jusbrasil.com.br
29 de Junho de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Superior Tribunal de Justiça STJ - MANDADO DE SEGURANÇA: MS 18683 DF 2012/0119040-3

Superior Tribunal de Justiça
há 8 anos

Detalhes da Jurisprudência

Publicação

DJ 14/03/2014

Relator

Ministro MAURO CAMPBELL MARQUES

Documentos anexos

Decisão MonocráticaSTJ_MS_18683_3f5b1.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Decisão

MANDADO DE SEGURANÇA Nº 18.683 - DF (2012/0119040-3) RELATOR : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES IMPETRANTE : REDE COUTO MAGALHÃES ENERGIA S/A ADVOGADO : LYCURGO LEITE NETO E OUTRO (S) IMPETRANTE : ENERCOUTO S/A ADVOGADO : LYCURGO LEITE NETO E OUTRO (S) IMPETRADO : MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA IMPETRADO : DIRETOR GERAL DA AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA INTERES. : UNIÃO INTERES. : AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL REPR. POR : PROCURADORIA-GERAL FEDERAL MANDADO DE SEGURANÇA. ENERGIA ELÉTRICA. CONTRATO. PAGAMENTO DE USO DE BEM PÚBLICO (UBP). SUSPENSÃO. REALIZAÇÃO RESCISÃO DO CONTRATO DE USO DE BEM PÚBLICO PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Nº 21/002 - ANEEL - AHE - COUTO MAGALHÃES. PERDA DO OBJETO. DECISÃO Adoto o relatório de fls. 598/600: Trata-se de mandado de segurança impetrado pela Rede Couto Magalhães e Energia S/A e Enercouto S/A em face do SR. MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA e do SR. DIRETOR GERAL DA AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA em razão de ato consubstanciado na ausência de decisão sobre pedido de extinção de concessão de uso de bem público outorgada às impetrantes e conseqüente insubsistência da exigência de preço pelo uso de bem público, de que trata o contrato de concessão firmado pelas partes com a UNIÃO FEDERAL. A parte impetrante aduz que, em 2002, firmou contrato de concessão de uso de bem público para a exploração da Usina Hidrelétrica Coto Magalhães (UHE Couto Magalhães). Alega que, em 2011, 9 anos após a outorga da concessão, o IBAMA, por meio do Ofício nº 892/2011, informou o indeferimento em definitivo do pedido de Licença ambiental. Sustenta (fls. 3/4): [...] 10. Em que pese seja bastante significativo, a inviabilidade da implantação da UHE Couto Magalhães não se restringiu a questão ambiental. Por força de dificuldades no licenciamento ambiental, as Impetrantes e a União Federal assinaram, em caráter emergencial, o Primeiro Termo Aditivo de Contrato de Concessão, de 04 de abril de 2007 (doe. 03), com a finalidade de dispor sobre a prorrogação do pagamento do Uso do Bem Público (UBP) previsto no Contrato de Concessão. Essa medida tinha por finalidade evitar a constituição de mora das Impetrantes, com a conseqüente imposição de penalidades e inscrição no Cadastro Informativo de Créditos Não Quitados do Setor Público Federal (CADIN), considerado o justificado atraso na implantação do empreendimento. 11. Ocorre que o Primeiro Termo Aditivo ao Contrato de Concessão confirmou o valor agregado da UBP de R$ 555.000.000,00 (quinhentos e cinqüenta e cinco milhões de reais), nada obstante tenha reduzido o prazo de concessão da UHE Couto Magalhães de 30 (trinta) para 26 (vinte e seis) anos. Essa circunstância onerou as Impetrantes em R$ 21.346.154,00 (vinte e um milhões, trezentos e quarenta e seis mil, e cento e cinqüenta e quatro reais), por ano, os quais, atualizados, alcançam montante estimado de R$ 47.400.000,00 (quarenta e sete milhões, e quatrocentos mil reais). Em linhas gerais, citada majoração implica aumento de custo equivalente a R$ 60,00/MWh gerado, o que não pode ser suportado segundo a equação econômico-financeira vigente do Contrato de Concessão. 12. Não bastassem esses dois fatos relevantes para a sustentabilidade do empreendimento (reitere-se: o atraso no processo de licenciamento ambiental,culminado com o indeferimento pelo IBAMA do pedido de Licença Prévia, e o aumento do valor da UBP), as Impetrantes foram ainda surpreendidas (i) pela não homologação pela ANEEL dos contratos de comercialização entre as Impetrantes e as distribuidoras de seus grupos econômicos (Contratos de Self-Dealing), em vista do preço nelas pactuado para suportar os custos de geração respectivos; e (ii) pela posterior proibição da elaboração de tais Contratos de Self-Dealing pela Lei n.º 10.484/04 (Lei do Novo Modelo do Setor Elétrico). 13. Com efeito, as Impetrantes tinham como premissa para a participação do Leilão n.º 004/2001 a possibilidade de celebração de contratos de compra e venda de energia elétrica com as distribuidoras pertencentes ao mesmo grupo econômico - o que restou inviabilizado pela edição da Lei n.º 10.484/04. Com tal proibição, o modelo econômico imposto para o empreendimento tornou-se bastante diferente daquele utilizado como base da oferta que sagrou as Impetrantes vencedoras do leilão. 14. Em vista da inviabilidade de implementação do empreendimento relativo à UHE Couto Magalhães, as Impetrantes formularam pedido de revisão do Contrato de Concessão perante o MME e ANEEL a fim de restabelecer o equilíbrio econômico-financeiro da concessão em referência. 15. Ocorre que, em 22 de março de 2011, por meio do Ofício n.º 032/2011 (doe. 06), o MME manifestou-se no sentido de que seria necessária a edição de legislação específica para autorizar o reequilíbrio do Contrato de Concessão celebrado entre as Impetrantes e a União Federal. 16. Diante desse cenário e da manifesta impossibilidade de implementar o empreendimento econômico da UHE Couto Magalhães, em 20 de março de 2012, as Impetrantes formularam requerimento ao MME e à ANEEL (doe. 7), pelo qual foi requerida: (i) a rescisão amigável do Contrato de Concessão; (ii) a devolução da garantia de cumprimento das obrigações do Contrato de Concessão prevista na subcláusula 9a, da Cláusula 7a; (iii) a conseqüente não cobrança do montante de UBP; e (iv) o ressarcimento dos custos incorridos pelas Impetrantes no desenvolvimento dos estudos ambientais. 17. Em que pese tenha decorrido o prazo de 30 dias previstos na Lei n. 9.784/99 para a conclusão dos processos administrativos instaurados perante o Poder Executivo Federal, citado requerimento ainda se encontra em análise perante o MME e a ANEEL. [...] Afirma que a Administração tem o dever de decidir os pedidos a ela formulados no âmbito dos processos por ela instaurados, não podendo se admitir a conduta omissão da administração, sob pena de violação aos direitos do impetrante. Alega que o requerimento de rescisão amigável do Contrato de Concessão foi aviado em 20 de março do ano em curso e que até a data de impetração não havia qualquer resposta, o que viola o art. 49 da Lei 9784/99, tendo os impetrantes o direito líquido e certo de terem seu pleito apreciado no prazo legalmente estipulado. Pugna pela concessão de liminar da segurança, "para fim de resguardar direito líquido e certo de não efetuarem qualquer pagamento a título de UBP enquanto não definitivamente julgado o Processo Administrativo n. 48500.005.778/2000-00, no qual, reitere-se, se pretende a rescisão do Contrato de Concessão e a conseqüente insubsistência das obrigações nele previstas" (fls.5). A fim de caracterizar o perigo na demora, a parte impetrante diz que "o risco de dano irreparável decorre do fato de as Impetrantes - prestadoras de serviços públicos essenciais de produção de energia elétrica - desembolsarem vultoso valor - atrelado ao Contrato de Concessão pendente de análise de rescisão - o qual é essencial para desenvolvimento regular de suas atividades. Os valores em referência serão (ou seriam) utilizados para pagamento de sua folha de salários e de seus fornecedores, os quais são responsáveis pela manutenção das fontes para produção da energia elétrica" (fls. 10/11). O Ministro Francisco Falcão postergou o exame da liminar, adiando-a até o recebimento das informações e do parecer do Ministério Público. O Ministério de Minas e Energia (fls. 365/373) e Agência Nacional de Energia Elétrica (fls. 442/456) prestaram informações. As impetrantes, às fls. 377/379, apresentaram petição alegando: [...]receberam da Eletrobrás o boleto relativo à primeira parcela da quota de UBP no valor de R$ 4.647.356,01 (quatro milhões, seiscentos e quarenta e sete mil, trezentos e cinquenta e seis reais e um centavo), com prazo de vencimento em 19/07/2012, tornando imprescindível, pois, a tutela liminar requerida (e ainda não apreciada) na demanda. [...] Em suma, pretende o poder concedente que seja efetuado o pagamento de R$ 4.647.356,01 (quatro milhões, seiscentos e quarenta e sete mil, trezentos e cinquenta e seis reais e um centavo) em contrapartida ao 'uso de bem público' que nunca foi e nunca será exercido pelas impetrantes. No ponto, importante ressaltar que a Superintendência de Concessões e Autorizações de Geração da Aneel emitiu a Nota Técnica nº 223/2012 - SCG/Aneel, pela qual reconheceu a procedência das razões apresentadas pelas impetrantes (especialmente no que se refere à inviabilidade do empreendimento econômico tal como anteriormente licitado) e recomendou ao MME a extinção da concessão da UHE Couto Magalhães, sem ônus às concessionárias impetrantes. [...] O Ministro Presidente, em razão da ausência do relator, deferiu a medida liminar para suspender a exigibilidade da primeira parcela referente ao uso do bem público, até que o relator retorne de férias e possa firmar juízo a respeito (fls. 458/459). Os autos vieram redistribuídos pela Coordenadoria da Primeira Seção, em razão das férias do relator. É o relatório. Passo a decidir. [...] A liminar foi deferida (fls. 598/602) É o relatório que basta. Por meio da petição de fls. 666/670, as impetrantes informam que foi celebrado entre as partes o "Termo de Rescisão do Contrato de Uso de Bem Público para Geração de Energia Elétrica nº 21/002 - ANEEL - AHE - Couto Magalhães" (fls. 668/670), por meio do qual foi encerrado, de forma amigável, o Contrato de Concessão nº 21/2002, restando inexigíveis as disposições nele previstas, dentre as quais, a exigibilidade do pagamento a título de uso de bem público (cláusula segunda). No referido Termo de Rescisão de Contrato, foram estipuladas, na cláusula segunda, as seguintes condições: CLÁUSULA SEGUNDA - DAS CONDIÇÕES DA RESCISÃO Em face do Requerimento dos Concessionários para Rescisão do Contrato de Concessão atender ao disposto no art. 4e-A. da Lei n- 9.074. de 7 de julho de 1995. fica lhes assegurada a isenção de Pagamento pelo Uso de Bem Público durante a vigência do Contrato de Concessão, restando inexigíveis as disposições originalmente previstas na Cláusula Sexta do Contrato de Concessão. Subcláusula Primeira - Na eventualidade de ter havido o pagamento de qualquer parcela a título de Uso de Bem Público, fica assegurada aos Concessionários a devolução dos valores efetivamente pagos, bem como a remissão dos encargos de mora eventualmente incorridos. Subcláusula Segunda - Em razão da eficácia do item III. da Subcláusula Primeira, da Cláusula Sétima, do Contrato de Concessão ter sido condicionada a evento futuro e incerto que não se verificou, fica resolvida a obrigação dos Concessionários de ressarcir os custos incorridos pelas empresas Brascan Energética S.A.. Energimp S.A., Amper - Construções Elétricas S.A., Centrais Elétricas Brasileiras S.A. e Centrais Elétricas do Norte do Brasil S.A. no desenvolvimento dos Estudos de Inventário, Viabilidade e Ambientais do Aproveitamento Hidrelétrico. Subcláusula Terceira - Fica assegurado às empresas Brascan Energética S.A.. Energimp S.A., Amper - Construções Elétricas S.A., Centrais Elétricas Brasileiras S.A. e Centrais Elétricas do Norte do Brasil S.A. e aos próprios Concessionários o ressarcimento dos custos incorridos na elaboração de Estudos ou Projetos que venham ser aprovados pela Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL na eventualidade de servirem de subsídios para futura licitação de exploração do Aproveitamento Hidrelétrico, nos termos do art. 28. da Lei rfi 9.427, de 26 de dezembro de 1996. Subcláusula Quarta - As garantias aportadas em conformidade com a Subcláusula Nona da Cláusula Sétima do Contrato de Concessão serão liberadas pela ANEEL aos Concessionários. Assim, em face da referida rescisão, há a perda de interesse processual no presente mandado de segurança, que objetivava a insubsistência da exigência de preço pelo uso de bem público enquanto não decididos os pedidos de extinção da concessão e da rescisão contratual contidos no Processo Administrativo nº 48500.005.778/20000-00. Com essas considerações, com supedâneo no art. 34, XI, do RISTJ, JULGO PREJUDICADO o presente mandado de segurança, por perda superveniente de objeto. Prejudicados os agravos regimentais apresentados pela União (fls. 608/620) e pela Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL (fls. 623/652). Publique-se. Intimem-se. Brasília (DF), 12 de março de 2014. MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES Relator
Disponível em: https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/891576289/mandado-de-seguranca-ms-18683-df-2012-0119040-3