jusbrasil.com.br
8 de Agosto de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Superior Tribunal de Justiça STJ - AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL: AREsp XXXXX MS 2018/XXXXX-0

Superior Tribunal de Justiça
há 4 anos

Detalhes da Jurisprudência

Processo

Publicação

Relator

Ministro FRANCISCO FALCÃO

Documentos anexos

Decisão MonocráticaSTJ_ARESP_1355692_82a4d.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Decisão

AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 1.355.692 - MS (2018/0223919-0) AGRAVANTE : ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PROCURADOR : RENATO WOOLLEY DE CARVALHO MARTINS E OUTRO (S) - MS008054 AGRAVADO : CARLOS AUGUSTO ZERLOTI ADVOGADO : RITA DE CÁSSIA DA SILVA ROCHA - MS014843 DECISÃO Trata-se de agravo interposto por ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL, contra decisão que inadmitiu o recurso especial fundado no art. 105, III, a, da Constituição Federal, objetivando reformar o acórdão proferido pelo TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO MATO GROSSO DO SUL, assim ementado: APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO DE OBRIGAÇÃO DE FAZER. MÉRITO. PROCESSO SELETIVO INTERNO PARA CURSO DE FORMAÇÃO DE SARGENTOS DA POLÍCIA MILITAR. HOMOLOGAÇÃO DO RESULTADO. EXISTÊNCIA DE CLÁUSULA DE BARREIRA PREVENDO A CONVOCAÇÃO DE CANDIDATOS EM NÚMERO TRÊS VEZES A QUANTIDADE DE VAGAS OFERTADAS. CLASSIFICAÇÃO DOS APELANTES ALÉM DO NÚMERO DE VAGAS. AUSÊNCIA DE PRETERIÇÃO. RECURSO NÃO PROVIDO. 1. Da homologação do certame: o edital do processo de seleção interna para o Curso de Formação de Sargentos da Policia Militar dispôs regra específica acerca da validade do certame, a saber: 'O presente processo seletivo terá a validade improrrogável de 60 (sessenta) dias, contados a partir da data de matrícula no curso.' No caso, observa-se ter decorrido o prazo sexagesimal de validade do processo seletivo, configurando-se o encerramento e homologação do mesmo quando da abertura do edital do novo certame. Cabe salientar que o Superior Tribunal de Justiça já reconheceu a homologação e o encerramento do certame de 2013, corroborando com o entendimento esposado neste julgado. 2. Da cláusula de barreira: A cláusula de barreira foi reconhecida pelo Supremo Tribunal Federal como constitucional, em julgados com repercussão geral (635.789/AL e 589.099/MS), em razão de ser critério objetivo relacionado com o desempenho meritório do candidato, consagrando o princípio da igualdade e impessoalidade. Os autores foram classificados nas posições 1208ª, 465ª, 1146ª, 1367ª, 479ª, 985ª, 1090ª, 692ª, 1444ª, 1352ª, 382ª, 1110ª, 375ª, 941ª, 1052ª, 924ª, 1183ª, 328ª, 335ª, 789ª, 908ª, 693ª, 1353ª, 1212ª, 206ª, 925ª, 1326ª, 374ª, 546ª e 1259ª, ou seja, muito além do número ordenado para o Curso de Formação de Sargentos. Assim, ainda que o encerramento do certame não houvesse sido homologado, os apelantes não seriam contemplados com a nomeação, pois não classificados dentro do número de vagas previsto no edital. 3. Dos honorários recursais: considerando a sucumbência do apelante no recurso interposto, diante da nova regra processual devem os apelantes arcar com os honorários recursais, os quais fixo em 5% (cinco por cento) sobre o valor da causa, nos termos do artigo 85, §§ 11º e 2º, incisos I e V. 4. Recurso a que se nega provimento. Opostos embargos de declaração por Carlos Augusto Zerloti, estes foram acolhidos para reconhecer a consolidação da situação fática e a aplicabilidade da teoria do fato consumado, consoante os fundamentos sintetizados na seguinte ementa (fl. 310): EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO. AÇÃO DE OBRIGAÇÃO DE FAZER. EMBARGANTE PROMOVIDO AO CARGO DE TERCEIRO SARGENTO DA PMMS. HIERARQUIA MILITAR. SITUAÇÃO FÁTICA CONSOLIDADA. APLICAÇÃO DA TEORIA DO FATO CONSUMADO. EXISTÊNCIA DE OMISSÃO NA ANÁLISE DOS DOCUMENTOS JUNTADOS EM SEDE DE APELAÇÃO. PRINCÍPIOS DA DA BOA-FÉ, DA CONFIANÇA E DA SEGURANÇA JURÍDICA. VÍCIO SANADO. EMBARGOS ACOLHIDOS. SENTENÇA REFORMADA. RECURSO PROVIDO. O escopo dos embargos de declaração é tornar claro o que era obscuro, desfazer a contradição, suprir a omissão ou corrigir erro material, e devem ser admitidos como instrumento de modificação do julgado quando presente no acórdão as hipóteses do artigo 1.022 do Novo Código de Processo Civil. Consoante se extrai dos autos, por nove meses aproximadamente o embargante exerceu a função de Terceiro Sargento, recebendo o subsídio competente para a graduação e demais direitos inerentes, pelo que se verifica que a relação jurídica se consolidou e perpetuou no tempo. A hierarquia militar se sobressai como um valor especial, pois é capaz de superar a própria individualidade, pela valorização de cada uma das patentes e não pelo nível pessoal, aparecendo como mecanismo superior de observação e de controle, sendo que retirar dos apelantes o status de Terceiro Sargento ensejaria danos ao convívio na corporação e, também, ofensa ao princípio da confiança e da segurança jurídica, visto que referida promoção decorre de decisão judicial. Denota-se que, neste caso excepcional, a demora da prestação jurisdicional acabou constituindo uma situação de fato, que não pode ser desprezada. Assim, deve o Estado respeitar a teoria do fato consumado, diante da situação consolidada e irreversível, sob pena de afronta aos Princípios da dignidade da pessoa humana, da boa-fé e da segurança jurídica. Embargos rejeitados para sanar o vício apontado, dando-se provimento ao recurso de apelação Opostos embargos declaratórios pelo Estado de Mato Grosso do Sul, esses foram rejeitados. Na origem, trata-se de ação ordinária em que o Autor busca sua convocação para o Curso de Formação de Sargentos da PMMS, alegando que obteve aprovação na prova escrita, mas que teria sido excluído do certame por conta de cláusula de barreira. Deu-se à causa, o valor de R$ 1.000,00 (um mil reais). No recurso especial, o recorrente aponta violação dos arts. 926, 927, § 1º, VI, do CPC/15, defendendo, em breve síntese, a inaplicabilidade da teoria do fato consumado em face de decisão proferida em juízo de cognição sumária. Não foram apresentadas contrarrazões. O recurso especial foi inadmitido com base nas Súmulas 7 e 83 do STJ. No presente agravo, o recorrente apresenta argumentos objetivando rebater os fundamentos apresentados pelo julgador. Parecer do MPF pelo improvimento do recurso especial. É o relatório. Decido. Tendo o agravante impugnado a fundamentação apresentada na decisão agravada e atendidos os demais pressupostos de admissibilidade do presente agravo, passa-se ao exame do recurso especial. A jurisprudência desta Corte pacificou-se no sentido de que não se aplica a teoria do fato consumado a caso de situações amparadas por medidas de natureza precária, como liminar e antecipação do efeito da tutela, não havendo se falar em situação consolidada pelo decurso do tempo. Confira-se: ADMINISTRATIVO. AGRAVO INTERNO NO RECURSO ESPECIAL. MENOR. EXAME SUPLETIVO. INGRESSO EM ENSINO SUPERIOR. ALEGAÇÃO DA TEORIA DO FATO CONSUMADO. IMPOSSIBILIDADE. PRECARIEDADE DA MEDIDA. 1. Nos casos em que, por meio de decisão liminar, o estudante menor de idade é submetido e aprovado em exame supletivo a fim de efetuar a matrícula em curso superior, não é possível invocar o princípio da proteção da confiança diante do conhecimento da precariedade da medida. 2. A jurisprudência desta Corte pacificou-se no sentido de que não se aplica a teoria do fato consumado a caso de situações amparadas por medidas de natureza precária, como liminar e antecipação do efeito da tutela, não havendo se falar em situação consolidada pelo decurso do tempo. 3. No julgamento do RE 608.482/RN, o Supremo Tribunal Federal decidiu que o postulante a cargo público - e aqui se discute o acesso à universidade pública, o que constitui situação análoga à do aludido precedente - não pode invocar o princípio da proteção da confiança legítima, pois conhece a precariedade da medida judicial. 4. Agravo interno a que se nega provimento. ( AgInt no REsp XXXXX/DF, Rel. Ministro OG FERNANDES, SEGUNDA TURMA, julgado em 23/10/2018, DJe 31/10/2018) PROCESSUAL CIVIL. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. PRESSUPOSTOS. EXISTÊNCIA. 1. Os embargos de declaração têm por escopo sanar decisão judicial eivada de obscuridade, contradição, omissão ou erro material. 2. Hipótese em que o tema relativo à violação do art. 267 do CPC/1973 foi devidamente prequestionado, de modo que o inconformismo merece ser conhecido quanto ao ponto. 3. O Supremo Tribunal Federal, em julgamento realizado sob a sistemática da repercussão geral, pacificou o entendimento de que não é compatível com o regime constitucional de acesso aos cargos públicos a manutenção no cargo, sob fundamento de fato consumado, de candidato não aprovado que nele tomou posse em decorrência de execução provisória de medida liminar ou outro provimento judicial de natureza precária, supervenientemente revogado ou modificado (RE-RG 608.482/RN, STF, Tribunal Pleno, Rel. Min. Teori Zavascki, DJe 30/10/2014), não havendo, assim, ensejo para a perda superveniente do objeto da ação. 4. Embargos de declaração acolhidos, apenas para alterar em parte a fundamentação do aresto embargado, sem efeitos infringentes. (EDcl no AgInt no REsp XXXXX/ES, Rel. Ministro GURGEL DE FARIA, PRIMEIRA TURMA, julgado em 11/09/2018, DJe 04/10/2018) Na hipótese apresentada, a parte Autora obteve o direito à participar do Curso de Formação de Sargentos em tutela antecipada, tendo sido revogada quando da prolação da sentença ordinária. Assim, não há que se falar em fato consumado a consolidar a situação do Autor. Ante o exposto, com fundamento no art. 253, parágrafo único, II, c, do RISTJ, conheço do agravo para dar provimento ao recurso especial para julgar improcedente o pleito autoral. Inverto os ônus sucumbenciais. Publique-se. Intime-se. Brasília (DF), 14 de novembro de 2018. MINISTRO FRANCISCO FALCÃO Relator
Disponível em: https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/872105508/agravo-em-recurso-especial-aresp-1355692-ms-2018-0223919-0

Informações relacionadas

Tribunal de Justiça do Paraná
Jurisprudênciahá 2 anos

Tribunal de Justiça do Paraná TJ-PR - PROCESSO CÍVEL E DO TRABALHO - Recursos - Apelação: APL XXXXX-92.2013.8.16.0097 PR XXXXX-92.2013.8.16.0097 (Acórdão)

Superior Tribunal de Justiça STJ - AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL: AREsp XXXXX RJ 2020/XXXXX-7

Superior Tribunal de Justiça STJ - AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL: AREsp XXXXX MS 2018/XXXXX-0

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 4 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - AGRAVO INTERNO NO RECURSO ESPECIAL: AgInt no REsp XXXXX DF 2018/XXXXX-5

Supremo Tribunal Federal
Jurisprudênciahá 10 anos

Supremo Tribunal Federal STF - REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO: RE XXXXX RN