jusbrasil.com.br
22 de Janeiro de 2022
2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Superior Tribunal de Justiça
há 4 anos
Detalhes da Jurisprudência
Órgão Julgador
T6 - SEXTA TURMA
Publicação
DJe 03/04/2018
Julgamento
22 de Março de 2018
Relator
Ministro ROGERIO SCHIETTI CRUZ
Documentos anexos
Inteiro TeorSTJ_AGRG-ARESP_1022289_d76a9.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

Superior Tribunal de Justiça
Revista Eletrônica de Jurisprudência
Exportação de Auto Texto do Word para o Editor de Documentos do STJ
AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 1.022.289 - AL (2016⁄0313822-2)
RELATOR : MINISTRO ROGERIO SCHIETTI CRUZ
AGRAVANTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
AGRAVADO : LEONARDO JOSE DA SILVA
ADVOGADO : DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE ALAGOAS
INTERES. : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE ALAGOAS
EMENTA
AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL. TRÁFICO DE DROGAS. DOSIMETRIA. FRAÇÃO DA MINORANTE PREVISTA NO ART. 33, § 4º, DA LEI N. 11.343⁄2006. BIS IN IDEM . AGRAVO REGIMENTAL NÃO PROVIDO.
1. O Tribunal a quo aplicou a fração mínima de redução relativa ao tráfico privilegiado valendo-se, para tanto, da mesma circunstância judicial – a culpabilidade – já utilizada para recrudescer a pena-base, em flagrante ofensa ao princípio do ne bis in idem .
2. A alteração, por este Superior Tribunal, do quantum de diminuição de pena na terceira fase da dosimetria não se traduz em inobservância ao princípio do livre convencimento motivado, mas em controle de legalidade e de constitucionalidade dos critérios empregados pelas instâncias ordinárias na dosimetria da pena, bem como em correção de uma evidente discrepância na reprimenda imposta ao acusado.
3. Agravo regimental não provido.
ACÓRDÃO
Vistos e relatados estes autos em que são partes as acima indicadas, acordam os Ministros da Sexta Turma, por unanimidade, negar provimento ao agravo regimental, nos termos do voto do Sr. Ministro Relator. Os Srs. Ministros Nefi Cordeiro, Antonio Saldanha Palheiro e Sebastião Reis Júnior votaram com o Sr. Ministro Relator. Ausente, justificadamente, a Sra. Ministra Maria Thereza de Assis Moura.
Brasília (DF), 22 de março de 2018
Ministro ROGERIO SCHIETTI CRUZ
AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 1.022.289 - AL (2016⁄0313822-2)
RELATOR : MINISTRO ROGERIO SCHIETTI CRUZ
AGRAVANTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
AGRAVADO : LEONARDO JOSE DA SILVA
ADVOGADO : DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE ALAGOAS
INTERES. : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE ALAGOAS
RELATÓRIO
O SENHOR MINISTRO ROGERIO SCHIETTI CRUZ:

O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL interpõe agravo regimental contra decisão de minha relatoria, em que conheci do agravo para dar parcial provimento ao recurso especial, a fim de aplicar a minorante prevista no art. 33, § 4º, da Lei n. 11.343⁄2006 no patamar máximo de 2⁄3 e, por conseguinte, readequar a pena imposta ao ora agravado, tornando-a definitiva em 1 ano e 8 meses de reclusão, em regime inicial fechado, mais 166 dias-multa.

O agravante postula o restabelecimento do emprego da fração mínima de diminuição da pena (um sexto), "porque não [...] são integralmente favoráveis [ao réu] as circunstâncias judiciais do art. 59 do CP" (fl. 277).

Requer a reconsideração do decisum anteriormente proferido ou a submissão do feito a julgamento pelo órgão colegiado, para que seja mantida a reprimenda estabelecida ao acusado pelo Tribunal estadual.

AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 1.022.289 - AL (2016⁄0313822-2)
EMENTA
AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL. TRÁFICO DE DROGAS. DOSIMETRIA. FRAÇÃO DA MINORANTE PREVISTA NO ART. 33, § 4º, DA LEI N. 11.343⁄2006. BIS IN IDEM . AGRAVO REGIMENTAL NÃO PROVIDO.
1. O Tribunal a quo aplicou a fração mínima de redução relativa ao tráfico privilegiado valendo-se, para tanto, da mesma circunstância judicial – a culpabilidade – já utilizada para recrudescer a pena-base, em flagrante ofensa ao princípio do ne bis in idem .
2. A alteração, por este Superior Tribunal, do quantum de diminuição de pena na terceira fase da dosimetria não se traduz em inobservância ao princípio do livre convencimento motivado, mas em controle de legalidade e de constitucionalidade dos critérios empregados pelas instâncias ordinárias na dosimetria da pena, bem como em correção de uma evidente discrepância na reprimenda imposta ao acusado.
3. Agravo regimental não provido.
VOTO
O SENHOR MINISTRO ROGERIO SCHIETTI CRUZ (Relator):

Em que pesem os argumentos despendidos pelo ora agravante, entendo que não lhe assiste razão.

Em primeira instância, o ora agravado foi condenado à pena de 6 anos de reclusão, no regime inicial fechado, mais 600 dias-multa, como incurso no art. 33, caput, da Lei n. 11.343⁄2006.

Irresignada, a defesa interpôs apelação criminal perante a Corte estadual, que lhe deu parcial provimento, "apenas para modificar a avaliação dos motivos do crime, aplicar a atenuante da menoridade, prevista no art. 65, I, do CP e reconhecer a presença da causa de diminuição da pena prevista no art. 33, § 4º, da Lei n.º 11.343⁄06, redimensionando, assim, a sanção aplicada ao Apelante, para fixá-la em 4 (quatro) anos e 2 (dois) meses de reclusão, em regime inicialmente fechado, de acordo com o art. 33, § 3º, do CP e ao pagamento de 420 (quatrocentos e vinte) dias-multa, à proporção de 1⁄30 (um trigésimo) do salário mínimo vigente à época dos fatos" (fls. 183-184).

A reprimenda ficou assim individualizada (fls. 191-196, destaquei):

Pontuou o Apelante que a fundamentação utilizada pelo Juiz da causa para considerar desfavorável os motivos do crime é inerente ao próprio tipo penal, não podendo, portanto, ser mantida.
Pois bem. Vejamos o que o Magistrado dispôs em sua sentença:
[...] Analisadas as diretrizes do art. 59 do Código Penal e do art. 42 da Lei de Drogas, denota-se que o réu agiu com culpabilidade intensa, uma vez que premeditou a prática do delito, inclusive sendo conhecido no local como traficante assíduo de drogas ; o réu é possuidor de bons antecedentes, uma vez que não há nos autos certidão cartorária judicial que noticie a existência de uma condenação anterior transitada em julgado, contra si imposta, pela prática de fato delituoso (STJ, HC 49253⁄DF, Rel. Min. Paulo Medina, 6ª Turma, DJ 01⁄08. 2006); não há elementos nos autos para aferir a conduta social, bem como a personalidade do réu, razão pela qual deixo de valorá-las; o motivo do crime é identificável como o desejo de obtenção de lucro fácil em prejuízo de toda a coletividade, que é obrigada a suportar toda a violência intrínseca à comercialização das drogas, e dos usuários, que suportam os malefícios causados à saúde em decorrência do uso das drogas; as circunstancias do crime se encontram relatadas nos autos, nada tendo a se valorar; as conseqüências do crime são nefastas e de grande repercussão social, não se tendo parâmetros a respeito da quantidade de pessoas atingidas com a traficância do acusado; não houve a configuração de qualquer prejuízo material, nem sequer se pode cogitar acerca de comportamento da vítima. Não existem elementos nos autos para se aferir a situação econômica da ré. A natureza c quantidade da droga revelam que o acusado comercializava uma droga nociva a saúde humana, bem como portava uma quantidade considerável.
Assim, à vista dessas circunstancias analisadas individualmente, fixo a pena-base cm 06 (seis) anos de reclusão.
Não há circunstâncias atenuantes ou agravantes a serem observadas.
Não há causas de diminuição ou de aumento de pena a serem observadas, razão pela qual fica o réu definitivamente condenado a pena acima dosada.
Em se tratando de crime hediondo, em conformidade com a Lei 8.072⁄90, a pena deverá ser cumprida inicialmente em regime fechado.
Por sua vez. a vista do resultado final obtido na dosagem da pena privativa de liberdade, fixo a pena de multa (a qual deve guardar exata proporcionalidade com àquela) no pagamento de 600 (seiscentov) dias-multa. cada um no equivalente ao mínimo legal, em vista da inexistência de dados quanto a situação financeira do réu. (...) (fls. 97⁄105 - grifos nossos e do original).
No que diz respeito aos motivos do crime, ressalte-se que deve ser buscado algum outro motivo que se revele um plus ao definido pelo próprio tipo, sob pena de incorrer em bis in idem , por considerar como motivo negativo uma elementar do próprio tipo. Nesse aspecto, vejo que o Magistrado a quo fundamentou a presente circunstância no fato de a conduta do Réu ter objetivado lucro fácil, valorando-a, pois, de forma negativa. No entanto, entendo que tal motivação não pode ser considerada circunstância negativa apta a majorar a pena do réu, pois já se encontra inserida no próprio tipo. devendo, portanto, ser tomada por neutra.
Quanto às demais circunstâncias judiciais, verifico que foram avaliadas adequadamente, não havendo o que ser modificado.
Desse modo, feita a análise das circunstâncias judiciais, cheguei à seguinte conclusão: quanto aos antecedentes, à conduta social, à personalidade, às circunstâncias do crime, às conseqüências do delito e ao comportamento da vítima (consideradas positivas) , essas não foram analisadas porque a valoração do Magistrado singular foi correta. No que pertine à culpabilidade (considerada negativa), esta não foi impugnada; todavia, sua fundamentação foi adequada, não merecendo nenhum reparo . Por fim, o motivo do crime foi reavaliado e modificado, passando a ser favorável ao Acusado.
Assim, foi valorada negativamente 01 (uma) circunstância judicial, qual seja, a culpabilidade .
Agora, passo ao cálculo da pena do Recorrente.
Considerando que o patamar da pena estabelecido para o delito de tráfico varia de 05 (cinco) a 15 (quinze) anos e, em razão da existência de 01 (uma) circunstância desfavorável ao Réu, fixo a pena-base em 05 (cinco) anos e 06 (seis) meses de reclusão e 550 (quinhentos e cinqüenta) dias-multa.
[...]
II.3. Do requerimento de aplicação da causa de diminuição do art. 33, § 4º, da Lei 11.343⁄2006.
Nesse particular, alegou a Defesa que o Réu é primário, possui bons antecedentes, bem como não se dedica a atividades criminosas e não é integrante de organização criminosa, o que ensejaria, sob sua ótica, a aplicação do art. 33, § 4º da Lei n.º 11.343⁄06, devendo a penalidade imposta ao Réu ser reduzida em 2⁄3 (dois terços).
Analisando tal pedido, verifico que, de fato, assiste razão ao Apelante.
Nesse patamar, destaco que o § 4º do art. 33 da lei n.º 11.343⁄06 assim dispõe:
Art. 33 (...)
§ 4º Nos delitos definidos no caput e no § lº deste artigo, as penas poderão ser reduzidas de um sexto a dois terços, desde que o agente seja primário, de bons antecedentes, não se dedique às atividades criminosas nem integre organização criminosa . (grifei).
Analisando o Dispositivo acima transcrito, bem como o que foi arguido pelo Acusado, observo que se trata de Réu primário, além disso, não há nos autos nada a respeito de seus antecedentes, assim como não há provas de que ele se dedique à prática de atividades criminosas ou integre organização criminosa. Desse modo, na linha da legislação regente, entendo que o Réu faz jus ao benefício da redução da pena.
[...]
Por essas razões, acolho o pedido de reconhecimento da causa de diminuição presente no art. 33, § 4o , da Lei 11.343⁄2006.
Assim, passando à análise da terceira fase da dosimetria, inexistindo causas de aumento; porém, presente a causa de diminuição prevista no art. 33, § 4º da Lei n.º 11.434⁄06, e, uma vez que uma das circunstâncias judiciais foi considerada desfavorável ao Acusado, diminuo a reprimenda em 1⁄6 (um sexto) , passando a penalidade arbitrada ao Apelante para 4 (quatro) anos e 2 (dois) meses de reclusão e 420 (quatrocentos e vinte) dias-multa.
Nesse patamar, fixo, definitivamente, a pena do Recorrente em 4 (quatro) anos e 2 (dois) meses de reclusão, bem como 420 (quatrocentos e vinte) dias-multa.

Feito esse registro, passo ao exame da tese ministerial.

Cumpre salientar, inicialmente, que a fixação da pena é regulada por princípios e regras constitucionais e legais previstos, respectivamente, no art. , XLVI, da Constituição Federal e nos arts. 59 do Código Penal e 387 do Código de Processo Penal.

Todos esses dispositivos remetem o aplicador do direito à individualização da medida concreta para que, então, seja eleito o quantum de pena a ser aplicada ao condenado criminalmente, visando à prevenção e à repressão do delito perpetrado. Dessarte, para chegar a uma aplicação justa da lei penal, o sentenciante, dentro dessa discricionariedade juridicamente vinculada, deve atentar para as singularidades do caso concreto.

Outrossim, segundo o disposto no § 4º do art. 33 da Lei de Drogas, "Nos delitos definidos no caput e no § 1º deste artigo, as penas poderão ser reduzidas de um sexto a dois terços, vedada a conversão em penas restritivas de direitos, desde que o agente seja primário, de bons antecedentes, não se dedique às atividades criminosas nem integre organização criminosa."

Observa-se, portanto, que o dispositivo legal adrede mencionado estabelece apenas os requisitos necessários para a aplicação da minorante nela prevista, deixando, contudo, de estabelecer os parâmetros para a fixação do quantum de diminuição de pena.

Nesse sentido, tanto a Quinta quanto a Sexta Turmas deste Superior Tribunal firmaram o entendimento de que, considerando que o legislador não estabeleceu especificamente os parâmetros para a escolha da fração de redução de pena prevista no § 4º do art. 33 da Lei n. 11.343⁄2006, devem ser observadas, para orientar o cálculo da minorante, as circunstâncias judiciais previstas no art. 59 do Código Penal, especialmente o disposto no art. 42 da Lei de Drogas.

A propósito, confira-se o seguinte julgado: AgRg no REsp n. 1.429.866⁄MT, Rel. Ministro Rogerio Schietti, 6ª T., DJe 1º⁄6⁄2015.

Na hipótese em exame, contudo, o Tribunal a quo aplicou a fração mínima de redução relativa ao tráfico privilegiado valendo-se da mesma circunstância judicial – a culpabilidade – já utilizada para recrudescer a pena-base, em flagrante ofensa ao princípio do ne bis in idem.

Dessa forma, deve ser aplicada a redução máxima de pena (2⁄3), relativa à minorante prevista no § 4º do art. 33 da Lei n. 11.343⁄2006.

Por fim, esclareço que o provimento do recurso – nos termos em que decidido às fls. 262-268 – em nenhum momento traduz inobservância ao princípio do livre convencimento motivado; trata-se, na verdade, de controle de legalidade e de constitucionalidade dos critérios empregados pelas instâncias ordinárias na dosimetria da pena, bem como de correção de uma evidente discrepância na reprimenda imposta ao acusado.

Assim, deve ser mantida inalterada a conclusão da decisão agravada, ao haver concedido provido parcialmente o recurso especial, a fim de aplicar a minorante prevista no art. 33, § 4º, da Lei n. 11.343⁄2006 no patamar máximo de 2⁄3 e, por conseguinte, readequar a pena imposta ao ora agravado, tornando-a definitiva em 1 ano e 8 meses de reclusão, em regime inicial fechado, mais 166 dias-multa.

À vista do exposto, nego provimento ao agravo regimental.

CERTIDÃO DE JULGAMENTO
SEXTA TURMA
AgRg no
Número Registro: 2016⁄0313822-2
PROCESSO ELETRÔNICO
AREsp 1.022.289 ⁄ AL
Números Origem: 00007115420108020056 7115420108020056
MATÉRIA CRIMINAL
EM MESA JULGADO: 22⁄03⁄2018
Relator
Exmo. Sr. Ministro ROGERIO SCHIETTI CRUZ
Presidente da Sessão
Exmo. Sr. Ministro NEFI CORDEIRO
Subprocurador-Geral da República
Exmo. Sr. Dr. ROBERTO LUIS OPPERMANN THOMÉ
Secretário
Bel. ELISEU AUGUSTO NUNES DE SANTANA
AUTUAÇÃO
AGRAVANTE : LEONARDO JOSE DA SILVA
ADVOGADO : DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE ALAGOAS
AGRAVADO : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE ALAGOAS
ASSUNTO: DIREITO PENAL - Crimes Previstos na Legislação Extravagante - Crimes de Tráfico Ilícito e Uso Indevido de Drogas - Tráfico de Drogas e Condutas Afins
AGRAVO REGIMENTAL
AGRAVANTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
AGRAVADO : LEONARDO JOSE DA SILVA
ADVOGADO : DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE ALAGOAS
INTERES. : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE ALAGOAS
CERTIDÃO
Certifico que a egrégia SEXTA TURMA, ao apreciar o processo em epígrafe na sessão realizada nesta data, proferiu a seguinte decisão:
A Sexta Turma, por unanimidade, negou provimento ao agravo regimental, nos termos do voto do Sr. Ministro Relator.
Os Srs. Ministros Nefi Cordeiro, Antonio Saldanha Palheiro e Sebastião Reis Júnior votaram com o Sr. Ministro Relator.
Ausente, justificadamente, a Sra. Ministra Maria Thereza de Assis Moura.

Documento: 1692880 Inteiro Teor do Acórdão - DJe: 03/04/2018
Disponível em: https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/860092169/agravo-regimental-no-agravo-em-recurso-especial-agrg-no-aresp-1022289-al-2016-0313822-2/inteiro-teor-860092179

Informações relacionadas

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 4 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL : AREsp 0000711-54.2010.8.02.0056 AL 2016/0313822-2

Tribunal de Justiça de Alagoas
Jurisprudênciahá 7 anos

Tribunal de Justiça de Alagoas TJ-AL - Apelação : APL 0000711-54.2010.8.02.0056 AL 0000711-54.2010.8.02.0056