jusbrasil.com.br
30 de Junho de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Superior Tribunal de Justiça
há 6 anos

Detalhes da Jurisprudência

Publicação

DJ 22/02/2016

Relator

Ministro MARCO AURÉLIO BELLIZZE

Documentos anexos

Decisão MonocráticaSTJ_RCL_29956_65f37.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Decisão Monocrática

Superior Tribunal de Justiça

MB4

RECLAMAÇÃO Nº 29.956 - SP (2016/0043111-5)

RELATOR : MINISTRO MARCO AURÉLIO BELLIZZE

RECLAMANTE : JOAO BATISTA DE VICENTE

ADVOGADO : ANGELICA FLAUZINO DE BRITO E OUTRO(S)

RECLAMADO : SEGUNDA TURMA CIVEL E CRIMINAL DO COLEGIO

RECURSAL DE JALES - SP

INTERES. : ELEKTRO ELETRICIDADE E SERVIÇOS S/A

ADVOGADO : JOSÉ EDGARD DA CUNHA BUENO FILHO E OUTRO(S)

EMENTA

RECLAMAÇÃO DISCIPLINADA PELA RESOLUÇÃO STJ N. 12/2009. AÇÃO DE INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS PROPOSTA POR USUÁRIO CONTRA EMPRESA CONCESSIONÁRIA DE SERVIÇO PÚBLICO. INSCRIÇÃO EM CADASTRO DE INADIMPLENTES. COMPETÊNCIA DA PRIMEIRA SEÇÃO.

Reclamação encaminhada à redistribuição.

DECISÃO

Do que se extrai dos presentes autos, a demanda da qual se originou esta

reclamação envolve pretensão indenizatória deduzida por usuário contra empresa

concessionária de serviço público, sob a alegação de indevida inscrição de seu nome

em cadastro de inadimplentes.

A propósito disso, ocorreu-me que a Corte Especial, ao apreciar questão

de ordem que lhe foi submetida pela Terceira Turma nos autos do REsp n.

1.396.925/MG, firmou, por maioria, o entendimento de que " a aplicação do Código de

Defesa do Consumidor aos litígios entre usuários e concessionárias de serviço

público [...] não arreda a natureza jurídica de direito público envolvida no debate

em questão , pois o CDC em momento algum restringe o foco de sua tutela às relações

jurídicas de natureza privada; pelo contrário, seu campo de atuação ou incidência é

dado pela simples definição dos conceitos de 'consumidor' (art. 2º), 'fornecedor' (art.

3º), 'produto' (art. 3º, § 1º), e 'serviço' (art. 3º, § 2º), dos quais não se podem, a priori,

excluir os serviços públicos prestados pelas concessionárias com fundamento no art.

175 da CF/88" (DJe de 26/2/2015).

Para chegar a tal compreensão, a maioria dos Ministros da Corte Especial

Rcl 29956 C542425155092944065;00@ C2180=48124=0515@

2016/0043111-5 Documento Página 1 de 2

Superior Tribunal de Justiça

MB4

acolheu o argumento apresentado pelo Ministro Herman Benjamin, segundo o qual,

"ainda que, por vezes, efetuados por pessoas jurídicas de direito privado, os serviços

públicos são prestados em nome do Estado - que é seu titular (art. 175 CF/88) - com a

precípua finalidade de atendimento do interesse público. É por essa razão que os

concessionários se sujeitam a uma especial regime jurídico de direito público que

estabelece deveres e sujeições não presentes nas relações exclusivamente privadas".

Mesmo antes de apreciar a referida questão de ordem, a Corte Especial já

havia decidido, em caso que também versava sobre pretensão indenizatória, pela

competência da Primeira Seção, conforme se extrai do seguinte precedente:

PROCESSUAL CIVIL. CONFLITO NEGATIVO. RESPONSABILIDADE CIVIL. DANOS MORAIS. CORTE NO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA. PROBLEMAS TÉCNICOS. REDE DE DISTRIBUIÇÃO. "APAGÃO". NATUREZA DE SERVIÇO PÚBLICO. RISTJ, ART. 9º, §§ 1º, XI, E 2º, III. COMPETÊNCIA DA PRIMEIRA SEÇÃO.

I. Compete à e. Primeira Seção o julgamento de ações em que postulada indenização por danos morais em virtude da interrupção do fornecimento de serviço público essencial por problemas técnicos na rede de distribuição.

II. Conflito conhecido, para estabelecer a competência das Turmas que compõem a Primeira Seção e, no caso concreto, a i. suscitada.

(CC n. 108.085/DF, Relator o Ministro Aldir Passarinho Júnior, DJe 17/12/2010)

Atento a essa orientação, determino a redistribuição da presente

reclamação a um dos Ministros integrantes da Primeira Seção.

Publique-se.

Brasília, 18 de fevereiro de 2016.

MINISTRO MARCO AURÉLIO BELLIZZE, Relator

Rcl 29956 C542425155092944065;00@ C2180=48124=0515@

2016/0043111-5 Documento Página 2 de 2

Disponível em: https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/890356207/reclamacao-rcl-29956-sp-2016-0043111-5/decisao-monocratica-890356217

Informações relacionadas

Tribunal de Justiça do Estado da Bahia
Jurisprudênciahá 4 anos

Tribunal de Justiça do Estado da Bahia TJ-BA - Embargos de Declaração: ED 000XXXX-59.2017.8.05.0000

Tribunal de Justiça do Estado da Bahia
Jurisprudênciahá 4 anos

Tribunal de Justiça do Estado da Bahia TJ-BA - Agravo de Instrumento: AI 000XXXX-59.2017.8.05.0000

Superior Tribunal de Justiça STJ - RECURSO EM MANDADO DE SEGURANÇA: RMS 37154 SP 2012/0019981-7

Tribunal de Justiça do Estado da Bahia
Jurisprudênciahá 5 anos

Tribunal de Justiça do Estado da Bahia TJ-BA - Mandado de Segurança: MS 002XXXX-81.2015.8.05.0000

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 12 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - RECLAMACAO: Rcl 4381