AGRAVADOS: OS MESMOS.RELATOR: DES. FERNANDO FERREIRA DE MORAES.AGRAVOS DE INSTRUMENTO. AÇÃO REVISIONAL DE CONTA CORRENTE. …
Tribunal de Justiça do Paraná
Jurisprudênciahá 4 anos

Tribunal de Justiça do Paraná TJ-PR - Agravo de Instrumento : AI 15961127 PR 1596112-7 (Acórdão)

AGRAVOS DE INSTRUMENTO NOS 1.586.826-3, 1.596.112-7 E 1.603.307-9 - 13ª CÂMARA CÍVEL.ORIGEM: 10ª VARA CÍVEL DE LONDRINA.AGRAVANTES: BANCO DO BRASIL S/A E LUMIBOX - INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA - EPP.AGRAVADOS: OS MESMOS.RELATOR: DES. FERNANDO FERREIRA DE MORAES.AGRAVOS DE INSTRUMENTO. AÇÃO REVISIONAL DE CONTA CORRENTE. …