jusbrasil.com.br
28 de Junho de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Superior Tribunal de Justiça STJ - EDcl na RECLAMAÇÃO: EDcl na Rcl 19492 DF 2014/0189903-0

Superior Tribunal de Justiça
há 8 anos

Detalhes da Jurisprudência

Publicação

DJ 10/09/2014

Relator

Ministro JOÃO OTÁVIO DE NORONHA

Documentos anexos

Decisão MonocráticaSTJ_EDCL-RCL_19492_76f1b.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Decisão

EDcl na RECLAMAÇÃO Nº 19.492 - DF (2014/0189903-0) RELATOR : MINISTRO JOÃO OTÁVIO DE NORONHA EMBARGANTE : SOLTEC ENGENHARIA LTDA ADVOGADA : ANDREIA MORAES DE OLIVEIRA MOURÃO E OUTRO (S) RECLAMADO : TERCEIRA TURMA RECURSAL DOS JUIZADOS ESPECIAIS DO DISTRITO FEDERAL INTERES. : IURI DE BRITO PEREIRA ADVOGADO : ANA PAULA FAURE PROCESSUAL CIVIL. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. RECLAMAÇÃO. RESOLUÇÃO N. 12/2009. OBSCURIDADE, CONTRADIÇÃO OU OMISSÃO. INEXISTÊNCIA. 1. Inexistindo obscuridade, contradição ou omissão no julgado, não prosperam os embargos de declaração. 2. Embargos de declaração rejeitados. DECISÃO Trata-se de embargos de declaração opostos por SOLTEC ENGENHARIA LTDA. a decisão que julgou improcedente a reclamação visto não ter sido apresentada divergência com jurisprudência consolidada do STJ e por inexistir similitude fática entre o julgado da Turma Recursal e a jurisprudência deste Tribunal. A embargante, com fundamento no art. 535, I e II, do Código de Processo Civil, alega que a manutenção da decisão da Turma Recursal é contraditória à jurisprudência deste Tribunal. Sustenta, em síntese, que não foi comprovada nos autos má-fé na cobrança da comissão de corretagem, razão pela qual não poderia ser condenada a restituí-la em dobro. Requer o conhecimento e acolhimento dos embargos de declaração. É o relatório. Decido. Não há a contradição alegada. A decisão improcedência da reclamação considerou o fato de que, quanto à determinação de devolução em dobro dos valores indevidamente cobrados, a parte reclamante não se desincumbiu de demonstrar a existência do dissídio em questão, que pressupõe a absoluta identidade entre os substratos fáticos de um e de outro julgado, a ensejar a aplicação do direito do modo como interpretado pelo STJ. Com efeito, os julgados do STJ colacionados dizem respeito à tese de que a condenação ao pagamento de repetição do indébito em dobro somente tem aplicação quando comprovada a má-fé daquele que logrou receber a quantia indevida. No julgado ora atacado, a Turma Recursal, por sua vez, entendeu estar demonstrada a má-fé da recorrente, a justificar a devolução em dobro, já que praticou ato ilícito e abusivo e não ficou configurado o engano justificável. Nos termos do art. 535 do CPC, somente é cabível o recurso de embargos de declaração nas hipóteses em que o julgado impugnado tenha incorrido em omissão, obscuridade ou contradição. In casu, não ocorreu nenhum dos vícios elencados. Ante o exposto, rejeito os embargos de declaração. Publique-se. Brasília (DF), 08 de setembro de 2014. MINISTRO JOÃO OTÁVIO DE NORONHA Relator
Disponível em: https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/900084692/edcl-na-reclamacao-edcl-na-rcl-19492-df-2014-0189903-0