jusbrasil.com.br
27 de Junho de 2022
    Adicione tópicos

    Lei não pode retroagir para prejudicar o réu, reafirma STJ

    Superior Tribunal de Justiça
    há 12 anos

    A lei não pode retroagir em prejuízo do réu, somente a favor. O entendimento foi reafirmado pelo presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Cesar Asfor Rocha, ao deferir liminar em habeas corpus a um paciente preso por latrocínio em São Paulo.

    Para o ministro, o condenado por crime hediondo antes da vigência da Lei n. 11.464/07 (que regulamentou a progressão de regime nesses casos) tem direito de ir para regime mais brando após cumprir um sexto da pena, tal como prevê a Lei de Execução Penal.

    No caso analisado, o delito teria sido cometido antes de a Lei n. 11.464/07 ter eficácia. Depois de ter cumprido um sexto da pena, o réu pleiteou a progressão para o regime semiaberto. O pedido, porém, não foi acolhido pela Justiça.

    Segundo acórdão do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ/SP), como o condenado era réu primário, só caberia a progressão de regime depois do cumprimento de dois quintos da pena. Se fosse reincidente, seriam necessários três quintos.

    A defesa apelou ao STJ. Em sua decisão, o presidente do Tribunal, ministro Cesar Rocha, entendeu que a exigência de que o condenado cumpra dois quintos da pena para a progressão nos casos de crimes hediondos só pode ser aplicada a quem foi sentenciado depois que a Lei n. 11.464/07 entrou em vigor.

    A progressão de regime aos condenados por crimes hediondos trazida pela Lei n. 11.464/07, por ser evidentemente mais gravosa, não pode retroagir para prejudicar o réu, decidiu o ministro. A decisão seguiu precedentes do próprio STJ. O processo segue agora para parecer do Ministério Público Federal. Após retornar ao tribunal, será apreciado pela Quinta Turma. O relator é o ministro Jorge Mussi.

    Informações relacionadas

    Simone Souza, Advogado
    Artigoshá 2 anos

    Cumprimento de pena privativa de liberdade e a irretroatividade de Lei Penal mais gravosa

    Alegações Finais em Memoriais | Ameaça | Medida Protetiva | Lei Maria da Penha | Criminal | Advogado Criminalista Dr. Jonathan Pontes

    Rede de Ensino Luiz Flávio Gomes
    Notíciashá 13 anos

    O que se entende por abolitio criminis?

    Leonardo Mencaroni, Advogado
    Artigoshá 6 anos

    Resumo: O Caso dos Denunciantes Invejosos

    Meu Site Jurídico
    Artigoshá 3 anos

    Teses do STJ sobre a remição da pena

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)