jusbrasil.com.br
18 de Outubro de 2021
2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Superior Tribunal de Justiça
há 2 anos
Detalhes da Jurisprudência
Órgão Julgador
T4 - QUARTA TURMA
Publicação
DJe 29/11/2019
Julgamento
25 de Novembro de 2019
Relator
Ministro ANTONIO CARLOS FERREIRA
Documentos anexos
Inteiro TeorSTJ_AGINT-RESP_1787427_6b191.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

AgInt no RECURSO ESPECIAL Nº 1787427 - SP (2018/0335382-1)

RELATOR : MINISTRO ANTONIO CARLOS FERREIRA

AGRAVANTE : PAULO AFONSO FRANCA FONTOURA

AGRAVANTE : NOEMIA ROSA CORREA FONTOURA

AGRAVANTE : EMILIO AFONSO FRANCA FONTOURA

ADVOGADOS : SÍLVIO MENDONÇA FILHO - MG097617 ANA TERESA GUIMARÃES ZANHAR E OUTRO (S) -MG148130 TIAGO DE ALMEIDA MENDONCA - MG147680

AGRAVADO : COOPERATIVA DOS PLANTADORES DE CANA DO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO

ADVOGADOS : LEONARDO FRANCO VANZELA - SP217762 GUSTAVO MORO E OUTRO (S) - SP279981

EMENTA

PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO INTERNO NO RECURSO ESPECIAL. CEDULA DE PRODUTO RURAL FINANCEIRA. JUROS DE MORA. LIMITAÇÃO AO PERCENTUAL DE 1% AO ANO. NÃO INCIDÊNCIA. AUTONOMIA PRIVADA. SÚMULA N. 83 DO STJ. DECISÃO MANTIDA.

1. Há distinção entre a Cedula de Produto Rural e a Cédula de Crédito Rural (esta definida, pelo art. 9º do Decreto-Lei n. 167/1967, como a "promessa de pagamento em dinheiro", enquanto aquela é "representativa de promessa de entrega de produtos rurais", conforme art. da Lei n. 8.929/1994), cumprindo esclarecer que, para o título de crédito tratado neste recurso (CPR-F), vigora o princípio da autonomia privada, de maneira que os juros moratórios não estão limitados à taxa de 1% ao ano. Precedentes. Súmula n. 83 do STJ.

2. Agravo interno a que se nega provimento.

ACÓRDÃO

Vistos e relatados estes autos em que são partes as acima indicadas, acordam os Ministros da Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça, por unanimidade, negar provimento ao recurso, nos termos do voto do Sr. Ministro Relator.

Os Srs. Ministros Luis Felipe Salomão, Raul Araújo, Maria Isabel Gallotti e Marco Buzzi votaram com o Sr. Ministro Relator. Presidiu o julgamento o Sr. Ministro Marco Buzzi.

Brasília, 25 de novembro de 2019 (Data do Julgamento)

Ministro Antonio Carlos Ferreira

Relator

AgInt no RECURSO ESPECIAL Nº 1.787.427 - SP (2018/0335382-1)

RELATOR : MINISTRO ANTONIO CARLOS FERREIRA

AGRAVANTE : PAULO AFONSO FRANCA FONTOURA

AGRAVANTE : NOEMIA ROSA CORREA FONTOURA

AGRAVANTE : EMILIO AFONSO FRANCA FONTOURA

ADVOGADOS : SÍLVIO MENDONÇA FILHO - MG097617 ANA TERESA GUIMARÃES ZANHAR E OUTRO (S) - MG148130 TIAGO DE ALMEIDA MENDONCA - MG147680

AGRAVADO : COOPERATIVA DOS PLANTADORES DE CANA DO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO

ADVOGADOS : LEONARDO FRANCO VANZELA - SP217762 GUSTAVO MORO E OUTRO (S) - SP279981

RELATÓRIO

O EXMO. SR. MINISTRO ANTONIO CARLOS FERREIRA (Relator): Trata-se de agravo interno (e-STJ fls. 269/281) interposto contra decisão desta relatoria que deu provimento ao recurso especial para afastar a decisão que, com fundamento no parágrafo único do artigo 5º do Decreto-Lei n. 167/1967, limitou os juros moratórios na cedula de produto rural financeira em 1% (um por cento) ao ano.

Em suas razões, os agravantes alegam "nulidade das Cédulas de Produto Rural Financeira por ausência dos requisitos exigidos pelo art. 4º-A da Lei 8.929/1994 e extinguir a execução, conforme entendimento deste C. STJ, ou ao menos para aplicar ao caso a disciplina geral dos títulos de crédito rural prevista no Decreto-Lei nº 167/1967, inclusive o disposto no seu art. , visto que ausentes os aspectos essenciais da CPR-F previstos na Lei nº 8.929/1994" (e-STJ fl. 277).

Ao final, pedem a reconsideração da monocrática ou a apreciação do agravo pelo Colegiado, para manter "a decisão de primeira instância e acórdão do Eg. TJSP que acertadamente limitaram a taxa de juros moratórios a 1% ao ano, por força do art. 5º, parágrafo único, do Decreto-Lei nº 167/97" (e-STJ fl. 280).

A agravada apresentou contrarrazões (e-STJ fls. 284/299), afirmando que o Decreto-Lei n. 167/1967 é inaplicável à Cedula de Produto Rural Financeira (CPR–F) e alegando falta de interesse recursal, porque "a discussão envolvendo a alegada ofensa ao art. 4º-A da Lei nº 8.929/1994 foi objeto de recurso autônomo, interposto pelos próprios Agravantes, contra o mesmo v. acórdão do E. TJSP que deu ensejo a este recurso, pretensão que chegou a esta Corte Superior no âmbito do AREsp. nº 1.459.470/SP, que sequer foi conhecido, transitou em julgado e foi baixado à origem" (e-STJ fl. 290).

É o relatório.

AgInt no RECURSO ESPECIAL Nº 1.787.427 - SP (2018/0335382-1)

RELATOR : MINISTRO ANTONIO CARLOS FERREIRA

AGRAVANTE : PAULO AFONSO FRANCA FONTOURA

AGRAVANTE : NOEMIA ROSA CORREA FONTOURA

AGRAVANTE : EMILIO AFONSO FRANCA FONTOURA

ADVOGADOS : SÍLVIO MENDONÇA FILHO - MG097617 ANA TERESA GUIMARÃES ZANHAR E OUTRO (S) - MG148130 TIAGO DE ALMEIDA MENDONCA - MG147680

AGRAVADO : COOPERATIVA DOS PLANTADORES DE CANA DO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO

ADVOGADOS : LEONARDO FRANCO VANZELA - SP217762 GUSTAVO MORO E OUTRO (S) - SP279981 EMENTA

PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO INTERNO NO RECURSO ESPECIAL. CEDULA DE PRODUTO RURAL FINANCEIRA. JUROS DE MORA. LIMITAÇÃO AO PERCENTUAL DE 1% AO ANO. NÃO INCIDÊNCIA. AUTONOMIA PRIVADA. SÚMULA N. 83 DO STJ. DECISÃO MANTIDA.

1. Há distinção entre a Cedula de Produto Rural e a Cédula de Crédito Rural (esta definida, pelo art. 9º do Decreto-Lei n. 167/1967, como a "promessa de pagamento em dinheiro", enquanto aquela é "representativa de promessa de entrega de produtos rurais", conforme art. da Lei n. 8.929/1994), cumprindo esclarecer que, para o título de crédito tratado neste recurso (CPR-F), vigora o princípio da autonomia privada, de maneira que os juros moratórios não estão limitados à taxa de 1% ao ano. Precedentes. Súmula n. 83 do STJ.

2. Agravo interno a que se nega provimento.

AgInt no RECURSO ESPECIAL Nº 1.787.427 - SP (2018/0335382-1)

RELATOR : MINISTRO ANTONIO CARLOS FERREIRA

AGRAVANTE : PAULO AFONSO FRANCA FONTOURA

AGRAVANTE : NOEMIA ROSA CORREA FONTOURA

AGRAVANTE : EMILIO AFONSO FRANCA FONTOURA

ADVOGADOS : SÍLVIO MENDONÇA FILHO - MG097617 ANA TERESA GUIMARÃES ZANHAR E OUTRO (S) - MG148130 TIAGO DE ALMEIDA MENDONCA - MG147680

AGRAVADO : COOPERATIVA DOS PLANTADORES DE CANA DO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO

ADVOGADOS : LEONARDO FRANCO VANZELA - SP217762 GUSTAVO MORO E OUTRO (S) - SP279981

VOTO

O EXMO. SR. MINISTRO ANTONIO CARLOS FERREIRA (Relator): A

insurgência não merece ser acolhida.

Os agravantes não trouxeram nenhum argumento capaz de afastar os termos

da decisão agravada, motivo pelo qual deve ser mantida por seus próprios fundamentos

(e-STJ fls. 263/266):

Trata-se de recurso especial interposto contra acórdão assim ementado (e-STJ fl. 172):

CEDULA DE PRODUTO RURAL FINANCEIRA - EXCEÇÃO DE PRÉ-EXECUTIVIDADE - JUROS MORATÓRIOS - LIMITAÇÃO A 1% AO ANO - APLICAÇÃO DO ART. DO DECRETO-LEI Nº 167/67 -ADMISSIBILIDADE - VIA ADEQUADA - RECURSO IMPROVIDO.

O recurso especial (e-STJ fls. 176/190), fundamentado no art. 105, inc. III, alínea c, da CF, aponta dissídio jurisprudencial quanto à interpretação do disposto no art. , parágrafo único, do Decreto-Lei n. 167/1967, e defende a manutenção dos "encargos moratórios livremente pactuados entre as partes no título, ou então, subsidiariamente e quando muito, que sejam os juros moratórios sejam limitados a 12% ao ano, de acordo com a Lei de Usura, por ser medida de inteira e lídima Justiça" (e-STJ fl. 189).

Foram apresentadas contrarrazões (e-STJ fls. 247/255).

É o relatório.

Decido.

Cuida-se, na origem, de execução de título extrajudicial ajuizada por Cooperativa dos Plantadores de Cana do Oeste do Estado de São Paulo contra Paulo Afonso Franca Fontoura e Outros.

O magistrado de primeiro grau acolheu em parte a exceção de pré-executividade, sob o entendimento de que, "quanto aos juros moratórios, em que pese os princípios contratuais, de fato, a taxa de 3% ao mês ultrapassa o limite legal estabelecido no parágrafo único, do artigo , do decreto-lei 167/67. Nesse sentido, também já se pronunciou o E. Supremo Tribunal Federal, no Agravo de Instrumento nº 242.244-RS, Rel. Ministro Marco Aurélio Melo: 'o art. 5º, parágrafo único, do Decreto-lei nº 167/97 permite que na cédula de crédito rural sejam fixados juros de mora, em caso de inadimplemento, equivalentes a até 1% ao ano, conforme jurisprudência pacífica da Corte'. Logo, tratando-se de juros moratórios, [estarão] limitados à taxa de 1% ao ano, por força do referido dispositivo legal" (e-STJ fl. 28).

Irresignada, a cooperativa interpôs agravo de instrumento requerendo a "reforma parcial da decisão agravada, para o fim de se afastar a aplicação do Decreto-Lei 167/67, em especial, a limitação dos juros moratórios de 1% ao ano, posto que não se aplica ao caso em tela, já que, conforme comprovado as regras do referido Decreto-Lei não se GMACF 19.1

REsp 1787427 Petição : 588042/2019 C542560449881890164854@ C58461450<098032425458@

2018/0335382-1 Documento Página 3 de 7

aplicam as Cedula de Produto Rural Financeira" (e-STJ fl. 16).

O Tribunal de origem, negou provimento ao recurso, concluindo que (e-STJ fls. 172/173):

A questão não é dependente de provas ou detido exame, sendo suficiente a leitura de cláusula da cedula de produto rural financeira que, no inadimplemento, contempla a incidência de juros moratórios à taxa de 3% ao mês, até sua efetiva liquidação.

(...)

Firmou o STJ orientação de que a cedula de produto rural tem a mesma natureza jurídica da cédula de crédito rural, estando, portanto, submetida ao mesmo regramento, inclusive, pois, quanto aos juros de mora, limitados em 1%(um por cento) ao ano nos termos do art. do Decreto-lei nº 167/67 (Ag no AREsp 906114/PR, Rel. Min. Raul Araújo, Dje 21.10.2016; RMS 10272/RS, Rel. Min. Cesar Asfor Rocha, DJ 15.10.2001).

No entanto, conforme asseverei em voto no REsp n. 1.049.984/MS (de minha relatoria, QUARTA TURMA, julgado em 3/10/2017, DJe 9/10/2017), há distinção entre a Cedula de Produto Rural e a Cédula de Crédito Rural (esta definida, pelo art. 9º do Decreto-Lei n. 167/1967, como a "promessa de pagamento em dinheiro", enquanto aquela é "representativa de promessa de entrega de produtos rurais", conforme art. da Lei n. 8.929/1994), cumprindo esclarecer que, para o título de crédito tratado neste recurso (CPR-F), vigora o princípio da autonomia privada. Confira-se a ementa do julgado:

DIREITO EMPRESARIAL. RECURSO ESPECIAL. TÍTULOS DE CRÉDITO. CEDULA DE PRODUTO RURAL. AQUISIÇÃO DE INSUMOS PARA PLANTIO. POSSIBILIDADE.

1. Historicamente, reconhece-se a Cedula de Produto Rural como um título de crédito apto para formalizar o emprego do capital privado no fomento do setor do agronegócio.

2. A CPR pode instrumentalizar uma compra e venda mercantil, como a referida no caso dos autos, podendo ser emitida para representar qualquer negócio jurídico em que o produtor rural assume a obrigação de entregar seu produto ao outro contratante.

3. O art. 2º da Lei n. 5.474/1968 proíbe ao vendedor das mercadorias sacar título diverso da duplicata, mas não impede o comprador de fazê-lo.

4. A CPR é regida pelo princípio da autonomia privada, autorizando a pactuação dos juros de mora à taxa anual de 12% (doze por cento), percentual que não viola o disposto no Decreto n. 22.626/1933.

5. Recurso especial a que se nega provimento.

Desse modo, conforme destacado pelo Ministro MARCO AURÉLIO BELLIZZE, no AgInt no REsp n. 1.440.510/MG (TERCEIRA TURMA, julgado em 18/3/2019, DJe 22/3/2019), "Quanto ao mérito, importante assinalar que, de fato, há alguma semelhança entre a Cédula de Crédito Rural - CCR e a Cedula de Produto Rural -CPR, no que tange a aspectos formais dos títulos, como assinalado pela Quarta Turma do STJ no julgamento do RMS 10.272-RS, de relatoria do Min. Cesar Asfor Rocha, citado pelo recorrente em suas razões. Contudo, não há norma jurídica que determine a aplicação do decreto-lei de regência das CCR às CPR, quanto aos aspectos materiais, pois, caso existisse uma norma que as equiparasse, retirar-se-ia a maior utilidade da CPR-F, que é justamente servir de alternativa à CCR, esta submetida a um rigoroso dirigismo contratual, principalmente no que tange aos juros remuneratórios e aos encargos da mora. De outro lado, nota-se que a CPR é regida pelo princípio da autonomia privada, com maior liberdade contratual entre as partes, que poderão estabelecer os encargos entabulados, bem como fixar prazos de pagamento, com a finalidade de fornecer ao recorrente recursos financeiros para custear sua atividade agrícola". Esta a ementa do julgado:

AGRAVO INTERNO NO RECURSO ESPECIAL. EMBARGOS À EXECUÇÃO. 1. JULGAMENTO MONOCRÁTICO. SÚMULA 568/STJ. 2. NEGATIVA DE PRESTAÇÃO JURISDICIONAL. NÃO OCORRÊNCIA. 3. GMACF 19.1

REsp 1787427 Petição : 588042/2019 C542560449881890164854@ C58461450<098032425458@

2018/0335382-1 Documento Página 4 de 7

CEDULA DE PRODUTO RURAL. IMPOSIÇÃO DE CONTRATAÇÃO DE SEGURO OBRIGATÓRIO. APLICAÇÃO ANALÓGICA DA LEGISLAÇÃO DE REGÊNCIA DA CÉDULA DE CRÉDITO RURAL. IMPOSSIBILIDADE. 4. AGRAVO INTERNO DESPROVIDO.

1. Súmula 568/STJ: "O relator, monocraticamente e no Superior Tribunal de Justiça, poderá dar ou negar provimento ao recurso quando houver entendimento dominante acerca do tema."

2. Verifica-se que o Tribunal de origem analisou todas as questões relevantes para a solução da lide, de forma fundamentada, não havendo que se falar em negativa de prestação jurisdicional.

3. Não obstante haja alguma semelhança entre a Cédula de Crédito Rural -CCR e a Cedula de Produto Rural - CPR, no que tange a aspectos formais dos títulos, não há norma jurídica que determine a aplicação do decreto-lei de regência das CCR às CPR, quanto aos aspectos materiais, pois, caso existisse, retirar-se-ia a maior utilidade da CPR, que é justamente servir de alternativa à CCR, esta submetida a um rigoroso dirigismo contratual.

4. Agravo interno desprovido.

Desse modo, deve ser reformada a decisão que, com fundamento no parágrafo único do artigo 5º do Decreto-Lei n. 167/1967, limitou os juros moratórios, na cedula de produto rural financeira, em 1% (um por cento) ao ano.

A propósito:

AGRAVO INTERNO NO RECURSO ESPECIAL. CEDULA DE PRODUTO RURAL (CPR). JUROS DE MORA. AUTONOMIA PRIVADA. LIMITAÇÃO AO PERCENTUAL DE 1% AO ANO. NÃO INCIDÊNCIA. AGRAVO NÃO PROVIDO.

1. A CPR é regida pelo princípio da autonomia privada, ao contrário da cédula de crédito rural, de maneira que os juros moratórios não estão limitados à taxa de 1% ao ano.

2. Agravo interno não provido.

(AgInt no REsp n. 1.569.408/MT, Relator Ministro LÁZARO GUIMARÃES – Desembargador Convocado do TRF da 5ª Região –, QUARTA TURMA, julgado em 21/6/2018, DJe 1º/8/2018.)

RECURSOS ESPECIAIS. CIVIL E PROCESSUAL CIVIL. CPC/1973. CEDULA DE PRODUTO RURAL FINANCEIRA - CPR-F. EMBARGOS À EXECUÇÃO. DESVIO DE FINALIDADE. JUROS DE MORA. MULTA MORATÓRIA.

1. RECURSO ESPECIAL DO EXECUTADO/EMBARGANTE:

1.1. Controvérsia acerca da execução de uma Cedula de Produto Rural Financeira (CPR-F), proposta pelo segundo endossatário do título.

1.2. Ausência de vinculação da CPR a uma anterior concessão de crédito ao produtor rural (exegese da Lei 8.929/1994), uma vez que a CPR é considerada um título de crédito não causal. Doutrina sobre o tema.

1.3. Inocorrência de nulidade do título por desvio de finalidade na hipótese em que o emitente alega não ter recebido pagamento antecipado pelos produtos descritos na cártula. Julgados desta Corte Superior.

1.4. Impossibilidade de se acolher, no curso da execução proposta pelo endossatário, alegação de inexistência do negócio jurídico subjacente à CPR, tendo em vista a inoponibilidade das exceções pessoais ao endossatário de boa-fé (art. 17 da Lei Uniforme de Genébra - LUG). Doutrina sobre o tema.

1.5. Aplicabilidade subsidiária da LUG à CPR, 'ex vi' do art. 10 da Lei 8.929/94.

1.6. Inviabilidade de se contrastar o entendimento do Tribunal de origem acerca da boa-fé do segundo endossatário, em razão do óbice da Súmula 7/STJ.

1.7. Inaplicabilidade da limitação dos juros moratórios a 1% ao ano, prevista GMACF 19.1

REsp 1787427 Petição : 588042/2019 C542560449881890164854@ C58461450<098032425458@

2018/0335382-1 Documento Página 5 de 7

no art. , p. u., do Decreto-Lei 167/1967, por se tratar de norma específica da Cédula de Crédito Rural - CCR.

1.8. Distinção entre a CPR e a CCR, quanto à autonomia da vontade das partes, sendo esta ampla na CPR e restrita na CCR. Doutrina sobre o tema. 2. RECURSO ESPECIAL DO EXEQUENTE/EMBARGADO:

2.1. Controvérsia acerca da aplicabilidade do Código de Defesa do Consumidor à hipótese dos autos.

2.2. Inaplicabilidade do Código de Defesa do Consumidor ao negócio jurídico estabelecido entre cooperativa e cooperado, quando se tratar de ato cooperativo típico (cf. art. 79 da Lei 5.764/71). Julgados desta Corte e doutrina especializada sobre o tema.

2.3. Hipótese em que a CPR-F teria sido emitida para capitalizar uma cooperativa agrícola, conforme constou no acórdão recorrido, tratando-se, portanto, de ato cooperativo típico, não havendo falar em relação de consumo.

2.4. Inaplicabilidade do conceito de consumidor equiparado do art. 29 do CDC, devido à inocorrência de uma prática comercial abusiva dirigida ao mercado de consumo. Doutrina sobre o tema.

2.5. Validade da multa moratória pactuada em 10% do valor da dívida, não se aplicando o limite de 2% previsto no art. 52, § 1º, do Código de Defesa do Consumidor.

2.6. Redistribuição dos encargos sucumbenciais.

3. RECURSO ESPECIAL DO EMBARGANTE DESPROVIDO E RECURSO ESPECIAL DO EMBARGADO PROVIDO.

(REsp n. 1.435.979/SP, Relator Ministro PAULO DE TARSO SANSEVERINO, TERCEIRA TURMA, julgado em 30/3/2017, DJe 5/5/2017.)

Diante do exposto, DOU PROVIMENTO ao recurso especial para afastar a decisão que, com fundamento no parágrafo único do artigo 5º do Decreto-Lei n. 167/1967, limitou os juros moratórios na cedula de produto rural financeira em 1% (um por cento) ao ano.

Publique-se e intimem-se.

Conforme destacado na decisão agravada, a jurisprudência do STJ entende

que "A CPR é regida pelo princípio da autonomia privada, ao contrário da cédula de crédito

rural, de maneira que os juros moratórios não estão limitados à taxa de 1% ao ano" (AgInt no

REsp n. 1.569.408/MT, Relator Ministro LÁZARO GUIMARÃES – Desembargador

convocado do TRF 5ª Região –, QUARTA TURMA, julgado em 21/6/2018, DJe 1º/8/2018).

Ademais, observe-se que a insurgência recursal relativa ao preenchimento dos

requisitos legais do art. 4º-A da Lei n. 8.929/1994 para a liquidação financeira das cédulas de

produto rural não foi debatida pelo acórdão recorrido nem constou das contrarrazões de

recurso especial (e-STJ fls. 247/255), caracterizando-se como indevida inovação recursal.

Aliás, tal insurgência foi objeto de outro recurso, no caso, o AREsp n. 1.459.470/SP interposto

pelos ora agravantes, do qual não se conheceu por aplicação da Súmula n. 182 do STJ –

autos com trânsito em julgado certificado em 13/9/2019.

Assim, não prosperam as alegações constantes no recurso, incapazes de

alterar os fundamentos da decisão impugnada.

Diante do exposto, NEGO PROVIMENTO ao agravo interno.

É como voto.

TERMO DE JULGAMENTO

QUARTA TURMA

AgInt no REsp 1.787.427 / SP

Número Registro: 2018/0335382-1 PROCESSO ELETRÔNICO

Número de Origem:

20849723920188260000 10079992020158260597

Sessão Virtual de 19/11/2019 a 25/11/2019

Relator do AgInt

Exmo. Sr. Ministro ANTONIO CARLOS FERREIRA

Presidente da Sessão

Exmo. Sr. Ministro MARCO BUZZI

AUTUAÇÃO

RECORRENTE : COOPERATIVA DOS PLANTADORES DE CANA DO OESTE DO ESTADO DE SÃO

PAULO

ADVOGADOS : LEONARDO FRANCO VANZELA - SP217762 GUSTAVO MORO E OUTRO (S) - SP279981

RECORRIDO : PAULO AFONSO FRANCA FONTOURA

RECORRIDO : NOEMIA ROSA CORREA FONTOURA

RECORRIDO : EMILIO AFONSO FRANCA FONTOURA

ADVOGADOS : SÍLVIO MENDONÇA FILHO - MG097617 ANA TERESA GUIMARÃES ZANHAR - MG148130 TIAGO DE ALMEIDA MENDONCA - MG147680

ASSUNTO : DIREITO CIVIL - OBRIGAÇÕES - ESPÉCIES DE TÍTULOS DE CRÉDITO - CÉDULA

DE PRODUTO RURAL

AGRAVO INTERNO

AGRAVANTE : PAULO AFONSO FRANCA FONTOURA

AGRAVANTE : NOEMIA ROSA CORREA FONTOURA

AGRAVANTE : EMILIO AFONSO FRANCA FONTOURA

ADVOGADOS : SÍLVIO MENDONÇA FILHO - MG097617 ANA TERESA GUIMARÃES ZANHAR E OUTRO (S) - MG148130 TIAGO DE ALMEIDA MENDONCA - MG147680

AGRAVADO : COOPERATIVA DOS PLANTADORES DE CANA DO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO

ADVOGADOS : LEONARDO FRANCO VANZELA - SP217762

GUSTAVO MORO E OUTRO (S) - SP279981

TERMO

A Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça, por unanimidade, decidiu negar provimento a recurso, nos termos do voto do Sr. Ministro Relator.

Os Srs. Ministros Luis Felipe Salomão, Raul Araújo, Maria Isabel Gallotti e Marco Buzzi votaram com o Sr. Ministro Relator.

Presidiu o julgamento o Sr. Ministro Marco Buzzi.

Brasília, 25 de novembro de 2019

Disponível em: https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/860010818/agravo-interno-no-recurso-especial-agint-no-resp-1787427-sp-2018-0335382-1/inteiro-teor-860010828

Informações relacionadas

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 2 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - RECURSO ESPECIAL : REsp 2084972-39.2018.8.26.0000 SP 2018/0335382-1

RECURSO ESPECIAL Nº 1.787.427 - SP (2018/0335382-1) RELATOR : MINISTRO ANTONIO CARLOS FERREIRA RECORRENTE : COOPERATIVA DOS PLANTADORES DE CANA DO OESTE DO ESTADO DE SAO PAULO ADVOGADOS : LEONARDO FRANCO VANZELA - SP217762 GUSTAVO MORO E OUTRO(S) - SP279981 RECORRIDO : PAULO AFONSO FRANCA FONTOURA RECORRIDO : NOEMIA ROSA …
Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 4 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - RECURSO ESPECIAL : REsp 0055319-48.2015.8.11.0000 MT 2015/0283759-5

RECURSO ESPECIAL Nº 1.569.408 - MT (2015/0283759-5) RELATOR : MINISTRO LÁZARO GUIMARAES (DESEMBARGADOR CONVOCADO DO TRF 5ª REGIAO) RECORRENTE : BANCO DO BRASIL S/A ADVOGADO : ANELY DE MORAES PEREIRA MERLIN E OUTRO(S) - MT013571B RECORRIDO : AMAURY JOSE GUOLO RECORRIDO : GEROMIM ANTÔNIO GUOLO RECORRIDO : SELINA DELESIA …
Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 4 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - RECURSO ESPECIAL : REsp 9086747-19.2008.8.26.0000 SP 2014/0031826-4

RECURSOS ESPECIAIS. CIVIL E PROCESSUAL CIVIL. CPC/1973. CÉDULA DE PRODUTO RURAL FINANCEIRA - CPR-F. EMBARGOS À EXECUÇÃO. DESVIO DE FINALIDADE. JUROS DE MORA. MULTA MORATÓRIA. 1. RECURSO ESPECIAL DO EXECUTADO/EMBARGANTE: 1.1. Controvérsia acerca da execução de uma Cédula de Produto Rural Financeira (CPR-F), proposta pelo …