jusbrasil.com.br
14 de Junho de 2021
2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Superior Tribunal de Justiça STJ - HABEAS CORPUS : HC 0037907-88.2019.3.00.0000 RS 2019/0037907-4

Superior Tribunal de Justiça
há 2 anos
Detalhes da Jurisprudência
Publicação
DJ 25/04/2019
Relator
Ministro ANTONIO SALDANHA PALHEIRO
Documentos anexos
Decisão MonocráticaSTJ_HC_492604_35ce5.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Decisão

HABEAS CORPUS Nº 492.604 - RS (2019/0037907-4) RELATOR : MINISTRO ANTONIO SALDANHA PALHEIRO IMPETRANTE : DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ADVOGADOS : MELISSA TORRES SILVEIRA - RS046237 DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL IMPETRADO : TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PACIENTE : JULIO CESAR MELLER RITZEL DECISÃO Trata-se de habeas corpus com pedido liminar impetrado em favor de JULIO CESAR MELLER RITZEL no qual se aponta como autoridade coatora o Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul. Depreende-se dos autos que o paciente foi preso em flagrante, em 27/7/2016, custódia essa convertida em preventiva, e denunciado pela suposta prática do delito do art. 33, caput, da Lei n. 11.343/2006, tendo em vista a apreensão de 40 pedras de crack pesando aproximadamente 5g (cinco gramas) e-STJ fl. 24. Posteriormente, foi-lhe concedida a liberdade provisória. A denúncia foi julgada improcedente, sendo o paciente absolvido com fundamento no inciso VII do art. 386 do Código de Processo Penal (e-STJ fls. 24/28). Contra essa decisao o Ministério Público estadual interpôs apelação, tendo os desembargadores da Primeira Câmara Criminal do Tribunal de Justiça, por unanimidade, dado provimento ao recurso a fim de condenado o acusado à pena de 5 (cinco) anos e 7 (sete) meses de reclusão, em regime inicialmente fechado, e ao pagamento de 550 (quinhentos e cinquenta) dias-multa (e-STJ fls. 60/69). Recebeu o acórdão esta ementa (e-STJ fl. 60): TRAFICO DE DROGAS. PROPÓSITO DE COMÉRCIO CONFIGURADO. A infração de que trata a regra contida no art , 33, caput, da Lei n« 11-343/2006, não é caracterizada pela venda, tão-somente, resultando incriminadas diversas outras condutas, como as de simplesmente levar consigo ou ter cm depósito a substância entorpecente, desde que com o propósito de mercancia, desimportando tenha o agente efetivado - ou não - o comércio, mostrando-se suficiente, para tanto, que a prova produzida evidencie tal intento, presente quando o denunciado (que já responde a outra ação penal pela prática do crime de tráfico de drogas), abordado na via pública, dispunha de quarenta pedras de crack e de importância em dinheiro. Réu condenado. APELAÇÃO PROVIDA. No Superior Tribunal de Justiça, a Defensoria Pública estadual aponta constrangimento ilegal decorrente da não aplicação da minorante prevista no art. 33, § 4º, da Lei n. 11.343/2006 na fração máxima, bem como pela imposição do regime fechado para início de cumprimento da reprimenda. Sustenta que não há indícios, nos autos, de que o acusado se dedica a atividades criminosas ou que integra organização criminosa e ressalta que a quantidade ou a qualidade da droga apreendida não podem influenciar na análise da benesse, à míngua de previsão legal, devendo ser compreendidas como vetores da primeira fase da dosimetria (art. 42 da Lei n. 11.343/2006). Alega, também, ser inexpressiva a quantidade de estupefaciente apreendido. Defende que, ao contrário do que consta no aresto impugnado, trata-se de réu primário, pontuando que a ação penal que tramita em seu desfavor não pode impedir o benefício, visto que, até a data da interposição do presente habeas corpus, ainda não havia sentença condenatória. Ante a possibilidade de absolvição, preconiza que o antecedente apontado não evidencia a habitualidade delitiva, sob pena de ofensa ao princípio da presunção de inocência. Assevera que o paciente faz jus ao abrandamento do regime prisional, tendo em vista o quantum de pena definitiva, diante de sua primariedade e de as circunstâncias preponderantes da conduta social e da personalidade lhes terem sido favoráveis Por fim, afirma que, com a aplicação do pretendido redutor, cabe a substituição da pena privativa de liberdade por restritivas de direitos, já que foram preenchidos os requisitos exigidos pelo art. 44 do Código Penal. Dessa forma, requer, liminarmente e no mérito, a aplicação da causa especial de diminuição da pena no seu patamar máximo, com o consequente abrandamento do regime prisional e a substituição da medida constritiva por outras restritivas de direitos (e-STJ fls. 3/9). O pedido liminar foi deferido para que o paciente pudesse aguardar no regime semiaberto o julgamento deste writ (e-STJ fls. 166/169). Os autos foram encaminhados ao Ministério Público Federal, que se manifestou pela concessão parcial da ordem a fim de que fosse alterado o regime inicial de cumprimento da sanção para o intermediário (e-STJ fls. 175/176). É, em síntese, o relatório. Objetiva a defesa, primeiramente, a aplicação da minorante prevista na Lei de Drogas, no montante de 2/3 (dois terços), sob o argumento de que se encontram preenchidos os requisitos exigidos para sua concessão. Na esteira da orientação jurisprudencial desta Corte, por tratar de questão afeta a certa discricionariedade do magistrado, a dosimetria da pena é passível de revisão em habeas corpus apenas em hipóteses excepcionais, quando ficar evidenciada flagrante ilegalidade, constatada de plano, sem a necessidade de maior aprofundamento no acervo fático-probatório. Ademais, de acordo com o aludido art. 33, § 4º, da Lei de Drogas, o agente poderá ser beneficiado com a redução de 1/6 (um sexto) a 2/3 (dois terços) da pena, desde que seja primário, portador de bons antecedentes, não se dedique a atividades criminosas nem integre organização criminosa. Quanto ao tema, o Tribunal de Justiça, ao dar provimento ao apelo ministerial, assim se manifestou (e-STJ fl. 66): Deixo de aplicar a causa de diminuição de pena a que alude o artigo 33, § 4º, da Lei Antidrogas pois o acusado responde a outra ação penal pela prática do crime de tráfico de drogas (verso da fl. 191), o que demonstra dedicação a atividades criminosas. Por conseguinte, resta o acusado condenado à pena de cinco anos e sete meses de reclusão. Observados os critérios acima registrados no tocante às circunstâncias judiciais, estabeleço a pena cumulativa em quinhentos e cinqüenta dias-multa, à razão de um trigésimo do salário mínimo vigente à época do fato, tendo em vista a hipossuficiência econômica do acusado, sobretudo a partir das informações colhidas do interrogatório. (Grifei.) Apesar da quantidade de droga apreendida não ser expressiva, o Tribunal a quo entendeu pelo afastamento da minorante, pois, consoante a transcrição acima, o réu reponde a outra ação penal referente ao crime de tráfico, o que, por si só, constitui fundamento capaz de afastar a aplicação da causa especial de diminuição da pena. Nesse sentido: DROGAS. CAUSA DE DIMINUIÇÃO DE PENA DO ART. 33, § 4º, DA LEI N. 11.343/2006. EXISTÊNCIA DE PROCESSOS CRIMINAIS EM CURSO. DEDICAÇÃO A ATIVIDADES CRIMINOSAS CONFIGURADA. NÃO INCIDÊNCIA DA MINORANTE IN CASU. GRANDE QUANTIDADE E DIVERSIDADE DE ENTORPECENTES APREENDIDOS. CIRCUNSTÂNCIA JUDICIAL DESFAVORÁVEL QUE JUSTIFICA A IMPOSIÇÃO DO REGIME PRISIONAL MAIS SEVERO E A IMPOSSIBILIDADE DA SUBSTITUIÇÃO DE PENA. AGRAVO IMPROVIDO. 1. A existência de inquéritos policiais ou de ações penais em andamento não possui o condão de exasperar a reprimenda-base, consoante o enunciado na Súmula n. 444 deste Superior Tribunal. Contudo, esta Corte firmou entendimento de que a existência de outros processos criminais contra o acusado, ainda que sem condenação transitada em julgado, afasta a incidência da causa de diminuição do art. 33, § 4º, da Lei de Drogas. Precedentes. [...] 3. Agravo regimental a que se nega provimento (AgRg no REsp 1678417/GO, Minha Relatoria, SEXTA TURMA, julgado em 17/04/2018, DJe 30/04/2018, grifei). PENAL. HABEAS CORPUS SUBSTITUTIVO DE RECURSO PRÓPRIO. INADEQUAÇÃO. TRÁFICO DE DROGAS. [...] CAUSA DE DIMINUIÇÃO DE PENA DO ART. 33, § 4º, DA LEI N. 11.343/2006. INAPLICABILIDADE. RÉU QUE RESPONDE A OUTRA AÇÃO PENAL. DEDICAÇÃO À ATIVIDADE CRIMINOSA EVIDENCIADA. [...] ORDEM NÃO CONHECIDA. [...] 3. Os condenados pelo crime de tráfico de drogas terão a pena reduzida, de um sexto a dois terços, quando forem reconhecidamente primários, possuírem bons antecedentes e não se dedicarem a atividades criminosas ou integrarem organizações criminosas (art. 33, § 4º, da Lei n. 11.343/2006). 4. O Superior Tribunal de Justiça firmou o entendimento de que existência de outros processos criminais, pendentes de definitividade, embora não sirvam para a negativa valoração da reincidência e dos antecedentes (Súmula 444 do STJ), podem afastar a incidência da minorante do art. 33, § 4º, da Lei n. 11.343/2006, quando permitem concluir que o agente é habitual na prática delitiva. [...] 8. Habeas corpus não conhecido (HC 359.728/RS, relator Ministro RIBEIRO DANTAS, QUINTA TURMA, julgado em 13/03/2018, DJe 20/03/2018, grifei). No que tange ao regime prisional, o Plenário do Supremo Tribunal Federal, no julgamento do HC n. 111.840/ES, por maioria de votos, declarou, incidentalmente, a inconstitucionalidade do art. , § 1º, da Lei n. 8.072/1990, com a nova redação dada pela Lei n. 11.464/2007, por ofender a garantia constitucional de individualização da pena (art. , XLVI, da Constituição Federal). Afastou, dessa forma, a obrigatoriedade de imposição do regime inicialmente fechado para os condenados pela prática de crimes hediondos e dos delitos a eles equiparados. Na hipótese, o Tribunal local estabeleceu o regime inicialmente fechado nos seguintes termos (e-STJ fls. 66/67): Por outro turno, dispunha o acusado do significativa quantidade de droga de especial nocividade (quarenta pedras de crack), o que negativa a circunstância de que trata o art , 42 do Lei n. 11, 343/32006 e, por conseguinte, dado o quantum do apenamento, autoriza a observância do regime fechado, nos termos da regra contida no art. 33. 5 3o, do Código Penal. Nos termos do art. 33, §§ 1º, 2º e 3º, do Código Penal, para a fixação do regime inicial de cumprimento de pena, o magistrado deverá observar a quantidade da reprimenda aplicada, a eventual existência de circunstâncias judiciais desfavoráveis (art. 59 do Código Penal) e, tratando-se dos crimes previstos na Lei n. 11.343/2006, como no caso, deverá levar em conta a quantidade e a natureza da substância entorpecente apreendida (art. 42 da Lei n. 11.343/2006). Ademais, na esteira da jurisprudência desta Corte, admite-se a imposição de regime prisional mais gravoso do que aquele que permite a pena aplicada, desde que sejam apontados elementos fáticos demonstrativos da gravidade concreta do delito. Na espécie, a quantidade de droga apreendida 5g de crack distribuídos em 40 pedras não se revela tão expressiva para, por si só, justificar regime prisional mais gravoso. No entanto, verifica-se que a pena-base foi estabelecida acima do patamar mínimo legal, razão pela qual não há ilegalidade na manutenção do regime inicialmente fechado para cumprimento da pena imposta. Por fim, mostra-se inviável a substituição da medida constritiva por restritivas de direitos, já que não foi preenchido o requisito exigido pelo art. 44, I, do Código Penal. Ante o exposto, denego a ordem de habeas corpus, cassada a liminar anteriormente concedida. Publique-se. Intimem-se. Brasília, 23 de abril de 2019. Ministro ANTONIO SALDANHA PALHEIRO Relator
Disponível em: https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/878352876/habeas-corpus-hc-492604-rs-2019-0037907-4

Mais do Jusbrasil

Supremo Tribunal Federal
Jurisprudênciahá 8 anos

Supremo Tribunal Federal STF - EXTENSÃO NO HABEAS CORPUS : HC 111840 ES

Decisão: Vistos. Trata-se de pedido de extensão apresentado por Ramon Roberto de Oliveira nos autos do habeas corpus impetrado pela Defensoria Pública do Estado do Espírito Santo em favor de Edmar Lopes Feliciano, buscando igual fixação do regime inicial semiaberto para o cumprimento da pena imposta ao paciente. Sustenta …
Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 2 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - HABEAS CORPUS : HC 0037907-88.2019.3.00.0000 RS 2019/0037907-4

HABEAS CORPUS Nº 492.604 - RS (2019/0037907-4) RELATOR : MINISTRO ANTONIO SALDANHA PALHEIRO IMPETRANTE : DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ADVOGADOS : MELISSA TORRES SILVEIRA - RS046237 DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL IMPETRADO : TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL …
Supremo Tribunal Federal
Jurisprudênciahá 7 anos

Supremo Tribunal Federal STF - HABEAS CORPUS : HC 111840 ES

EMENTA Habeas corpus. Penal. Tráfico de entorpecentes. Crime praticado durante a vigência da Lei nº 11.464/07. Pena inferior a 8 anos de reclusão. Obrigatoriedade de imposição do regime inicial fechado. Declaração incidental de inconstitucionalidade do § 1º do art. 2º da Lei nº 8.072/90. Ofensa à garantia constitucional …