jusbrasil.com.br
29 de Novembro de 2021
2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Superior Tribunal de Justiça STJ - MANDADO DE SEGURANÇA : MS 26632 DF 2020/0178555-0

Superior Tribunal de Justiça
ano passado
Detalhes da Jurisprudência
Processo
MS 26632 DF 2020/0178555-0
Publicação
DJ 17/08/2020
Relator
Ministra ASSUSETE MAGALHÃES
Documentos anexos
Decisão MonocráticaSTJ_MS_26632_59365.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Decisão

MANDADO DE SEGURANÇA Nº 26632 - DF (2020/0178555-0) RELATORA : MINISTRA ASSUSETE MAGALHÃES IMPETRANTE : VINICIUS TAVARES DE SOUZA ADVOGADO : ESTER TAVARES FERNANDES LOPES - PR070020 IMPETRADO : MINISTRO DA CIDADANIA INTERES. : UNIÃO DECISÃO Trata-se de Mandado de Segurança, com pedido de liminar, impetrado, em 21/07/2020, por VINICIUS TAVARES DE SOUZA, contra suposto ato do Ministro da Cidadania, consubstanciado na negativa de concessão do Auxílio Emergencial, previsto na Lei 13.982/2020. Sustenta o impetrante que: "O artigo 3º do decreto 10.316/20 estabelece todos os requisitos para que o trabalhador possa receber o auxílio. No caso objeto da presente demanda, o beneficio do impetrante não foi aprovado por, supostamente, violar o inciso II do referido artigo, o qual requer que o cidadão não tenha emprego formal ativo. (...) Socorrendo-se da CLT para melhor análise, tem-se, no artigo , que empregados são pessoas físicas que prestam serviço de natureza não eventual a empregador, sob dependência deste e mediante salário. No caso em concreto, o Impetrante está desempregado, além de não possuir nenhuma relação de dependência e muito menos receber qualquer salário, como pode facilmente ser comprovado pelos documentos, que segue em anexo. Portanto, o Impetrante deve ter seu direito de receber o auxílio emergencial imediatamente efetivado" (fls. 9/10e). Por fim, requer seja julgada procedente a demanda. Nos termos do art. 105, I, b, da Constituição Federal, compete ao Superior Tribunal de Justiça processar e julgar, originariamente, os Mandados de Segurança impetrados "contra ato de Ministro de Estado, dos Comandantes da Marinha, do Exército e da Aeronáutica ou do próprio Tribunal". In casu, o impetrante juntou aos autos tão somente a cópia da página eletrônica do site da Caixa Econômica Federal, que assim dispõe: "Seu Auxílio Emergencial não foi aprovado pelo motivo: Cidadão (ã) possui emprego formal" (fl. 23e). Com efeito, além da cópia da mensagem eletrônica não individualizar ao impetrante como possível beneficiário do auxílio pleiteado, não restou indicado qual o ato de efeito concreto do Ministro da Cidadania teria violado seu direito líquido e certo, razão pela qual falece competência ao STJ para processar e julgar o presente mandamus. Nesse sentido, destaque-se a seguinte decisão monocrática: MS 26.054/DF, Relator Ministra REGINA HELENA COSTA, DJe de 11/05/2020. Ante o exposto, nos termos do disposto nos arts. 6º, § 5º e 10 da Lei 12.016/2009 e 212 do RISTJ, indefiro liminarmente o presente mandamus. Sem honorários. Custas ex lege. I. Brasília, 13 de agosto de 2020. MINISTRA ASSUSETE MAGALHÃES Relatora
Disponível em: https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/920091403/mandado-de-seguranca-ms-26632-df-2020-0178555-0

Informações relacionadas

Superior Tribunal de Justiça
Jurisprudênciahá 2 anos

Superior Tribunal de Justiça STJ - MANDADO DE SEGURANÇA : MS 0097626-64.2020.3.00.0000 DF 2020/0097626-8