jusbrasil.com.br
25 de Janeiro de 2022
2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Superior Tribunal de Justiça
há 8 anos
Detalhes da Jurisprudência
Publicação
DJ 07/03/2014
Relator
Ministro MARCO BUZZI
Documentos anexos
Decisão MonocráticaSTJ_RCL_16855_e24ee.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Decisão Monocrática

Superior Tribunal de Justiça

RECLAMAÇÃO Nº 16.855 - SP (2014/0046078-0)

RELATOR : MINISTRO MARCO BUZZI

RECLAMANTE : BANCO BRADESCO FINANCIAMENTOS S/A

ADVOGADO : RUBENS GASPAR SERRA E OUTRO(S)

RECLAMADO : COLÉGIO RECURSAL DA 25A CIRCUNSCRIÇÃO

JUDICIÁRIA DE OURINHOS - SP

INTERES. : ANDREIA SHIRLENE DE SOUZA

DECISÃO

Trata-se de reclamação ajuizada pelo BANCO BRADESCO FINANCIAMENTOS S/A, com fundamento na Resolução STJ n.º 12/2009, contra acórdão proferido pelo Colégio Recursal da 25.ª Circunscrição Judiciária de Ourinhos, no Estado de São Paulo.

Alega o reclamante contrariedade à orientação do STJ estabelecida no julgamento do REsp n.º 1.251.331/RS, de modo a ser válida a cobrança, estabelecida em contrato no ano de 2007, de comissão de operações ativas - COA.

É o relatório.

Decido.

A reclamação não merece prosperar.

1. O que se percebe, de plano, é que o reclamante maneja o presente expediente como se fosse um autêntico recurso, cujos atributos seriam aptos a modificar o provimento jurisdicional que lhe fora desfavorável.

Ocorre que, como sabido, esse instituto - na esteira do que decidido pelo Egrégio Supremo Tribunal Federal no julgamento dos Embargos de Declaração no Recurso Extraordinário 571.572/BA e normatizado perante este Superior Tribunal na Resolução 12, de 14.12.2009 - não autoriza a mera revisão ordinária das decisões oriundas de turmas recursais estaduais.

A Corte Especial, apreciando questão de ordem na Reclamação 3752/GO, entendeu pela possibilidade de se ajuizar reclamação perante o STJ com a finalidade de adequar as decisões proferidas pelas Turmas Recursais dos Juizados Especiais estaduais à Súmula ou jurisprudência dominante desta Corte, de modo a evitar a manutenção de decisões conflitantes a respeito da interpretação da legislação infraconstitucional no âmbito do Poder Judiciário.

Nesse contexto, buscando adaptar o instituto da reclamação ao novo propósito a ele confiado, editou-se a Resolução 12, de 14 de dezembro de 2009, aplicável ao presente caso.

A Segunda Seção, no julgamento das Reclamações 3.812/ES e 6.721/MT, interpretando a citada Resolução, decidiu que a jurisprudência do STJ a ser considerada para efeito do cabimento da reclamação é apenas a relativa a direito material, consolidada em súmulas ou teses adotadas no julgamento de recursos repetitivos (CPC, art. 543-C).

Não se admite, com isso, a propositura de reclamações com base apenas em precedentes oriundos do julgamento de recursos especiais. Questões processuais resolvidas pelos Juizados não são passíveis de reclamação, dado que o processo, nos juizados especiais, orienta-se pelos princípios da Lei 9.099/95. Fora desses critérios foi ressalvada somente a possibilidade de revisão de decisões

GMMB-8

C5424521550:1494047614@ C809584128506830@

Rcl 16855 2014/0046078-0 Documento Página 1 de 1

Superior Tribunal de Justiça

teratológicas.

No caso dos autos, o reclamante aponta como inobservada a orientação estabelecida no julgamento do REsp 1.251.331/RS, julgado na forma do artigo 543-C do CPC, o qual dispõe a respeito da cobrança da TAC e da TEC. Por outro lado, no acórdão reclamado, decidiu-se acerca da ilegalidade da exigência intitulada "comissão operacional ativa" - tarifa que remunera serviço não precisamente identificado. Além disso, inexiste, no julgado, informação acerca da data de assinatura do contrato.

Com isso, não restou comprovada a similitude fática entre o aresto questionado e o prolatado pelo STJ no julgamento do recurso especial repetitivo indicado, requisito essencial para a configuração do dissenso pretoriano nos termos dos artigos 541 do CPC e 255 do RISTJ.

Acrescente-se, por fim, que, na hipótese, não se evidencia teratologia ou manifesta ilegalidade na decisão reclamada de modo a justificar a mitigação das exigências mencionadas.

2. Ante o exposto, nos termos do artigo 1º, § 2º, da Resolução STJ n.º 12/2009, não admito a reclamação.

Publique-se.

Intimem-se.

Brasília (DF), 28 de fevereiro de 2014.

MINISTRO MARCO BUZZI

Relator

GMMB-8

C5424521550:1494047614@ C809584128506830@

Rcl 16855 2014/0046078-0 Documento Página 2 de 1

Disponível em: https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/891365313/reclamacao-rcl-16855-sp-2014-0046078-0/decisao-monocratica-891365391

Informações relacionadas

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 8 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - RECURSO ESPECIAL : REsp 0029401-25.2009.8.21.7000 RS 2011/0096435-4