jusbrasil.com.br
22 de Janeiro de 2022
2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Superior Tribunal de Justiça
há 2 anos
Detalhes da Jurisprudência
Publicação
DJ 12/09/2019
Relator
Ministro SEBASTIÃO REIS JÚNIOR
Documentos anexos
Decisão MonocráticaSTJ_RHC_117776_d33de.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Decisão Monocrática

Superior Tribunal de Justiça

S66

RECURSO EM HABEAS CORPUS Nº 117.776 - MG (2019/0271582-2)

RELATOR : MINISTRO SEBASTIÃO REIS JÚNIOR

RECORRENTE : LUIZ PHILIPE SILVERIO DE PAULO (PRESO)

ADVOGADO : DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS

RECORRIDO : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS

DECISÃO

Trata-se de recurso em habeas corpus, com pedido liminar, interposto por Luiz Philipe Silverio de Paulo – preso preventivamente pela prática, em tese, dos delitos de tráfico de drogas e porte ilegal de arma de fogo de uso permitido –, em que se aponta como autoridade coatora o Tribunal de Justiça de Minas Gerais, que denegou a ordem no writ ali impetrado, mantendo a prisão preventiva mantida em desfavor do recorrente pelo Juízo de Direito da 1ª Vara Criminal e Acidentes de Trabalho da comarca de Betim/MG (Autos n. 0027.19.008.614-3).

Aqui, alega-se constrangimento ilegal consistente na manutenção da prisão cautelar imposta, ao argumento de ausência de fundamentação para tanto.

Postula-se, ao final, o deferimento de medida liminar para que seja revogada a prisão cautelar.

É o relatório.

O deferimento de liminar em habeas corpus é medida de caráter excepcional, cabível apenas quando a decisão impugnada estiver eivada de ilegalidade flagrante, demonstrada de plano, principalmente como no caso, tratando-se de recurso ordinário.

Em juízo de cognição sumária, afigura-se inviável acolher-se a pretensão, porquanto, compulsando os autos, observei que o Magistrado singular apontou elementos concretos que subsidiam a adoção da medida extrema, uma vez que destacou que o autuado já foi preso em flagrante em outra oportunidade pela suposta prática do crime de receptação, o que demonstra

Superior Tribunal de Justiça

S66

indícios de reiteração em condutas delitivas (fl. 46), motivo pelo qual não vislumbro o fumus boni iuris necessário à concessão da tutela de emergência neste momento.

Por fim, a motivação que ampara o pedido liminar se confunde com o próprio mérito do recurso, devendo o caso concreto ser analisado mais detalhadamente quando da apreciação e do seu julgamento definitivo.

Com essas considerações, não tendo, por ora, como configurado constrangimento ilegal passível de ser afastado mediante o deferimento da liminar ora pretendida, com manifesto caráter satisfativo, indefiro -a.

Solicitem-se informações ao Juízo singular acerca do atual andamento da ação penal.

Após, ao Ministério Público Federal para parecer.

Publique-se.

Brasília, 10 de setembro de 2019.

Ministro Sebastião Reis Júnior

Relator

Disponível em: https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/877442450/recurso-em-habeas-corpus-rhc-117776-mg-2019-0271582-2/decisao-monocratica-877442460