jusbrasil.com.br
4 de Julho de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Superior Tribunal de Justiça STJ - RECURSO EM HABEAS CORPUS: RHC 119933 SP 2019/0326806-7

Superior Tribunal de Justiça
há 3 anos

Detalhes da Jurisprudência

Publicação

DJ 05/11/2019

Relator

Ministro SEBASTIÃO REIS JÚNIOR

Documentos anexos

Decisão MonocráticaSTJ_RHC_119933_97c25.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Decisão

RECURSO EM HABEAS CORPUS Nº 119.933 - SP (2019/0326806-7) RELATOR : MINISTRO SEBASTIÃO REIS JÚNIOR RECORRENTE : JORGE ALBERTO COMPAGNONI ADVOGADOS : LEANDRO SARCEDO - SP157756 LEONARDO MASSUD - SP141981 PEDRO LUIZ BUENO DE ANDRADE - SP174084 RENATO LOSINSKAS HACHUL - SP307340 RICARDO LOSINSKAS HACHUL - SP358482 CAIO HENRIQUE GODOY DA COSTA - SP385344 RECORRIDO : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO DESPACHO Trata-se de recurso ordinário interposto por Jorge Alberto Compagnoni contra o acórdão do Tribunal de Justiça de São Paulo, que denegou o HC 21455000520198260000 (fl. 542): Habeas Corpus - Crime contra a ordem tributária - Atipicidade não manifesta da conduta do paciente - Análise que exige apreciação aprofundada do mérito do conjunto probatório - Descabimento de discussão em sede de Habeas Corpus. A atipicidade da conduta pode lastrar eventual concessão da ordem de Habeas Corpus apenas na hipótese de ser manifesta, uma vez que o remédio heroico não se presta ao exame detalhado de questões atinentes ao mérito da demanda, atividade que deve ser reservada ao julgamento da ação penal pela autoridade coatora. Verifica-se dos autos que o recorrente foi denunciado como incurso no art. , IV, da Lei n. 8.137/1990 (Ação Penal n. 00010623620178260372 - 2ª Vara Criminal de Monte Mor/SP). Postula-se o trancamento da ação penal, tendo em vista que a conduta do recorrente, em tese, seria atípica em razão de o valor da sonegação fiscal (ICMS) apontado na denúncia (R$ 4.813,11) ser inferior ao considerado na jurisprudência para aplicação do princípio da insignificância em crimes tributários. Afirma-se que no estado de São Paulo vige a Lei Estadual n. 14.272/2010, que prevê hipótese de inexigibilidade de execução fiscal para débitos que não ultrapassem 1.200 (mil e duzentas) Unidades Fiscais do Estado de São Paulo - UFESPs, requerendo, alternativamente, a utilização de tal parâmetro para fins de insignificância. Aduz que, à luz das Portarias ns. 75/12 e 130/12 do Ministério da Fazenda, o valor limite fixado atualmente pela jurisprudência pátria para a incidência do princípio da insignificância em casos de crimes contra a ordem tributária é o de R$ 20.000,00 (vinte mil reais) - fl. 558. Requer, em liminar, a suspensão da Ação Penal n. 00010623620178260372, em trâmite na 2ª Vara Criminal da comarca de Monte Mor/SP, e, no mérito, o trancamento da referida ação penal. É o relatório. A liminar postulada nos presentes autos já foi deferida, em 24/9/2019, nos autos do HC n. 535.063/SP, no qual foi determinada a suspensão da Ação Penal n. 00010623620178260372 - 2ª Vara Criminal da comarca de Monte Mor/SP, até o julgamento de mérito do habeas corpus nesta Corte. Ouça-se o Ministério Público Federal. Publique-se. Brasília, 30 de outubro de 2019. Ministro Sebastião Reis Júnior Relator
Disponível em: https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/876265927/recurso-em-habeas-corpus-rhc-119933-sp-2019-0326806-7