jusbrasil.com.br
8 de Agosto de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Superior Tribunal de Justiça
há 8 anos

Detalhes da Jurisprudência

Processo

Publicação

Relator

Ministro JORGE MUSSI

Documentos anexos

Decisão MonocráticaSTJ_RHC_45543_f096e.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Decisão Monocrática

Superior Tribunal de Justiça

RECURSO EM HABEAS CORPUS Nº 45.543 - PR (2014/0041280-6)

RELATOR : MINISTRO JORGE MUSSI

RECORRENTE : ANTONIO JOAQUIM DA SILVA (PRESO)

ADVOGADOS : RICARDO RAIZER PAULO ROBERTO TAETTI BERTHOLDO E OUTRO(S) LUIZ PAULO POMPEU DA SILVA

RECORRIDO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

DECISÃO

Trata-se de recurso ordinário em habeas corpus interposto por ANTÔNIO JOAQUIM DA SILVA contra acórdão proferido pela 7.ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região que denegou a ordem pleiteada no HC n.º 5027947-38.2013.404.0000.

Narra o recorrente que foi denunciado perante o Juízo da 4.ª Vara Federal de Foz do Iguaçu/PR, nos autos da Ação Penal n.º 5006286-80.2012.404.7002, como incurso no art. 184, § 2.º, do Código Penal.

O Juízo Federal declinou a competência para processamento e julgamento do feito para o Juízo Estadual, o que foi reformado pelo Tribunal a quo em julgamento de recurso em sentido estrito ministerial.

A denúncia foi recebida e, após apresentação de resposta à acusação, o recebimento foi ratificado.

Impetrado prévio writ buscando o trancamento da ação penal, a ordem foi denegada.

Daí o presente recurso, no qual o recorrente alega que a denúncia seria inepta, pois nela não haveria descrição de como teria se dado a transnacionalidade do delito.

Aduz que, ao contrário do afirmado pelo órgão acusador, o laudo merceológico não teria feito qualquer menção à origem das mídias.

Afirma que não se teria descrito e individualizado na incoativa as vítimas do delito a ele imputado.

Defende que a autoridade recorrida não teria analisado a aptidão da denúncia quanto à transnacionalidade no recurso em sentido estrito no qual definiu a competência da Justiça Federal para processamento e julgamento da ação penal em questão, razão pela qual não haveria que se falar em preclusão quanto a este ponto.

Alega que faltaria condição de procedibilidade da ação, na medida em que no momento da apreensão não teria sido lavrado termo assinado por duas testemunhas, com a descrição de todos os bens apreendidos e informações sobre suas origens, conforme determinação do art. 530-C do Código de Processo Penal.

Argumenta que a ausência de qualquer condição para o exercício da ação penal acarretaria também o desarrimo da justa causa para a manutenção de sua tramitação.

Requer o provimento do presente recurso, in limine, a fim de que seja determinado o trancamento da Ação Penal n.º 5006286-80.2012.404.7002, em trâmite perante o Juízo da 4.ª Vara Federal de Foz do Iguaçu/PR.

É o relatório.

A2.2

C542452155980614458407@ C809056212<4100;@

RHC 45543 2014/0041280-6 Documento Página 1 de 1

Superior Tribunal de Justiça

A concessão da tutela de urgência reserva-se aos casos excepcionais de ofensa manifesta ao direito de ir e vir do recorrente e desde que preenchidos os pressupostos legais, que são o fumus boni juris e o periculum in mora.

No entanto, não se vislumbra a presença do fumus boni juris, na medida em que o Tribunal recorrido entendeu que a denúncia observa as disposições do artigo 41 do Código de Processo Penal, contendo a exposição do fato criminoso e suas circunstâncias, permitindo ao réu entender o fato pelo qual foi acusado e defender-se adequadamente, razão pela qual não se poderia dizer que o aresto impugnado se mostra teratológico ou manifestamente ilegal.

Ausentes, portanto, os requisitos necessários à medida de urgência, admitida apenas excepcionalmente, quando demonstrada, de plano, a plausibilidade jurídica das alegações, indefere-se a liminar .

Encaminhem-se os autos ao Ministério Público Federal para manifestação.

Brasília, 05 de março de 2014.

Ministro JORGE MUSSI

Relator

A2.2

C542452155980614458407@ C809056212<4100;@

RHC 45543 2014/0041280-6 Documento Página 2 de 1

Disponível em: https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/891092049/recurso-em-habeas-corpus-rhc-45543-pr-2014-0041280-6/decisao-monocratica-891092100

Informações relacionadas

Tribunal Regional Federal da 4ª Região
Jurisprudênciahá 9 anos

Tribunal Regional Federal da 4ª Região TRF-4 - HABEAS CORPUS: HC 5027947-38.2013.404.0000 5027947-38.2013.404.0000