jusbrasil.com.br
28 de Junho de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Superior Tribunal de Justiça
há 3 anos

Detalhes da Jurisprudência

Publicação

DJ 28/10/2019

Relator

Ministro PAULO DE TARSO SANSEVERINO

Documentos anexos

Decisão MonocráticaSTJ_RESP_1839888_a007e.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Decisão Monocrática

Superior Tribunal de Justiça

RECURSO ESPECIAL Nº 1.839.888 - RS (2019/0286256-5)

RELATOR : MINISTRO PAULO DE TARSO SANSEVERINO

RECORRENTE : F L.

ADVOGADO : EDINA HOSANA DE SOUSA - RS099459

RECORRIDO : A M M.

ADVOGADO : DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

EMENTA

RECURSO ESPECIAL. DIREITO CIVIL. FAMÍLIA. AÇÃO DE RECONHECIMENTO E DISSOLUÇÃO DE UNIÃO ESTÁVEL. REGIME DA COMUNHÃO PARCIAL DE BENS. VERBAS DECORRENTES DE RECLAMATÓRIA TRABALHISTA. COMUNICABILIDADE, DESDE QUE NASCIDAS E PLEITEADAS NA CONSTÂNCIA DA UNIÃO ESTÁVEL. ACÓRDÃO RECORRIDO REFORMADO NO PONTO. NATUREZA JURÍDICA DAS VERBAS TRABALHISTAS. PRETENSÃO QUE DEMANDA O REEXAME DE MATÉRIA FÁTICA. NECESSIDADE DE RETORNO DOS AUTOS AO TRIBUNAL DE ORIGEM.

RECURSO ESPECIAL PROVIDO, NOS TERMOS DA FUNDAMENTAÇÃO.

DECISÃO

Vistos etc.

Trata-se de recurso especial interposto por F L em face de acórdão do

Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul assim ementado:

APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO DE RECONHECIMENTO E DISSOLUÇÃO DE UNIÃO ESTÁVEL. REGIME DA COMUNHÃO PARCIAL DE BENS. VALORES DECORRENTES DE RECLAMATÓRIA TRABALHISTA AJUIZADA PELO VARÃO. INCOMUNICABILIDADE.

1. Às uniões estáveis, salvo documento escrito entre as partes, aplica-se o regime da comunhão parcial de bens, pelo qual se comunicam todos os bens adquiridos onerosamente na constância da convivência, independentemente da comprovação da efetiva participação de cada um dos companheiros, presumindo-se o esforço comum. As causas de exclusão de bens da partilha, elencadas no arti 1.659 do CCB, devem ser comprovadas por quem alegar.

2. Ocorrendo a negociação, após a separação, dos veículos adquiridos no curso no relacionamento estável, impõe-se adotar, PTVS18

REsp 1839888 C54250655134460540=203@ C58456084551503250604=@

2019/0286256-5 Documento Página 1

Superior Tribunal de Justiça

pará fins de partilha, o preço médio constante na tabela FIPE à época da alienação, por representar estatística calculada pela média dos preços de veículos comercializados no Brasil.

3. À luz do disposto no art. 1.659, VI e VII, do CCB, os proventos do trabalho pessoal e as pensões recebidos por um dos companheiros não se comunicam. Portanto, os créditos judiciais originados em reclamatória trabalhista movida pelo varão, que ainda sequer foram por ele recebidos, não devem integrar a partilha, independentemente da data em que originados.

Sentença reformada.

APELO PROVIDO.

Os embargos de declaração foram rejeitados.

No recurso especial, a recorrente aponta ofensa aos arts. 1.659, VI, 1.660 e 1.725 do CC, alegando que "a indenização trabalhista recebida por um dos ex-cônjuges após a dissolução do vínculo conjugal, mas correspondente a direitos adquiridos na constância da união estável ou do casamento celebrado sob o regime da comunhão parcial ou universal de bens, integra o patrimônio comum do casal e, portanto, deve ser objeto da partilha".

Contrarrazões às e-STJ Fls. 352-364.

É o relatório.

Passo a decidir.

O recurso especial merece provimento.

Relativamente à preliminar arguida nas contrarrazões, verifico que o recurso especial cumpriu os requisitos legais e constitucionais exigidos para a sua admissão.

Sobre o óbice alegado, a matéria recursal encontra-se devidamente prequestionada.

Quanto ao mérito, cinge-se a controvérsia devolvida ao conhecimento desta Corte em definir se as verbas de natureza trabalhista recebidas pelo recorrido se comunicam com a recorrente.

Colhe-se dos autos que (a) o período da união estável compreendeu os meses de novembro de 2001 a novembro de 2015; (b) a união estável era regida pelo regime da comunhão parcial de bens; (c) o recorrido ajuizou a demanda trabalhista no dia 12/11/2012.

PTVS18

REsp 1839888 C54250655134460540=203@ C58456084551503250604=@

2019/0286256-5 Documento Página 2

Edição nº 0 - Brasília,

Documento eletrônico VDA23545585 assinado eletronicamente nos termos do Art.1º §2º inciso III da Lei 11.419/2006

Signatário(a): MINISTRO Paulo de Tarso Sanseverino Assinado em: 24/10/2019 19:48:45

Publicação no DJe/STJ nº 2784 de 28/10/2019. Código de Controle do Documento: 01DFA3B1-BB5C-46E0-99E8-6FC900E5F217

Superior Tribunal de Justiça

O Tribunal de origem decidiu a questão da seguinte forma:

Da mesma forma, mostra-se impositiva a reforma da sentença quanto à determinação de partilha dos valores recebidos pelo varão na reclamatória trabalhista 0000878-69.2012.5.04.0291 (fl. 142).

Isso porque o regime da comunhão parcial de bens, que regia a união estável mantida pelos litigantes, não ampara a pretensão da virago à partilha de créditos trabalhistas recebidos pelo varão, em observância à norma insculpida no inciso IV, do art. 1.659, que determina - como visto alhures - a exclusão da comunhão dos proventos do trabalho pessoal de cada cônjuge.

Portanto, independentemente de questionamentos acerca do tempo em que esses créditos foram originados e/ou recebidos, ou se possuem caráter remuneratório ou indenizatório, não é admissível a partilha, dada a sua natureza.

(...)

Impõe-se, assim, excluir da partilha todos os valores recebidos (ou a receber) pelo varão em decorrência da reclamatória trabalhista 0000878-69.2012.5.04.0291.

O acórdão recorrido não merece prosperar.

Embora o Código Civil, em seu art. 1.659, VI, estabeleça que os proventos do

trabalho pessoal de cada cônjuge estão excluídos da comunhão, a interpretação

desse dispositivo legal deve sofrer temperamentos na linha da jurisprudência desta

Corte.

Com efeito, tanto a doutrina como a jurisprudência tem interpretado esse

enunciado normativo de forma restritiva, entendendo que a incomunicabilidade se

restringe ao direito ao recebimento dos frutos civis do trabalho, mas não aos valores

em si, de modo que, uma vez percebidos, eles passam a integrar o patrimônio

comum.

O FGTS, nesse contexto, seria incomunicável enquanto depositado, porém

comunicável a partir do momento em que sacado ou que utilizado para a aquisição

de bens, que não se sub-rogam.

Neste ponto, importa citar Silvio Rodrigues , em comentário específico acerca

do tema (RODRIGUES, Silvio. Direito Civil: Direito de família. v. 6. 28. ed. rev. e

PTVS18

REsp 1839888 C54250655134460540=203@ C58456084551503250604=@

2019/0286256-5 Documento Página 3

Superior Tribunal de Justiça

atual. São Paulo: Editora Saraiva, 2004, p. 183):

O direito ao recebimento de tais valores, ou seja, à pensão, montepio, meio-soldo, salários etc., não se comunica com o casamento, em virtude de seu caráter personalíssimo.

Mas, recebida a remuneração, o valor assim obtido entra no patrimônio do casal. Da mesma maneira, os bens adquiridos com seu produto. (...)

Assim, no exato instante em que as referidas rendas se transformam em patrimônio, por exemplo, pela compra de bens, opera-se, em relação a estes, a comunhão, pela incidência da regra contida nos arts. 1.658 e 1.660, I, até porque não acrescenta o inciso em exame a hipótese 'e os bens sub-rogados em seu lugar'.

Entendimento diverso contraria a essência do regime da comunhão parcial e levaria ao absurdo de só se comunicarem os aquestos adquiridos com o produto dos bens particulares e comuns ou por fato eventual, além dos destinados por doação ou herança ao casal.

Os proventos de trabalho configuram os aquestos matrimoniais comuns por

excelência, sendo que a incomunicabilidade, não somente deles mas também dos

bens com eles adquiridos, levaria à inusitada conclusão de que, no regime de

comunhão parcial de bens, o patrimônio comum estaria restrito ao frutos dos bens

particulares, às doações realizadas ao casal e aos bens adquiridos por fato eventual,

o que, a toda evidência, vai de encontro à natureza e à finalidade do instituto.

A interpretação literal do dispositivo em questão não se coaduna com o

regime da comunhão parcial, conduzindo inevitavelmente a uma situação de

injustiça, ainda mais evidente na hipótese em que um dos cônjuges não exerce

atividade laboral.

Sua interpretação, portanto, deve ser restrita, de forma a harmonizá-la com a

essência e com a finalidade desse regime de bens.

Este é o entendimento do Superior Tribunal de Justiça, ao reconhecer que não

se devem excluir da comunhão os proventos do trabalho recebidos ou pleiteados na

constância do casamento, sob pena de se desvirtuar a própria natureza do regime:

RECURSO ESPECIAL. CASAMENTO. REGIME DE COMUNHÃO PARCIAL DE BENS. DOAÇÃO FEITA A UM DOS CÔNJUGES. PTVS18

REsp 1839888 C54250655134460540=203@ C58456084551503250604=@

2019/0286256-5 Documento Página 4

Superior Tribunal de Justiça

INCOMUNICABILIDADE. FGTS. NATUREZA JURÍDICA. PROVENTOS DO TRABALHO. VALORES RECEBIDOS NA CONSTÂNCIA DO CASAMENTO. COMPOSIÇÃO DA MEAÇÃO. SAQUE DIFERIDO. RESERVA EM CONTA VINCULADA ESPECÍFICA.

1. No regime de comunhão parcial, o bem adquirido pela mulher com o produto auferido mediante a alienação do patrimônio herdado de seu pai não se inclui na comunhão. Precedentes.

2. O Supremo Tribunal Federal, no julgamento do ARE 709.212/DF, debateu a natureza jurídica do FGTS, oportunidade em que afirmou se tratar de "direito dos trabalhadores brasileiros (não só dos empregados, portanto), consubstanciado na criação de um pecúlio permanente, que pode ser sacado pelos seus titulares em diversas circunstâncias legalmente definidas (cf. art. 20 da Lei 8.036/1995)". (ARE 709212, Relator (a): Min. GILMAR MENDES, Tribunal Pleno, julgado em 13/11/2014, DJe-032 DIVULG 18-02-2015 PUBLIC 19-02-2015)

3. No âmbito do Superior Tribunal de Justiça, a Egrégia Terceira Turma enfrentou a questão, estabelecendo que o FGTS é "direito social dos trabalhadores urbanos e rurais", constituindo, pois, fruto civil do trabalho. (REsp 848.660/RS, Rel. Ministro PAULO DE TARSO SANSEVERINO, TERCEIRA TURMA, DJe 13/05/2011)

4. O entendimento atual do Superior Tribunal de Justiça é o de que os proventos do trabalho recebidos, por um ou outro cônjuge, na vigência do casamento, compõem o patrimônio comum do casal, a ser partilhado na separação, tendo em vista a formação de sociedade de fato, configurada pelo esforço comum dos cônjuges, independentemente de ser financeira a contribuição de um dos consortes e do outro não.

5. Assim, deve ser reconhecido o direito à meação dos valores do FGTS auferidos durante a constância do casamento, ainda que o saque daqueles valores não seja realizado imediatamente à separação do casal.

6. A fim de viabilizar a realização daquele direito reconhecido, nos casos em que ocorrer, a CEF deverá ser comunicada para que providencie a reserva do montante referente à meação, para que num momento futuro, quando da realização de qualquer das hipóteses legais de saque, seja possível a retirada do numerário.

7. No caso sob exame, entretanto, no tocante aos valores sacados do FGTS, que compuseram o pagamento do imóvel, estes se referem a depósitos anteriores ao casamento, matéria sobre a qual não controvertem as partes. 8. Recurso especial a que se nega provimento. (REsp 1399199/RS, Rel. Ministra MARIA ISABEL GALLOTTI, Rel. p/ Acórdão Ministro LUIS FELIPE SALOMÃO, SEGUNDA SEÇÃO, julgado em 09/03/2016, DJe 22/04/2016)

PTVS18

REsp 1839888 C54250655134460540=203@ C58456084551503250604=@

2019/0286256-5 Documento Página 5

Superior Tribunal de Justiça

Direito civil e família. Recurso especial. Ação de divórcio. Partilha dos direitos trabalhistas. Regime de comunhão parcial de bens. Possibilidade.

- Ao cônjuge casado pelo regime de comunhão parcial de bens é devida à meação das verbas trabalhistas pleiteadas judicialmente durante a constância do casamento.

- As verbas indenizatórias decorrentes da rescisão de contrato de trabalho só devem ser excluídas da comunhão quando o direito trabalhista tenha nascido ou tenha sido pleiteado após a separação do casal. Recurso especial conhecido e provido.

( REsp 646.529/SP, Rel. Ministra NANCY ANDRIGHI, TERCEIRA TURMA, julgado em 21/06/2005, DJ 22/08/2005, p. 266 )

AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL - AÇÃO DE RECONHECIMENTO E DISSOLUÇÃO DE SOCIEDADE - PEDIDO DE NULIDADE DA SENTENÇA ANTE O CERCEAMENTO DE DEFESA - INOCORRÊNCIA - PREJUÍZOS NÃO CONFIGURADOS.

PARTILHA DE BENS DO CASAL - ALEGAÇÃO DE SUB-ROGAÇÃO DE BEM PARTICULAR - AUSÊNCIA DE COMPROVAÇÃO - JUROS E CORREÇÃO MONETÁRIA -ATUALIZAÇÃO DE VALORES DEVIDOS - INCIDÊNCIA DESDE A CITAÇÃO - RECURSO ESPECIAL PARCIALMENTE PROVIDO. IRRESIGNAÇÃO DE R S DO O. (...)

3. As verbas de natureza trabalhista nascidas e pleiteadas na constância da união estável comunicam-se entre os companheiros, razão pela qual não há como afastar o entendimento firmado na instância ordinária. Precedentes: REsp 1295991/MG, Rel. Ministro PAULO DE TARSO SANSEVERINO, TERCEIRA TURMA, julgado em 11/04/2013, DJe 17/04/2013; REsp 758.548/MG, Rel. Ministra NANCY ANDRIGHI, TERCEIRA TURMA, julgado em 03/10/2006, DJ 13/11/2006, p. 257. 4. Agravo regimental desprovido.

(AgRg no REsp 1063533/RN, Rel. Ministro MARCO BUZZI, QUARTA TURMA, julgado em 03/03/2016, DJe 15/03/2016)

AGRAVO REGIMENTAL. PROCESSO CIVIL. PARTILHA. COMUNICABILIDADE DOS SALDOS BANCÁRIOS ADVINDOS DE VERBA TRABALHISTA E APOSENTADORIA. INTERPRETAÇÃO DOS ARTS. 1.658 E 1.659, VI, DO CC E ART. 5° DA LEI N. 9.278/1996.

1. No regime de comunhão parcial ou universal de bens, o direito ao recebimento dos proventos não se comunica ao fim do casamento, PTVS18

REsp 1839888 C54250655134460540=203@ C58456084551503250604=@

2019/0286256-5 Documento Página 6

Superior Tribunal de Justiça

mas, ao serem tais verbas percebidas por um dos cônjuges na constância do matrimônio, transmudam-se em bem comum, mesmo que não tenham sido utilizadas na aquisição de qualquer bem móvel ou imóvel (arts. 1.658 e 1.659, VI, do Código Civil).

2. O mesmo raciocínio é aplicado à situação em que o fato gerador dos proventos e a sua reclamação judicial ocorrem durante a vigência do vínculo conjugal, independentemente do momento em que efetivamente percebidos, tornando-se, assim, suscetíveis de partilha. Tal entendimento decorre da idéia de frutos percipiendos, vale dizer, aqueles que deveriam ter sido colhidos, mas não o foram. Precedentes.

3. Na hipótese, os saldos bancários originam-se de economias advindas de salários e aposentadoria do falecido, sendo imprescindível que o montante apurado seja partilhado com a companheira no tocante ao período de vigência do vínculo conjugal.

4. Agravo regimental não provido.

(AgRg no REsp 1143642/SP, Rel. Ministro LUIS FELIPE SALOMÃO, QUARTA TURMA, julgado em 26/05/2015, DJe 03/06/2015)

CIVIL E PROCESSUAL. RECURSO ESPECIAL. UNIÃO ESTÁVEL. RECONHECIMENTO E DISSOLUÇÃO. PARTILHA. VERBA INDENIZATÓRIA DECORRENTE DE ACIDENTE DE TRABALHO. DESCABIMENTO. CARÁTER PERSONALÍSSIMO. DESPROVIMENTO.

1. A jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça está sedimentada no sentido de que nos regimes de comunhão parcial ou universal de bens comunicam-se as verbas trabalhistas a que se tem direito na constância da sociedade conjugal, devendo ser partilhadas quando da separação.

2. Não se enquadram na referida linha de entendimento, no entanto, as verbas indenizatórias decorrentes de acidente de trabalho, eis que de caráter personalíssimo e natureza diversa, voltando-se à reparação pela dor e/ou seqüelas advindas do evento traumático sofrido unicamente pela vítima. Precedentes.

3. Recurso especial a que se nega provimento.

(REsp 1543932/RS, Rel. Ministra MARIA ISABEL GALLOTTI, QUARTA TURMA, julgado em 20/10/2016, DJe 30/11/2016)

DIREITO CIVIL. DISSOLUÇÃO DA UNIÃO ESTÁVEL. PARTILHA DE BENS. VERBAS INDENIZATÓRIAS. EXPECTATIVA DE DIREITO EM AÇÕES JUDICIAIS. ACIDENTE DE TRABALHO. INDENIZAÇÃO.

1. Na dissolução da união estável, a partilha de bens refere-se ao PTVS18

REsp 1839888 C54250655134460540=203@ C58456084551503250604=@

2019/0286256-5 Documento Página 7

Superior Tribunal de Justiça

patrimônio comum formado pelo casal, não se computando indenizações percebidas a título personalíssimo por quaisquer dos ex-companheiros, tal qual a recebida em razão de acidentes de trabalho, pois certo que a reparação deve ser feita àquele que sofreu o dano e que carrega consigo a deficiência adquirida.

2. A indenização recebida em razão do pagamento de seguro de pessoa cujo risco previsto era a invalidez temporária ou permanente não constitui frutos ou rendimentos do trabalho que possam ajustar-se às disposições do inciso VI do art. 271 do Código de Civil de 1916.

3. Recurso especial não-conhecido.

(REsp 848.998/RS, Rel. Ministro JOÃO OTÁVIO DE NORONHA, QUARTA TURMA, julgado em 28/10/2008, DJe 10/11/2008).

AGRAVO INTERNO NO AGRAVO (ART. 544 DO CPC/73) - AÇÃO DE RECONHECIMENTO DE UNIÃO ESTÁVEL - DECISÃO MONOCRÁTICA QUE NEGOU PROVIMENTO AO RECLAMO -INSURGÊNCIA DA RÉ.

1. Com relação à alegada violação do art. 535 do CPC/1973, verifica-se que a controvérsia posta foi fundamentadamente decidida pelo Tribunal a quo, embora de forma contrária aos interesses da recorrente, motivo pelo qual, inocorrente a alegada negativa de prestação jurisdicional.

2. A presunção legal de esforço comum foi introduzida pela Lei 9.278/1996, de forma que a partilha dos bens adquiridos anteriormente à entrada em vigor do aludido diploma legal somente ocorre se houver esforço comprovado, direto ou indireto, de cada convivente, conforme a legislação vigente à época da aquisição.

O Tribunal de origem, analisando o conjunto fático-probatório dos autos, entendeu que a ré apenas negou a existência da união estável, deixando de comprovar fato modificativo, extintivo e impeditivo do direito do autor acerca da existência da convivência em comum e esforço conjunto na aquisição do patrimônio. A alteração das conclusões do acórdão recorrido esbarra no óbice da Súmula 7/STJ.

3. A incidência da Súmula 7 do STJ impede o exame do dissídio, na medida em que falta identidade entre os paradigmas apresentados e os fundamentos do acórdão, tendo em vista a situação fática do caso concreto, com base na qual deu solução a causa a Corte de origem. 4. A jurisprudência do STJ é pacífica quanto à comunicabilidade dos créditos trabalhistas nascidos e pleiteados na constância da união estável, razão pela qual não há como afastar o entendimento firmado na instância ordinária.

5. Agravo interno desprovido.

(AgInt no AREsp 604.725/SP, Rel. Ministro MARCO BUZZI, PTVS18

REsp 1839888 C54250655134460540=203@ C58456084551503250604=@

2019/0286256-5 Documento Página 8

Superior Tribunal de Justiça

QUARTA TURMA, julgado em 01/09/2016, DJe 08/09/2016)

Fixadas essas premissas, e por demandar o reexame de matéria fática, inviável, em sede de recurso especial, devem os autos retornar à origem para que, à luz dos precedentes aludidos, o Tribunal de origem perquira se as verbas trabalhistas, além de pleiteadas, nasceram na constância da união estável, bem como examine a sua natureza jurídica (remuneratória ou indenizatória acidentária).

Diante do exposto, dou provimento ao recurso especial, nos termos da fundamentação.

Advirto que a apresentação de incidentes protelatórios poderá dar azo à aplicação de multa.

Intime-se.

Brasília (DF), 24 de outubro de 2019.

MINISTRO PAULO DE TARSO SANSEVERINO

Relator

Disponível em: https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/881888857/recurso-especial-resp-1839888-rs-2019-0286256-5/decisao-monocratica-881888866

Informações relacionadas

Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul
Jurisprudênciahá 4 anos

Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul TJ-RS - Apelação Cível: AC 70079792487 RS

Tribunal de Justiça de São Paulo
Jurisprudênciahá 3 anos

Tribunal de Justiça de São Paulo TJ-SP - Apelação Cível: AC 100XXXX-68.2017.8.26.0510 SP 100XXXX-68.2017.8.26.0510

Superior Tribunal de Justiça STJ - RECURSO ESPECIAL: REsp 1971180 MG 2021/0346563-9

Jurisprudênciahá 4 anos

Tribunal de Justiça de Sergipe TJ-SE - Apelação Cível: AC 000XXXX-75.2017.8.25.0054

Ehlaz Jammal, Advogado
Modeloshá 2 anos

Modelo de Petição - Réplica Ação de União Estável post mortem.