jusbrasil.com.br
2 de Julho de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Superior Tribunal de Justiça STJ - AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL: AREsp 858151 MG 2016/0031026-6

Superior Tribunal de Justiça
há 6 anos

Detalhes da Jurisprudência

Publicação

DJ 14/03/2016

Relator

Ministro NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO

Documentos anexos

Decisão MonocráticaSTJ_ARESP_858151_be02e.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Decisão

AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 858.151 - MG (2016/0031026-6) RELATOR : MINISTRO NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO AGRAVANTE : DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DO ESTADO DE MINAS GERAIS DER/MG PROCURADOR : GERALDA DO CARMO SILVA E OUTRO (S) AGRAVADO : SUPERBUSS - TRANSPORTE DE PASSAGEIROS E CARGAS LTDA ADVOGADOS : ALESSANDRO RICARDO TROMBIN JEAN LANA OLIVEIRA INTERES. : ESTADO DE MINAS GERAIS DECISÃO ADMINISTRATIVO. PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL. TRANSPORTE IRREGULAR DE PASSAGEIROS. FUNDAMENTAÇÃO DEFICIENTE. RAZÕES DISSOCIADAS. INCIDÊNCIA DA SÚMULA 284/STF. RETENÇÃO DO VEÍCULO. LIBERAÇÃO CONDICIONADA AO PAGAMENTO DE MULTA. IMPOSSIBILIDADE. ENTENDIMENTO FIRMADO SOB O RITO DO ART. 543-C DO CPC: RESP 1.144.810/MG, REL. MIN. TEORI ALBINO ZAVASCKI, DJE 18.03.2010. AGRAVO DESPROVIDO. 1. Agrava-se de decisão que inadmitiu o Recurso Especial interposto pelo DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DO ESTADO DE MINAS GERAIS DER/MG, com fundamento na alínea a do art. 105, III da Constituição Federal, no qual se insurge contra acórdão proferido pelo TJMG, assim ementado: EMBARGOS INFRINGENTES. ADMINISTRATIVO APREENSÃO DE VEÍCULO. TRANSPORTE IRREGULAR DE PESSOAS. LIBERAÇÃO CONDICIONADA AO PAGAMENTO DE MULTA. IMPOSSIBILIDADE. PREVISÃO NA LEI ESTADUAL. 19.445/2011 QUE EXTRAPOLA O PREVISTO NO CTB. COMPETÊNCIA PRIVATIVA DA UNIÃO PARA LEGISLAR SOBRE TRÂNSITO E TRANSPORTE. EMBARGOS ACOLHIDOS. 1. A Lei Estadual n. 19.445/2011, ao estabelecer penalidade mais severa do que aquela única prevista no Código de Trânsito Brasileiro para a infração consubstanciada no transporte irregular de passageiros, viola a norma inserta no artigo 22, inciso XI, da Constituição da Republica Federativa do Brasil, que prevê a competência privativa da União para legislar sobre trânsito e transporte. 2. A liberação do veículo apreendido não pode ser condicionada ao pagamento das multas vencidas, taxas, despesas com o transbordo dos passageiros, remoção e estada, haja vista que o Código de Trânsito Brasileiro prevê apenas a medida de retenção. 3. Embargos infringentes acolhidos, para se confirmar a sentença, em reexame necessário, consoante os termos do voto vencido (fls. 243). 2. Nas razões de seu Apelo Especial (fls. 262/265), o Recorrente alega violação aos arts. 1o., § 2o. e 5o., 21, I, 135 e 231 do CTB, argumentando que o referido Código prevê a competência dos Estados para regulamentar o transporte intermunicipal. Aduz que o DER/MG é o órgão competente para conceder permissão/autorização para quem pretende realizar transporte de passageiros. 3. Acrescenta que se encontra atuando dentro do seu legítimo poder de polícia, que objetiva reprimir o transporte clandestino e irregular de passageiros no território do Estado. 4. Sobreveio juízo negativo de admissibilidade (fls. 309/312), o que ensejou a interposição do presente Agravo (fls. 315/320). 5. É o relato do essencial. 6. A irresignação não merece ser acolhida. 7. O Tribunal de origem afirmou, no julgamento dos Embargos Infringentes, que a medida de apreensão do veículo não é penalidade prevista para a hipótese, não sendo possível condicionar a liberação do veículo ao pagamento de multa, como se observa nos seguintes trechos do acórdão recorrido: Nessa esteira no presente processo, discute-se a legalidade da apreensão de veículos do embargante pela PMMG e por agentes do DER/MG, sob a justificativa de que estariam realizando transporte clandestino de passageiros, infringindo a Lei Estadual n 19.445/2001. Ainda que a atividade exercida pelo recorrido, naqueles momentos, tivesse contornos de clandestinidade, tal como afirmam as autoridades de trânsito, a infração prevista para o caso de transporte de passageiros sem a devida concessão, permissão ou autorização do Poder Público, não é penalizada com a apreensão, conforme se extrai do supracitado artigo 231 do CTB. Ora, se a medida administrativa que determinou apreensão não é penalidade prevista na norma geral de trânsito ( CTB - Lei n. 9.503/97), considero ilegal e abusiva a apreensão contestada, ainda que baseada em norma estadual contida na Lei n 19.445/2011 (e/ou no Decreto nº 44 035/05), sobretudo porque a apreensão está reservada apenas às infrações gravíssimas. (...). Por conseguinte, uma vez evidenciado que a legislação que amparou o ato praticado pelos ora embargados extrapola os limites fixados na legislação federal ( Código de Trânsito Brasileiro), que prevê, tão somente, a retenção do veículo e multa, para a hipótese de transporte irregular de passageiros, é de se concluir que padecem de ilegalidade tanto a apreensão do bem. como o condicionamento de sua liberação ao prévio pagamento das multas vencidas, taxas, despesas com o transbordo dos passageiros, remoção e estada, razão pela qual peço venia para concluir pelo prevalecimento do voto vencido (fls. 249/252). 8. Verifica-se da leitura dos fragmentos acima destacados que o Recorrente apresentou fundamentos dissociados do que foi decidido no julgamento dos Embargos Infringentes, limitando-se a defender que é o órgão competente para conceder permissão/autorização para quem pretende realizar transporte de passageiros, não se prestando, portanto, para impugnar os fundamentos do acórdão recorrido. Aplica-se, por analogia, a Súmula 284/STF. 9. Nesse sentido, os seguintes julgados: ADMINISTRATIVO E PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL. RAZÕES DE INCONFORMISMO ESTÃO DISSOCIADAS DOS FUNDAMENTOS DA DECISÃO AGRAVADA. SÚMULA 284/STF. SERVENTIA EXTRAJUDICIAL. PROVIMENTO DO CARGO SEM CONCURSO PÚBLICO. INCONSTITUCIONALIDADE DECLARADA PELO STF ( ADI Nº 1.573/SC). ATO NULO. PRESCRIÇÃO ADMINISTRATIVA AFASTADA. 1. É inadmissível o agravo regimental que apresenta razões dissociadas do quadro fático e das premissas jurídicas expostos na decisão agravada. Os argumentos veiculados no presente apelo não guardam pertinência com os fundamentos da decisão atacada, atraindo a incidência, por analogia, da Súmula 284/STF. 2. As Turmas que compõem a Primeira Seção deste STJ firmaram jurisprudência no sentido de que a Administração pode anular, a qualquer tempo, o ato administrativo de provimento de serventia extrajudicial sem a devida observância ao requisito do concurso público, não se cogitando da incidência do disposto no art. 54 da Lei nº 9.784/99. 3. Agravo regimental a que se nega provimento (AgRg. no REsp. 930.934/SC, Rel. Min. SÉRGIO KUKINA, DJe 6.4.2015). PROCESSUAL CIVIL. PREVIDENCIÁRIO. RAZÕES DISSOCIADAS DO CONTEÚDO DA DECISÃO AGRAVADA. SÚMULA 284/STF. 1. Aplica-se a Súmula 284 do STF no caso, por estarem as razões do agravo completamente dissociadas dos argumentos do decisum objurgado. Em verdade o recurso oposto pelo INSS não guarda relação com o que foi decidido às fls. 230-238, e-STJ. 2. Os fundamentos do agravo devem ter correspondência com o conteúdo do Recurso Especial e com o da decisão agravada e exprimir, com transparência e objetividade, os motivos pelos quais o recorrente visa à reforma do acórdão recorrido. Assim sendo, o conhecimento do agravo, neste aspecto, encontra óbice, mutatis mutandis, na Súmula 284 do Supremo Tribunal Federal. 3. Agravo Regimental não conhecido (AgRg no REsp. 1.461.085/RS, Rel. Min. HERMAN BENJAMIN, DJe 10.10.2014). 10. Ademais, não obstante a combativa argumentação, o fato é que o entendimento perfilhado pelo aresto impugnado está em consonância com a orientação da Primeira Seção deste Superior Tribunal, no julgamento do REsp. 1.144.810/MG, Rel. Min. TEORI ALBINO ZAVASCKI, DJe 18.03.2010, submetido à sistemática do art. 543-C do CPC, que firmou o entendimento de que a liberação do veículo retido por transporte irregular de passageiros, com base no art. 231, VIII, do Código de Trânsito Brasileiro, não está condicionada ao pagamento de multas e despesas. 11. Confiram-se os julgados desta Corte Superior, proferidos em casos análogos ao presente: ADMINISTRATIVO. AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL. INFRAÇÃO DE TRÂNSITO. TRANSPORTE IRREGULAR DE PASSAGEIROS. INFRAÇÃO DE TRÂNSITO APENADA COM MULTA EM QUE A LEI PREVÊ, COMO MEDIDA ADMINISTRATIVA, A MERA RETENÇÃO DO VEÍCULO. LIBERAÇÃO NÃO CONDICIONADA AO PAGAMENTO DE MULTAS E OUTRAS DESPESAS. ACÓRDÃO RECORRIDO EM DISSONÂNCIA COM O ENTENDIMENTO PACIFICADO PELA PRIMEIRA SEÇÃO. RECURSO ESPECIAL REPETITIVO N. 1.144.810 - MG. APLICAÇÃO DO ARTIGO 543-C DO CPC. 1. Com efeito, cumpre registrar que a quaestio iuris, por sua natureza repetitiva, foi submetida ao regime previsto no artigo 543-C do CPC, regulamentado pela Resolução n. 8 do STJ, de 7.8.2008, no bojo do REsp n. 1.144.810 - MG, e resolvida no âmbito da Primeira Seção do STJ, por acórdão publicado no DJe 18/03/2010. 2. Sob esse enfoque, o recurso especial merece provimento, porquanto o acórdão recorrido encontra-se em dissonância com a jurisprudência do STJ, no sentido de que, em se tratando de infração de trânsito em que a lei não comina, em abstrato, penalidade de apreensão, mas simples medida administrativa de retenção, nos termos do art. 231, VIII, do CTB, é ilegal e arbitrária a apreensão do veículo, bem como o condicionamento da respectiva liberação ao pagamento de multas e de despesas com remoção e estadia. 3. Agravo regimental não provido (AgRg no REsp. 1.156.682/TO, Rel. Min. BENEDITO GONÇALVES, DJe 13.05.2010). ² ² ² PROCESSUAL CIVIL - ADMINISTRATIVO - TRANSPORTE IRREGULAR DE PASSAGEIROS - RETENÇÃO DO VEÍCULO - LIBERAÇÃO - CONDICIONADA AO PAGAMENTO DE MULTAS - IMPOSSIBILIDADE - PRECEDENTES. 1. As penas para a infração prevista no art. 231, VIII, do Código de Trânsito Brasileiro, consistem em multa e retenção do veículo, sendo que a referência à retenção não pode ser interpretada como se apreensão fosse, pois o referido diploma legal, em diversos dispositivos, dá tratamento diferenciado às duas hipóteses. 2. No caso de apreensão, o veículo é "recolhido ao depósito e nele permanecerá sob custódia e responsabilidade do órgão ou entidade apreendedora, com ônus para o seu proprietário, pelo prazo de até trinta dias, conforme critério a ser estabelecido pelo CONTRAN" (art. 262). Tais regras não são estabelecidas para os casos de retenção que é medida precária, subsistindo apenas até que determinadas irregularidades apontadas pela fiscalização de trânsito sejam sanadas. 3. Desborda dos limites traçados na legislação federal, a previsão contida no art. 85, § 3o., do Decreto 2.521/98, no sentido de condicionar, ao prévio pagamento de multas e demais despesas, a liberação do veículo retido por transportar passageiros sem autorização dos órgãos competentes. 4. Recurso especial não provido (REsp. 843.837/MG, Rel. Min. ELIANA CALMON, DJe 18.09.2008). 12. Observa-se, assim, ser aplicável ao caso a Súmula 83/STJ, segundo a qual não se conhece do Recurso Especial pela divergência, quando a orientação do Tribunal se firmou no mesmo sentido da decisão recorrida. 13. Diante do exposto, nega-se provimento ao Agravo em Recurso Especial. 14. Publique-se. Intimações necessárias. Brasília (DF), 09 de março de 2016. NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO MINISTRO RELATOR
Disponível em: https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/890928443/agravo-em-recurso-especial-aresp-858151-mg-2016-0031026-6